As coleções

O Fórum Romano sob a República


O Fórum Romano, de seu nome original forum romanum há muito tempo está no centro da vida política, econômica, social, comercial e religiosa em Roma. Também é chamado de fórum magnum, literalmente o "grande fórum". Há muito tempo é um lugar de dinamismo, de encontros, situado no coração de Roma. Deste local muito frequentado, permanecem até hoje vestígios que, somados a textos de autores da antiguidade como Plauta ou Tito Lívio, permitem reconstituir o fórum para compreender as suas funções.

Lugares institucionais

Existem várias basílicas, como a basílica de Aemilia, a basílica de Sempronia, a basílica de Opimia e a basílica de Porcia. Na antiguidade, ao contrário do sentido corrente do termo, a basílica não era um local de culto ou meditação, mas sim um edifício que ocupava funções económicas, políticas e judiciais, mesmo comerciais, conforme ilustram alguns mercados. A Basílica Porciana, por exemplo, era frequentada principalmente por magistrados, tinha funções jurídicas e económicas, alguns comentadores falam mesmo em “Bolsa de Valores de Roma”.

A história do Fórum no século II [aC] é marcada [...] pelo surgimento e rápido florescimento de um tipo de edifício que comparamos às nossas bolsas de valores. No espaço de cerca de sessenta anos, quatro “basílicas” emergiram da terra, ao redor da praça. (1)

Mas se um lugar é uma boa ilustração da vida política, é o comitium, localizado ao norte do fórum. É um edifício circular onde se reúnem os Comícios, que são as assembleias do povo, embora aí nem sempre as votações ocorram. Para os tributos comícios, por exemplo, é mais no campo de Marte que os votos são registrados. Ao lado do comitium, há outro prédio, a Curia, onde o Senado se reúne.

Locais de culto e lendas

Quando se evoca o templo de Castor, é provável que se encontre o nome "templo do Dioscuri". Eles são etimologicamente filhos de Júpiter. Em latim, temos o plural Castores. O nome de Dioscuri foi aplicado principalmente a Castor e Pollux. Era um templo de tipo grego, ainda hoje se podem ver os seus vestígios: sobre um alto pódio, três colunas de mármore branco que sustentam um importante fragmento do entablamento. Diz a lenda que o Dioscuri apareceu para ajudar os romanos a lutar contra os sabinos.

Na categoria dos templos, não esqueçamos de mencionar o templo de Vênus Cloacine, divindade do esgoto venerada pelos romanos. Cloacine também deu nome ao esgoto que atravessa o fórum: a cloaca máxima. Seu sacelo, ou seja, seu pequeno santuário, está localizado em frente à basílica de Aemilienne. É uma pequena construção circular ao ar livre.

O Lacus Curtius continua sendo um lugar muito misterioso, localizado entre o Comitium e as lojas antigas. Segundo a lenda, a ação ocorre durante a guerra entre os romanos e os sabinos.

“Um de seus oficiais, chamado Curtius, orgulhoso de sua coragem e reputação, havia avançado para longe do exército; seu cavalo caiu no pântano e afundou nele. Curtius fez todo o possível para retirá-lo; mas vendo seus esforços em vão, ele deixou seu cavalo lá e fugiu. O local ainda é chamado hoje, devido ao seu nome, Lago Curtius. Os sabinos, tendo evitado esse perigo, começaram a luta contra os romanos que foi sangrenta e duvidosa por muito tempo. "(3)

Lugares comerciais

Os antigos comércios estão localizados na parte central do forum romanum, ao norte da basílica semproniana. Eles também eram chamados de Tabernae Veteres. As fundações dessas lojas remontam a Tarquin, o Soberbo. As lojas antigas foram aquelas que não foram afetadas pelo incêndio de 542 aC As demais tomaram o nome de "lojas novas" ou mesmo Tabernae Novae. A Tabernae abrigava açougueiros antes de ser reservada para atividades bancárias.

A rue des Toscans é uma rua do fórum romano. Sai da praça perto do templo do Dioscuri e, cruzando o Vélabre que veremos mais adiante, junta-se ao Mercado de Bois e ao Tibre. A rue des Toscans é, portanto, perpendicular à rua que abriga as lojas antigas. Essa rua era a mais movimentada de todas. Havia homens de segunda mão, tintureiros e roxos, comerciantes de incenso. Também falamos de “rue des Étrusquess” ou Vicus Tuscus. Esta rua foi frequentemente utilizada como uma importante via de comunicação entre o Fórum Romano e o Fórum Boarium. Seu nome “rue des Etrusques” também revela uma rota de troca entre esta última e os romanos. Nesta rua, também notamos a presença de um mercado de prostituição. Na peça Charançon, Plauto fala de “aqueles que negociam por conta própria”.

O distrito de Vélabre está localizado a sudoeste do Fórum Romano, entre o Capitólio e o Palatino, que são dois outros distritos de Roma. Foi uma zona de inundação durante as cheias do Tibre. Em Vélabre também existem comerciantes: em Charançon, Plaute fala-nos do “padeiro”, do “talho” ou mesmo do “haruspício”. O haruspício é um adivinho etrusco que examina as entranhas de um animal sacrificado para obter pistas sobre o futuro ou uma decisão a ser tomada. O Vélabre não é poupado de uma forma de prostituição.

No que diz respeito ao "mercado do peixe", ficava localizado atrás do fórum romanum. Em seguida, falamos do fórum piscarium. Este mercado estava localizado ao norte do fórum romanum. Na verdade, os comerciantes de peixes, até então estabelecidos no fórum, mudaram-se mais ao norte, para um novo fórum, que foi denominado fórum piscarium ou piscatorium. A palavra macellum também é usada para se referir ao mercado. Os "amantes do piquenique" certamente estavam lá, mais uma vez de acordo com os escritos de Plauto.

Classes sociais

Na parte inferior do fórum, encontramos a classe mais rica da população. Na verdade, é aqui que vivem os patrícios, comparáveis ​​aos aristocratas romanos, no distrito do Palatino. É uma das Sete Colinas de Roma e, de acordo com a lenda, Romulus fundou Roma no Palatino. Sob a República Romana, era um lugar de elegância e sinônimo de riqueza, e a descrição de Plauto é abundante neste sentido: "pessoas de condição e ricas vagam por lá".

Ao norte do fórum, pelo contrário, essas são as classes mais desfavorecidas. No distrito de Subure, mais precisamente, existe um local de vida deplorável e popular. A densidade é bastante elevada, o que degrada a possibilidade de uma boa higiene. A prostituição, como em outros lugares do fórum, está muito presente ali, neste bairro de reputação execrável.

Por este lugar, o fórum, os romanos sempre se encontram. É, portanto, um lugar de soberania popular porque é de sociabilidade urbana. É um espaço neutro onde todos estão expostos ao olhar dos outros, na sua dignidade e na sua dimensão social ilustrada pela dimensão e nobreza da multidão que os acompanha. A dimensão econômica é reveladora, por meio dos banqueiros e comerciantes de uma economia florescente. Mas logo a importância econômica do lugar diminuirá e sua função política se tornará preponderante. Assim será até o final da República.

(1) Urbanismo e metamorfoses da Roma Antiga, L.DURET e J-P NERAUDAU.

(2) Titus Live, I, 35.

(3) As vidas dos homens ilustres de Plutarco, PLUTARQUE, tradução: Dominique RICARD.

Bibliografia

- Florença DUPONT, o cidadão romano sob a república, 509-27 antes de J.-C, HACHETTE.

- L.DURET e J-P NERAUDAU, Urbanismo e metamorfoses da Roma Antiga, Relia, 2010.

- Catherine SALLES, The Bas-fonds of Antiquity, PAYOT & RIVAGES, 1995.

- Marie-José KARDOS, Topografia de Roma: Léxico da topografia romana.

- PLUTARQUE, As vidas de homens ilustres de Plutarco, tradução: Dominique RICARD.