Interessante

O melhor de nós (Patrick Pesnot, Monsieur X)


Patrick pesnot, apresentador de rádio que hospedou o Rendezvous com X transmitido na France Inter de 1997 a 2015, é apaixonado por história e espionagem. E é a síntese de suas duas paixões que ele nos oferece em O melhor de nós. Por meio do relato fictício de um militante comunista internacionalista que se tornou membro do serviço de inteligência do Exército Vermelho, o autor nos mergulha no coração dos expurgos stalinistas do final da década de 1930 com simplicidade, habilidade e eficiência.

Resumo

Paris, 1937. Nicolas Katz nunca renunciou ao ativismo internacionalista. Se hoje se tornou um apparatchik do Partido e membro do serviço de inteligência do Exército Vermelho, o GRU, acredita firmemente em suas convicções, na exportação e na vitória da Revolução, especialmente na Espanha. No entanto, suas certezas estão começando a se despedaçar em face do desaparecimento gradual daqueles ao seu redor, chamados de volta à Rússia para nunca mais reaparecer. Nicolas não tem ilusões, ele sabe que seus conhecidos foram, na melhor das hipóteses, deportados, na pior, liquidados com uma bala na nuca em uma caverna no Lubyanka. E se Nicolau tem esperança, também tem medo: medo da aniquilação do ideal revolucionário, medo por ele, mas também medo por sua esposa e sua filha.

Nossa opinião

Já havíamos elogiado a qualidade da popularização histórica das obras de Patrick Pesnot (e do Sr. X), agora podemos saudar a qualidade deste romance histórico principalmente pela inteligência de sua escrita. Em primeiro lugar, por uma alternância de capítulos em flashback que permite ao autor contar-nos a história de Nicolau tomando consciência da realidade das deportações e dos assassinatos. Então, é a grande clareza das observações sobre os expurgos stalinistas que nos impressiona. Patrick Pesnot mostra-nos, explica-nos o stalinismo e a sua tendência totalitária, sem nunca denunciar a esperança nem o legado da Revolução de Outubro. É, portanto, um livro facilmente acessível para mergulhar na história política russa do período entre guerras e suas influências na Europa: da Guerra Civil Espanhola à Alemanha nazista. Finalmente, o autor habilmente insere a quantidade certa de suspense e reviravolta para manter o leitor ativo. O final do livro, mais abrupto, volta-se para esse efeito no romance de espionagem mais clássico. No entanto, continua sendo um romance histórico muito agradável de ler.

Patrick Pesnot, Monsieur X, The best of us, Hugo Roman, Paris, 2015.


Vídeo: Rencontre avec Patrick Pesnot - Fnac Paris Italie2 (Setembro 2021).