Interessante

Aliénor: The Black Legend (T.2) - BD


Neste segundo volume encontramos Leonor da Aquitânia, sensual rainha da França, manipuladora e ambiciosa, manipulando seu marido real Luís VII, o Jovem completamente prisioneiro de seu amor. Após o episódio do casamento e anterior ao da cruzada, este volume nos mergulha nos conflitos armados entre o rei e seus vassalos em Poitou, no condado de Toulouse e em Champagne, bem como entre o reino da França e o Papado. Uma história dramática e romantizada tendo como pano de fundo a história francesa.

Sinopse

Este segundo volume do tríptico dedicado a Aliénor d'Aquitaine mergulha-nos nos anos 1140 / 1143. A rainha da França, que mais ou menos destituiu a rainha-mãe Adelaide e o conselheiro do reino Abade Suger, exerce verdadeiro terrorismo carnal e sentimental em relação ao marido: o rei Luís VII, o Jovem. Este último, jovem, inexperiente, bom e piedoso, deixa-se manipular por aquele por quem o seu coração arde ardentemente. Perfeitamente consciente de seus encantos, Aliénor os usa sistematicamente, jogando com seus atrativos e sua tristeza fingida para reunir seu marido real e os cavaleiros que a servem à sua causa ... Atriz, infiel, manipuladora, ela vira Luís VII contra seus vassalos e contra Papa Inocêncio II. O bom Luís VII encontra-se numa terrível engrenagem para satisfazer sua bela: sitiando em vão Poitiers e depois Toulouse, embarcando em uma campanha louca contra Champagne, massacrando os inocentes de Vitry-en-Perthois, recusando as nomeações episcopais do Papa até que este piedoso rei seja atingido pela excomunhão!

Nossa opinião

Este segundo volume é uma continuação do anterior. Em primeiro lugar do ponto de vista gráfico o estilo é realista e detalhado, preciso e colorido com talento, o leitor mergulha muito rapidamente no século XII, suas fortalezas, suas feiras, sua sede, suas pousadas… Porém, alguns elementos se destacam mais como vindo de uma Idade Média fantasiada, especialmente quando vemos os sitiados derramando óleo fervente sobre os atacantes (o óleo era então muito caro) ou quando Aliénor visita o bivouac vestindo um casaco de malha completa como na capa da história em quadrinhos. Um cobertor que dá o tom, com uma rainha belicosa derramando sangue (simbolizado pelo vinho) e deixando para trás apenas a morte e a desolação (corvos e inverno).

Do ponto de vista do roteiro, Arnaud Delalande e Simona Mogavino nos oferecem não uma História Ilustrada, mas um romance histórico, um romance dramático em um contexto histórico. Isso implica duas coisas: um verdadeiro trabalho de investigação do contexto e das personagens, mas também uma verdadeira liberdade artística que rompe com a historicidade. O trabalho de pesquisa encontra-se indiscutivelmente na forma como é representado o personagem das figuras históricas: o rei atormentado e hesitante, a rainha frívola e ambiciosa, Suger envelhecendo e buscando apaziguamento, Bernard de Clairvaux ainda na temperança ... também este trabalho de pesquisa no quadro histórico (a oposição entre Luís VII e seus vassalos então o Papa) e em vários elementos secundários que reforçam o aspecto autêntico da história: as feiras de Champagne, o comércio com o Oriente via Lombardia, a construção da basílica de Saint-Denis, a violência dos combates… Todo um quadro histórico em que se encaixa uma parte completamente fictícia, que torna o vigor do cenário, onde vemos por exemplo a rainha dormindo com os cavaleiros pagos ou o abade Suger indo de corte em corte para se opor às ambições de seu soberano ...

No final das contas, se essa parte fictícia é a força da saga, o neófito na história medieval pode rapidamente se perder em separar o verdadeiro do falso. Você vai me dizer a oportunidade de incentivá-lo a ler uma biografia de Eleanor ... Mas sabemos com certeza que isso só acontecerá em uma pequena proporção dos casos. Por isso, seria louvável que as edições Delcourt apresentassem ao final deste tipo de história em quadrinhos um resumo biográfico muito breve, algumas linhas bem ilustradas retratando o estado do conhecimento histórico sobre o assunto. Isso ainda é possível para o último episódio do tríptico, e realmente esperamos encontrar um dossiê dedicado a Eleanor, um dossiê que servirá de ponte lúdica entre a ficção e a História.

"Aliénor: A lenda negra"

- Volume 1

- Volume 2

Cenário: Arnaud Delalande e Simona Mogavino

Storyboard: Erwan Le Saëc

Desenho: Carlos Gomez

Cor: José Luis Rio

Edições: Delcourt


Vídeo: VATICANO - Inquisition - the Black Legend (Agosto 2021).