Em formação

The Legend of Hercules - filme (2014)

The Legend of Hercules - filme (2014)


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Em 19 de março, um neo-peplum 3D foi lançado em nossas telas atacando a mitologia grega por meio da lenda de Hércules. Depois de no início do ano já duas produções medíocres do mesmo gênero - Pompéia e 300: o nascimento de um império -, A lenda de Hercules consegue a façanha de superá-los para assinar com certeza um dos piores filmes do ano ou uma de suas maiores garotas!

Sinopse

Filho de Zeus e da rainha Alcmena, Hércules ama profundamente a princesa Hebe. No entanto, seu “pai adotivo”, o tirânico Anfitrião, que pretendia entregar a mão da jovem ao irmão de Hércules, Íficles, decide se livrar do herói grego. Deixado para morrer e vendido como escravo, Hércules terá que assumir seu destino para derrubar Anfitrião para encontrar sua amada.

Uma adaptação gratuita da lenda

A lenda de Hércules infelizmente só tem o nome. Ou, pelo menos, o filme deveria ter sido renomeado para: The New Legend of Hercules. Porque não espere encontrar elementos do mito a não ser algumas piscadelas vagas mal inseridas no roteiro. A explicação é simples, na verdade é uma prequela muito fantasiosa de como Hércules se tornou um semideus, muito antes dos épicos que o conhecemos como os Doze Trabalhos. A ideia não é má, aliás, fazer de Hércules um herói que não conhece sua origem divina, que a percebe e duvida dela. Mas por que então fazê-lo lutar antes do tempo contra o famoso leão de Nemea - mais perto do pelúcia do que de um monstro no filme -? Este exemplo está na imagem do filme: o mito hercúleo serve apenas para produzir um filme de má exploração surfando na onda visual e de roteiro dos épicos de Hollywood dos últimos anos, 300 e Gladiador em mente.

Massacre da serra elétrica

Gladiador, você diz? Mas qual é a relação entre o general romano Máximo e o grego Hércules? Muito simplesmente, eles são apenas dois homens que se tornaram gladiadores contra sua vontade, e somente a busca pelo sucesso na arena permitirá que eles se emancipem e adquiram a força necessária para derrubar o poder existente. Hércules é, portanto, um gladiador na Grécia antiga, onde os jogos de circo romanos obviamente não existiam. Bem, não deveria ser chamado pelo nome helenístico de Hércules e não pelo nome romano de Hércules? E também não deveria ser dada uma personalidade, o herói grego sendo na mitologia um personagem complexo, ambivalente e violento, não este jovem fisiculturista com ar de bobo vivendo apenas para seu caso de amor com sua princesa. O diretor Renny Harlin não vai parar por nada, indo tão longe a ponto de revisitar o nascimento de Hércules com a bênção de Hera, bem conhecida por sua bondade para com os filhos da infidelidade de Zeus - na mitologia ela enviou cobras para matar Hércules, então baby -. Como você deve ter compreendido, estamos diante de um cenário sem imaginação e sem reflexão e, claro, sem consideração pela mitologia ou pela história antiga. Mas, afinal, não estamos aqui para ver uma aula de mitologia grega, mas um filme de ação, qualquer que seja a história de Hércules, contanto que lance certo? Exceto que ali também, ele grudou severamente.

Uma conquista calamitosa

Em sua carreira, Renny Harlin se destacou no campo dos filmes de ação. Mas esse tempo parece bem e verdadeiramente acabado e esquecido por muitos anos. Não passa de um realizador de terceira zona, habituado aos lançamentos Direct-DVD ou aos massacres-flops cinematográficos. E como, que se parecem em bando juntos, ele se cerca de um terrível elenco digno de uma série Z, dando o papel principal a um fugitivo de Crepúsculo, Kellan Lutz, totalmente desprovido de carisma e estereotipado possível. O lado psicológico não é a xícara de chá do diretor - os diálogos são extremamente ridículos - só se podia esperar que as sequências de ação tivessem sucesso. Mas não, efeitos especiais muitas vezes baratos virando kitsch, um limite 3D e um bombeamento em 300 com o uso excessivo de aceleração lenta sem retomar o visual colorido de Zack Snyder, gratificam os espectadores com um total no show ! Existem então apenas duas lacunas: o tédio absoluto ou o ataque de riso como uma das cenas, onde Hércules recebe uma ajuda de Papounet Zeus com uma espada lançando raios para dizimar um exército, Percy Jackson só tem que se comportar.

Série B ruim ou nanar grandioso?

Um tratamento mitológico baseado no massacre, atores antiquados e cheios de hormônios, um cenário mais pobre que a versão Disney e uma realização vã e espalhafatosa. Depende de você ver se este filme deve ser considerado uma péssima série B ou o Nanar do ano. Por fim, não vamos julgar muito rapidamente, vamos esperar para saber qual caminho o próximo filme sobre Hércules tomará em nossas telas em agosto próximo. Pois, mais um episódio da vida do semideus está atualmente nas bobinas, desta vez assinado por Brett Ratner a quem devemos entre outras coisas a série de Rush Hour ou X-Men o confronto final e com o ator principal Dwayne Johnson, também conhecido como The Rock. Se pudermos legitimamente ter muitos medos sobre o resultado final, iremos nos tranquilizar dizendo que dificilmente é possível fazer pior. Espere e veja!

A lenda de Hercules, de Renny Harlin, 2014. Disponível em DVD e Blu-ray.


Vídeo: THE LEGEND OF HERCULES - Official Trailer HD - 2014 (Junho 2022).


Comentários:

  1. Jopie

    After reading, even me, the topic became interesting.

  2. Nilkis

    Obrigado, deixei para ler.

  3. Eamon

    Eu acho que esta é uma ótima ideia. Eu concordo completamente com você.

  4. Macgregor

    Eu aceito com prazer. Um tópico interessante, vou participar.



Escreve uma mensagem