Em formação

A Arte da Guerra, Sun Tzu


A Arte da Guerra, Sun Tzu

A Arte da Guerra, Sun Tzu

A Arte da Guerra de Sun Tzu é provavelmente o livro mais famoso de teoria militar já escrito. Surgiu na China Antiga, há dois mil e quinhentos anos, e provavelmente foi escrito por um general que lutava no período dos Reinos Combatentes. Esta edição é baseada em um texto da Dinastia Song (960-1279 DC), um milênio e meio depois.

Existem muitas edições do Art of War disponíveis, então um novo deve ter algo para se destacar da multidão. Nesse caso, esse algo é a qualidade e o design do livro físico. O livro foi produzido em um estilo tradicional chinês. O livro foi impresso em papel de alta qualidade. Cada folha tem o tamanho de página dupla. Uma página ímpar é impressa à esquerda e a seguinte página par à direita (com a parte traseira esquerda em branco). A folha é então dobrada ao meio. Os furos são feitos na borda interna (perto da lombada), a pilha completa de lençóis disposta entre duas tábuas e tudo costurado com dois cordões de seda.

O livro é organizado com o texto em chinês e a tradução em inglês nas páginas opostas. Os principais pensamentos são apresentados acima do texto principal, e a tradução é apoiada por algumas notas de rodapé úteis, muitas vezes observando áreas onde o texto provavelmente está corrompido ou onde há diferentes interpretações.

Esta é uma edição belamente produzida de uma obra clássica da literatura antiga. Se você ainda não possui a Arte da Guerra, considere seriamente esta edição.

Capítulos
Planejamento
Travando uma guerra
Ofensiva Estratégica
Desdobramento, desenvolvimento
Momentum
O Substancial e o Insubstancial
Manobras contra o inimigo
As Nove Variáveis
Na marcha
Terreno
Os nove tipos de ataque
Atacando com Fogo
Usando Spies

Autor: Sun Tzu
Edição: capa dura
Páginas: 96
Editora: Amber Books
Ano: edição 2011



Sun Tzu- Art of War - Bibliografias de história - no estilo de Harvard

Sua bibliografia: 2013. Lista de Leitura Profissional do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA. [online] Disponível em: & lthttp: //www.mccs-sc.com/lifelong/docs/readinglist.pdf> [Acessado em 18 de março de 2015].

Armstrong, J.

A relevância de Sun Tzu & # 39s & quotArt of War & quot aplicada à estratégia de negócios moderna - DownloadKarate - The Traditional Japanese Karate Network

Em texto: (Armstrong, 2004)

Sua bibliografia: Armstrong, J., 2004. A relevância da "Arte da Guerra" de Sun Tzu aplicada à estratégia de negócios moderna - DownloadKarate - The Traditional Japanese Karate Network. [online] Downloadkarate.com. Disponível em: & lthttp: //www.downloadkarate.com/karate-articles/relevance-of-sun-tzu-art-of-war-applied-to-modern-business-strategy> [Acessado em 21 de março de 2015].

Cantrell, R.

Arte da guerra de Sun Tzu

Em texto: (Cantrell, 2004)

Sua bibliografia: Cantrell, R., 2004. Arte da guerra de Sun Tzu. [online] Artofwarsuntzu.com. Disponível em: & lthttp: //www.artofwarsuntzu.com/historicalfigure.htm> [Acessado em 19 de março de 2015].

Clark, K.

Exército de fãs de história de Bill Belichick

Em texto: (Clark, 2015)

Sua bibliografia: Clark, K., 2015. Exército de fãs de história de Bill Belichick. [online] Wall Street Journal. Disponível em: & lthttp: //www.wsj.com/articles/belichicks-army-of-history-buffs-1422556828> [Acessado em 19 de março de 2015].

Crane, S.

A árvore inútil: Sun Tzu não é taoísta

Em texto: (Crane, 2009)

Sua bibliografia: Crane, S., 2009. A árvore inútil: Sun Tzu não é taoísta. [online] Uselesstree.typepad.com. Disponível em: & lthttp: //uselesstree.typepad.com/useless_tree/2009/09/sun-tzu-is-not-a-taoist.html> [Acessado em 21 de março de 2015].

Sun Tzu - Wikiquote

Em texto: (Sun Tzu - Wikiquote, 2015)

Sua bibliografia: En.wikiquote.org. 2015 Sun Tzu - Wikiquote. [online] Disponível em: & lthttp: //en.wikiquote.org/wiki/Sun_Tzu> [Acessado em 19 de março de 2015].

Ensaio de Sun Tzu - Ensaios críticos - eNotes.com

Em texto: (Sun Tzu Essay - Critical Essays - eNotes.com, 2015)

Sua bibliografia: eNotes. 2015 Ensaio de Sun Tzu - Ensaios críticos - eNotes.com. [online] Disponível em: & lthttp: //www.enotes.com/topics/sun-tzu> [Acesso em 7 de março de 2015].

Galvany, A.

Filosofia, biografia e anedota: sobre o retrato de Sun Wu

2011 - Filosofia Oriente e Ocidente

Em texto: (Galvany, 2011)

Sua bibliografia: Galvany, A., 2011. Filosofia, biografia e anedota: no retrato de Sun Wu. Filosofia Oriente e Ocidente, 61 (4), páginas 630-646.

Hack, D.

The New York Times & gt Sports & gt Pro Football & gt For Patriots & # 39 Coach, War Is Decided Before Game

Em texto: (Hack, 2005)

Sua bibliografia: Hack, D., 2005. The New York Times & gt Sports & gt Pro Football & gt For Patriots 'Coach, War Is Decided Before Game. [online] Nytimes.com. Disponível em: & lthttp: //www.nytimes.com/2005/02/03/sports/football/03belichick.html? _R = 1 & amp & gt [Acessado em 19 de março de 2015].

Sun Tzu - Fatos e resumo do amp - HISTORY.com

Em texto: (Sun Tzu - Resumo dos fatos e amp - HISTORY.com, 2015)

Sua bibliografia: HISTORY.com. 2015 Sun Tzu - Fatos e resumo do amp - HISTORY.com. [online] Disponível em: & lthttp: //www.history.com/topics/sun-tzu> [Acessado em 12 de março de 2015].

Guerra de Guerrilhas

1974 - Encyclop & # 230dia Britannica, Inc. - EUA

“… Conheça o inimigo, conheça a si mesmo, sua vitória nunca estará em perigo. Conheça o terreno, conheça o clima, sua vitória será então total

Em texto: (Guerra de Guerrilha, 1974)

Sua bibliografia: No: The New Encyclopædia Britannica Macropædia Volume 8, 15ª ed. 1974. Guerilla Warfare. U.S.A: Encyclopædia Britannica, Inc., p.460.

Inteligência e Contra-inteligência

1974 - Encyclop & # 230dia Britannica, Inc. - EUA

Em texto: (Inteligência e Contra-espionagem, 1974)

Sua bibliografia: No: The New Encyclopædia Britannica Macropædia Volume 9, 15ª ed. 1974. Intelligence and Counterintelligence. EUA: Encyclopædia Britannica, Inc.

Propaganda

1974 - Encyclop & # 230dia Britannica, Inc. - EUA

Em texto: (Propaganda, 1974)

Sua bibliografia: No: The New Encyclopædia Britannica Macropædia Volume 15, 15ª ed. 1974. Propaganda. EUA: Encyclopædia Britannica, Inc.

Sun Tzu

1974 - Encyclop & # 230dia Britannica, Inc. - EUA

Em texto: (Sun Tzu, 1974)

Sua bibliografia: No: The New Encyclopædia Britannica Micropædia Volume IX, 15ª ed. 1974. Sun Tzu. EUA: Encyclopædia Britannica, Inc.

Jackson, E.

Sun Tzu & # 39s 31 Best Pieces Of Leadership Advice

Em texto: (Jackson, 2014)

Sua bibliografia: Jackson, E., 2014. 31 melhores conselhos de liderança de Sun Tzu. [online] Forbes. Disponível em: & lthttp: //www.forbes.com/sites/ericjackson/2014/05/23/sun-tzus-33-best-pieces-of-leadership-advice/> [Acessado em 7 de março de 2015].

Mark, J.

Sun-Tzu

Em texto: (Mark, 2013)

Sua bibliografia: Mark, J., 2013. Sun-Tzu. [online] Enciclopédia de História Antiga. Disponível em: & lthttp: //www.ancient.eu/Sun-Tzu/> [Acessado em 14 de março de 2015].

Quem foi Sun Tzu? - Estratégias Sun Tzu

Em texto: (Quem era Sun Tzu? - Estratégias Sun Tzu, 2015)

Sua bibliografia: Suntzustrategies.com. 2015 Quem foi Sun Tzu? - Estratégias Sun Tzu. [online] Disponível em: & lthttp: //www.suntzustrategies.com/about/who-was-sun-tzu> [Acessado em 14 de março de 2015].

Biografia de Sun Tzu - Sun Tzu Infância, Vida e Linha do Tempo

Em texto: (Sun Tzu Biography - Sun Tzu Childhood, Life & amp Timeline, 2015)


As artes marciais e Sun Tzu

Ao contrário de outros esportes e programas de exercícios, as artes marciais treinam a pessoa inteira - corpo, espírito e mente. Ao longo dos milênios, o conhecimento no qual as artes marciais são baseadas - conhecido na China como o Bing-fa—Foi suprimido. Hoje, a maioria daqueles que praticam artes marciais não estão familiarizados com esses princípios, exceto em como eles se tornaram corporificados na prática das artes marciais.

As artes marciais são diferentes porque são projetadas para autodefesa e autodesenvolvimento. Eles exploram uma lacuna na lei natural. A natureza diz que o forte domina o fraco e o rápido vence o lento. As artes marciais ensinam que, por meio do uso do conhecimento e do treinamento, um guerreiro pode transformar um oponente mais forte em um mais fraco.

Essa lacuna foi descoberta e explicada pela primeira vez em um texto escrito há 2.500 anos. Hoje, conhecemos este trabalho como Sun Tzu's A arte da guerra. O título chinês é Sunzi Bing-fa, que significa literalmente "Artes Marciais do Mestre Sun". O guerreiro apátrida chamado Sun Wu de Qi cresceu em uma família de mercenários, aprendendo desde o nascimento todos os desafios da batalha. Seu trabalho explicou pela primeira vez que o que as pessoas consideravam poder - tamanho, força e riqueza - não era poder real, mas apenas a ilusão de poder. Aqueles que entendiam a verdadeira natureza do poder poderiam facilmente derrotar esses inimigos maiores alavancando suas supostas forças contra eles.

Sun Wu provou sua filosofia como comandante. Ele foi contratado por um reino pobre e semibárbaro chamado Wu. Treinando o primeiro exército civil do mundo, Sun Wu liderou suas forças para conquistar todos os reinos maiores, mais ricos e tecnologicamente avançados do vale do rio Yang-tze.

O sucesso de Sun Tzu levou à emulação de seus métodos em todos os estados da China após sua morte. O uso de exércitos de cidadãos criou amplo acesso a armas e treinamento de artes marciais. Famílias mercenárias profissionais deram origem aos primeiros artistas marciais profissionais da história. Os primeiros artistas marciais são apresentados no Anais de primavera e verão de Wu e Yue quando o velho Yuan Gong encontra a jovem espadachim Yue Nu na batalha. Esses primeiros artistas marciais eventualmente se tornaram semideuses no panteão chinês.

Por volta de 298 aC, o historiador Zhuang Zi registrou que a vida no estado de Zhoa havia se tornado próspera por causa da prática das artes marciais com a espada. O rei Wen de Zhoa convidou mais de 3.000 artistas de artes marciais com espada para praticarem uns contra os outros em sua corte. Zhuang Zi disse que a teoria de Sun Tzu foi incorporada às técnicas das artes marciais de ataque e defesa e de combate armado e desarmado. As ideias de Sun Tzu foram os princípios fundamentais na Livro da luta de espadas e Boxe Interno (Nei kia Quan), ambos publicados no final do período dos Reinos Combatentes.

Os métodos de Sun Tzu, originalmente ensinados no contexto de guerras maiores, agora eram vistos como a chave para disputas individuais. Em competições armadas, as lições de Sun Tzu sobre posicionamento são repetidas na descrição de Zhuang Zi dos principais métodos usados. "Os melhores espadachins", escreveu ele, "fingiam estar despreparados, como se estivessem oferecendo uma abertura ao inimigo. Eles então ganharam o domínio atacando apenas depois que o inimigo atacou."

O descendente de Sun Tzu, Sun Bing (Sun Ping) repopularizou o trabalho de Sun Wu. Eventualmente, esse ensinamento chegou a um jovem nobre chamado Ying Zheng. Usando os segredos antigos do Bing-fa, Ying Zheng tornou-se o governante de seu reino, Qin, e começou a conquistar reinos vizinhos. Em 221 aC, Ying se tornou o primeiro imperador de toda a China e mudou seu nome para Qin Shi Huangdi.

Daquela época, o Bing-fa foi mantido em segredo e transmitido apenas aos de sangue real. Enquanto pratica o Bing-fa eles próprios, vários imperadores chineses promoveram outras filosofias menos agressivas - primeiro o taoísmo e depois o budismo - em conexão com as artes marciais. Embora sua filosofia completa estivesse oculta, a prática das artes marciais assumiu a forma de um exercício físico conhecido como Tai Chi Chuan (The Grand Ultimate Fist) que se tornou popular na China por volta do século III DC. No século V, a ciência física estava sendo desenvolvida por monges do mosteiro budista de Shao Lin, que podem ter recebido uma cópia secreta do texto do Bing-fa de um membro da família real da China, que agora eram budistas. Este foi o início do que ficou conhecido como Kung-Fu (literalmente, "trabalho duro"). A filosofia se espalhou tanto por meio do combate armado quanto do combate desarmado (uma vez que os camponeses não tinham armas) por toda a Ásia.


História Revisada

Ao longo dos séculos, historiadores chineses e também ocidentais reconsideraram as datas de Sima Qian para a vida de Sun Tzu. A maioria concorda que com base nas palavras específicas que ele usa e nas armas do campo de batalha, como bestas, e nas táticas que ele descreve, A arte da guerra não poderia ter sido escrito antes de 500 AEC. Além disso, os comandantes do exército durante os períodos de primavera e verão eram geralmente os próprios reis ou seus parentes próximos - não havia "generais profissionais", como Sun Tzu parece ter sido, até o período dos Estados Combatentes.

Por outro lado, Sun Tzu não menciona a cavalaria, que apareceu na guerra chinesa por volta de 320 aC. Parece mais provável, então, que A arte da guerra foi escrito em algum momento entre cerca de 400 e 320 aC. Sun Tzu provavelmente foi um general do Período dos Reinos Combatentes, ativo cerca de cento ou cento e cinquenta anos após as datas fornecidas por Qian Sima.


Ressuscitado do passado: as filosofias antigas que sobreviveram 2.500 anos

Havia seis escolas de pensamento científico e filosófico durante a era de Sun Tzu: a yinyang, confucionista, moista, legalista, fatalista e taoísta escolas. O trabalho de Sun Tzu foi um reflexo e uma reação contra muitas dessas idéias. Leia sobre as filosofias chinesas que influenciaram o Arte da guerra.

Pensamento negativo: as raízes chinesas vendo as situações como um equilíbrio

Historicamente, a base conceitual para Sun Tzu's A arte da guerra é o antigo conceito chinês de "yin e yang". Nos referimos a essa ideia na estratégia de Sun Tzu como "opostos complementares". Leia sobre a filosofia yinyang.

Criação e destruição: o processo que cria constantemente novas oportunidades

O centro do sistema de Sun Tzu é a posição estratégica. Uma posição consiste em cinco elementos. A interação desses elementos nos assegura que 1) novas posições estão constantemente sendo criadas e 2) posições existentes estão constantemente sendo destruídas. Leia sobre esses ciclos aqui.

Uma linguagem indizível? Chinês antigo como código conceitual e não lingüístico

No Ocidente, usamos a escrita para capturar os sons e o conteúdo da linguagem falada. A escrita chinesa antiga usa símbolos de maneira muito diferente. Leia sobre a antiga língua chinesa aqui.

Traduzindo erroneamente as areias movediças do tempo: a forma flutuante e o significado do chinês

Os tradutores, tomem cuidado! Como seria de se esperar ao longo de milhares de anos, a língua escrita chinesa mudou dramaticamente. Leia sobre as mudanças em chinês escrito aqui.

Sua própria linguagem particular: as definições cuidadosas de termos de Sun Tzu

Como o de Euclides Geometria, Sun Tzu definiu cuidadosamente todos os seus termos. Por que os tradutores não usam suas definições em suas traduções de A arte da guerra? Leia sobre o uso da linguagem de Sun Tzu aqui.

Um uso diferente de palavras: definir objetos por seus relacionamentos

Muitos dos escritos de Sun Tzu descrevem as relações de seus elementos. É por isso que é tão útil pensar em posições ao interpretar sua escrita. Leia sobre essas relações em seu idioma aqui.


A arte da guerra

Vi este audiolivro na biblioteca e achei interessante.
Inferno, eu tenho 4 filhos. Isso pode ser útil.
No ano que vem eu não terei 1, mas dois meninos adolescentes. Eu preciso me preparar para defender meu bebês casa da invasão putas tesouros. Achei que este livro me ajudaria cingir meus lombos (ou o que quer que você faça) quando você vai para a batalha.
Cai fora, Skanks! Você não está passando pela porta da frente!

Ainda assim, mesmo os adolescentes pálido em comp Ei! Olhe para mim saindo da minha zona de conforto!

Vi este audiolivro na biblioteca e achei interessante.
Inferno, eu tenho 4 filhos. Isso pode ser útil.
Ano que vem não terei 1, mas dois meninos adolescentes. Eu preciso me preparar para defender meu bebês casa da invasão putas tesouros. Achei que este livro me ajudaria cingir meus lombos (ou o que quer que você faça) quando você vai para a batalha.
Cai fora, Skanks! Você não está passando pela porta da frente!

Ainda assim, mesmo os adolescentes pálido em comparação com o terror absoluto que vem ao compartilhar uma casa com meninas pré-púberes.
Retiro! Retiro! Avaliamos mal as habilidades do inimigo!

Definitivamente, posso usar a ajuda de um mestre estrategista. Embora, em retrospecto, eu realmente tenha um desses morando comigo. Ela tem 10 anos e está totalmente no comando da minha casa desde que abriu caminho para sair do meu útero. Meu marido diz que eu estava tendo alucinações (abençoe quem inventou drogas na sala de parto!), mas juro que a vi roer o próprio cordão umbilical.
Ela é implacável, inteligente e tem o sorriso de um anjo.
Lúcifer também era um anjo.
De qualquer forma, eu poderia ter pulado isso e simplesmente implorado pela honra de sentar aos pés dela e aprender.
Ensine-me seus caminhos, poderoso guerreiro!

Mas a capa dizia que era um livro de apenas 4 horas e meia.
O que? Ela provavelmente não teria compartilhado seus segredos de qualquer maneira.
Hora da confissão: eu fiz não percorra todo o caminho até o audiolivro.
Eu fiz, Contudo, faça todo o caminho através A arte da guerra. Essa parte foi curta. Não sei quanto tempo realmente foi, mas escutei enquanto preparava o jantar e depois o levei comigo em um breve passeio ao Wal-mart.
Estrondo! Feito! Obrigado, Sun Tzu!

O resto deste áudio em particular é supostamente especulação sobre a vida de Sun Tzu e uma lição de história sobre a política da época em que ele viveu.
Wah, wah, wah, wah, wah.
Todos os nomes sangraram juntos na minha cabeça, e as palavras meio que espirraram dentro do meu cérebro até que eu finalmente desisti disso.

Não estou dizendo que foi mal feito ou chato, mas meu minúsculo cérebro de dinossauro não foi feito para processar livros sem fotos. Então, ouvir alguém com uma voz suave de jazz lendo um livro de história é como Perguntando para que algum tipo de colapso interno aconteça lá em cima.

Então. A arte da guerra.
Na verdade, não sinto que o Sr. Tzu tivesse muito a dizer que pudesse me ajudar.
Quer dizer, algumas coisas foram traduzidas para a vida real.
Seja consistente nas recompensas e punições. Duh.
Empregue espiões. Duh duh. Tenho todos os meus filhos na folha de pagamento, e cada um deles pensa que é a única toupeira que tenho. Otários!
Certifique-se de que o inimigo está cansado antes de atacar. Olá? Por que você acha que estou na piscina o dia todo com eles? Não é como se eu gostasse de me aquecer no brilho da minha celulite, ao mesmo tempo em que ganho mais algumas manchas de fígado. Se Sun Tzu tivesse mencionado administrar Benadryl ao inimigo antes de longas viagens, eu teria ficado mais impressionado.
Muito, porém, era sobre como lutar em diferentes tipos de terreno. Pantanoso, montanhoso, plano, etc.
Isso não me ajuda, amigo!
Preciso de algum tipo de informação privilegiada que me dê uma vantagem sobre a diabinha com quem vivo, o demônio menor em treinamento (atualmente sob a tutela da já mencionada demônio) e os dois hormônios ambulantes que costumavam ser meus meninos!
Eu não posso segurá-los por muito mais tempo! Eu estou indo para baixo! Indo para baixo.

Anyhoo, estou feliz por leitura ouviu. É um daqueles livros que você precisa estude. não ler, no entanto. Então eu estou bonito tenho certeza de que perdi a maior parte da sabedoria ao fazer dessa maneira.
Mas e daí? Posso dizer que li!
Eu me sinto um durão agora, e isso é tudo que importa.
Pbbbt!

Simplificando, Sun Tzu diz que é melhor não lutar do que se envolver em um conflito, mas se você vai ter que lutar, então você tem que fazer isso para vencer, e essas são as várias estratégias, muitas vezes brutais, isso vai te dar esse resultado.

Niccolò Machiavelli, em O Príncipe, diz que se você está em uma posição de poder e procura mantê-lo, é melhor ser amado e respeitado, mas se você puder e apostá-lo, pelo menos reforce o respeito e estes são, muitas vezes, brutais, estratégias que vão ficar Simplificando, Sun Tzu diz que é melhor não lutar do que se envolver em um conflito, mas se você vai ter que lutar, então você tem que fazer isso para vencer, e essas são as várias estratégias , muitas vezes brutal, você obterá esse resultado.

Niccolò Machiavelli, em O Príncipe, diz que se você está em uma posição de poder e busca mantê-lo, é melhor ser amado e respeitado, mas se você não pode conseguir isso, pelo menos imponha o respeito e estes são, muitas vezes brutais, estratégias que vão conseguir esse resultado.

Eu digo, se você vai ser um político no partido vencedor geral e você não gosta de ler muito, O Príncipe é para você. Muito astuto. Se, entretanto, você se vê em oposição, defendendo seu ponto de vista, experimente primeiro Sun Tzu.

Para o resto de nós, os livros são curtos e constituem uma leitura histórica e um tanto filosófica interessante, mas eles não vão mudar sua vida a não ser dar-lhe uma vantagem na escada intelectual do livro, sempre uma vantagem para os pseudônimos!
(veja o spoiler) [Quem, eu? Sim, pense. (ocultar spoiler)]. mais

O sábio guerreiro evita a batalha.

Não consigo pensar em uma citação melhor para começar esta revisão.

Às vezes, ler livros sobre táticas de guerra ou romances do gênero guerra, se confunde com guerras de glorificar, destruição, morte e todas as coisas tristes que são resultados de uma guerra. Mas, pelo menos, no meu caso (não posso falar pelos outros), não é isso. Eu não glorifico a guerra. Um dos meus assuntos históricos favoritos é a Segunda Guerra Mundial, mas não é por causa de um instinto insano de glorificar a guerra. Eu apenas apoio o conceito de que qualquer p O sábio guerreiro evita a batalha.

Não consigo pensar em uma citação melhor para começar esta revisão.

Às vezes, ler livros sobre táticas de guerra ou romances do gênero guerra, se confunde com guerras de glorificar, destruição, morte e todas as coisas tristes que são resultados de uma guerra. Mas, pelo menos, no meu caso (não posso falar pelos outros) não é isso. Eu não glorifico a guerra. Um dos meus assuntos históricos favoritos é a Segunda Guerra Mundial, mas não é por causa de um instinto insano de glorificar a guerra. Eu apenas apoio o conceito de que qualquer pessoa que esquecer o passado ou não fizer nada para aprender sobre o passado, será amaldiçoada a repetir a história.

A suprema arte da guerra é subjugar o inimigo sem lutar.

No caso deste livro em particular, A arte da guerra, além da leitura óbvia por pessoas em carreiras militares, é uma palestra recomendada para pessoas em áreas como negócios, em especial para gestão, e certamente você pode aplicar muitas das lições do livro a quase qualquer campo de interação com outras pessoas onde um "vitória" está envolvida.

Toda guerra é baseada no engano.

Sem engano, a Segunda Guerra Mundial não poderia ser vencida, pois enquanto as verdadeiras forças invasoras do Dia D estavam chegando às praias da Normandia, o núcleo das forças nazistas estava em outro lugar caindo em mensagens falsas e até mesmo em um assentamento falso com até tanques falsos que em fotos tiradas do ar parecia real.

Não há nenhum exemplo de nação se beneficiando de uma guerra prolongada.

Lições duras sobre isso podem ser aprendidas com o conflito no Vietnã, apenas para citar o exemplo mais rápido que me veio à mente.

Portanto, na guerra, o jeito é evitar o que é forte e atacar o que é fraco.

Dando um descanso aos horrores das guerras reais, esta lição é uma explicação interessante de por que as histórias de aventura são sempre tão cativantes. Desde então, você nunca viu um "herói" enfrentando um oponente fraco. Na vida real é bastante sábio e lógico fazer isso, mas na literatura de ficção? Oh, você sempre lê sobre o azarão lutando contra as probabilidades e lutando contra um inimigo muito mais forte. Eu acho que às vezes a lógica pode ser entediante contra a emoção de desafios altos.

Existem cinco falhas perigosas que podem afetar um geral:
(1) Imprudência, que leva à destruição
(2) covardia, o que leva à captura
(3) temperamento precipitado, que pode ser provocado por insultos
(4) uma delicadeza de honra que é sensível à vergonha
(5) excesso de solicitude por seus homens, o que o expõe a preocupações e problemas.

Facilmente este pode ser o fragmento que mais gostei de ler neste livro, já que depois de lê-lo, bem, meu primeiro pensamento foi sobre o Capitão Jean-Luc Picard de Star Trek: a próxima geração, visto que na ficção, geralmente quase qualquer personagem principal dificilmente cairá na culpa # 2, mas muitas vezes, por causa da emoção e mostrar cenas ousadas, alguns líderes são falhos em mais de uma das faltas mencionadas. Mais uma vez, o conflito entre a lógica prática e a excitação.

Um bom exemplo de lições sobre guerra e liderança pode ser visto no filme recente Amanhecer do planeta dos macacos onde em uma indústria cinematográfica disposta a dar o máximo de guerra e destruição sem demora para vender ingressos, neste filme, você pode assistir a "César", o líder da comunidade crescente de macacos e suas lutas para evitar a guerra a todo custo já que ele sabe bem o quão difícil e custoso podem ser as perdas de qualquer guerra, não importa se você resultou na "vitoriosa".

Infelizmente, a guerra faz parte da humanidade, pois acho que mesmo naqueles chamados “tempos de paz”, sempre, em algum lugar, em pequena ou maior escala, houve guerra. Portanto, aprender a evitar uma guerra e, se for preciso fazê-lo, aprender a fazê-lo com o menor número de perdas humanas (de ambos os lados do conflito), é sempre um tema relevante.
. mais

The Art of Goodreads

1. Lotz diz: Os melhores livros são aqueles que você nunca precisa ler, e as melhores palavras são aquelas que você nunca precisa falar. Da mesma forma, as melhores resenhas de livros são aquelas que você nunca precisa escrever.

2. Existem cinco tipos de livros: (1) Os que li. (2) Uns que não li. (3-5) É complicado.

3. Para começar um livro, encontre seu ponto mais fraco. Normalmente, esta é a primeira página.

4. Não vire a página muito devagar, pois você a tornará gordurosa, não vire muito rapidamente, The Art of Goodreads

1. Lotz diz: Os melhores livros são aqueles que você nunca precisa ler, e as melhores palavras são aquelas que você nunca precisa falar. Da mesma forma, as melhores resenhas de livros são aquelas que você nunca precisa escrever.

2. Existem cinco tipos de livros: (1) Os que li. (2) Uns que não li. (3-5) É complicado.

3. Para começar um livro, encontre seu ponto mais fraco. Normalmente, esta é a primeira página.

4. Não vire a página muito devagar, pois pode torná-la gordurosa, não vire muito rapidamente, pois pode rasgar.

5. Se uma frase está lhe causando problemas, diga que vai pulá-la e, em seguida, leia tudo de uma vez bem rápido para pegá-la de surpresa!

6. Se uma frase for particularmente difícil, grite com toda a força, tentando imitar o som do galo quando o sol aparece nas montanhas distantes.

7. Não deixe seus professores ou professores saberem se você realmente leu suas leituras designadas. Mantenha-os em suspense. Então você pode sujeitá-los à sua vontade.

8. Para impressionar a garota erudita, pegue citações bem conhecidas e atribua-as erroneamente, para que ela possa corrigi-lo. Ela se sentirá inteligente e você correrá para matá-la!

9. Se você pode ver o sol, você não tem a visão mais aguçada. Se você pode ouvir o trovão, você não tem a audição mais apurada. Da mesma forma, se você obtiver mais curtidas, não terá a melhor avaliação. Eu faço.

10. O amor é um campo de batalha, por isso sempre visto camuflagem nos primeiros encontros.

11. Você pode aplicar as lições de táticas militares a qualquer aspecto de sua vida, desde que não se importe de ir para a prisão.

12. Curiosidade: Se você leu a tradução em inglês de A arte da guerra para trás, e em um jamaicano patoá, reproduz exatamente o chinês original.

13. Se uma palavra está te dando dificuldade, você tem duas opções: (1) usar um dicionário, seu idiota (2) pular, porque quem tem tempo na vida para essas coisas?

14. O Império em Guerra das Estrelas poderiam ter vencido totalmente se tivessem usado mais espiões.

15. O mesmo vale para Sauron em O senhor dos Anéis.

16. Quando as ideias para uma resenha de livro acabam, o curso de ação mais sábio é parar.

17. A segunda ação mais sábia é continuar. . mais

Sūnzǐ Bīngfǎ = A Arte da Guerra, Sun Tzu

A Arte da Guerra é um antigo tratado militar chinês que data do período da primavera e do outono (aproximadamente 771 a 476 aC).

A obra, atribuída ao antigo estrategista militar chinês Sun Tzu ("Mestre Sun", também escrito Sunzi), é composta de 13 capítulos.

Cada um é dedicado a um aspecto distinto da guerra e como isso se aplica à estratégia e táticas militares. Por quase 1.500 anos foi o texto principal de uma antologia que seria formalizada como o Sūnzǐ Bīngfǎ = A Arte da Guerra, Sun Tzu

A Arte da Guerra é um antigo tratado militar chinês que data do período da primavera e do outono (aproximadamente 771 a 476 aC).

A obra, que é atribuída ao antigo estrategista militar chinês Sun Tzu ("Mestre Sol", também soletrado Sunzi), é composta de 13 capítulos.

Cada um é dedicado a um aspecto distinto da guerra e como isso se aplica à estratégia e táticas militares. Por quase 1.500 anos, foi o texto principal de uma antologia que seria formalizada como os Sete Clássicos Militares pelo Imperador Shenzong de Song em 1080.

A Arte da Guerra continua sendo o texto de estratégia mais influente na guerra do Leste Asiático. Ele tem uma profunda influência no pensamento militar oriental e ocidental, nas táticas de negócios, na estratégia legal e muito mais.

عنوانها: «هنر جنگ» ؛ «هنر جنگاوری» ؛ «آئین و قواعد رزم سون تزو مشهور به (هنر رزم سون تزو)». «هنر رزم» ؛ اثر: سون دزو ؛ انتشاراتیها (قلم; موسسه فرهنگی هنری بشیر علم و ادب; فرا, سایپا دیزل; سازمان فرهنگی هنری شهرداری تهران; بعثت; کاروان; قطره; سیته; روزگارنو; آوای مکتوب); تاریخ نخستین خوانش: روز شانزدهم ماه آگوست سال 1995 میلادی

عنوان: هنر جنگ ؛ اثر: سون دزو ؛ حسن حبیبی ؛ مشخصات نشر: تهران ، انتشارات قلم ، 1364 ، د در ؟؟ ص ، موضوع: علوم نظامی ، جنگ و جنگاوری ، فداداد جنور مداد جنود مداد جنود مود مداد جننن

عنوان: هنر جنگ ؛ اثر: سون دزو ؛ بازنویسی: جیمز کلاول ؛ مترجم: آیدا دریائیان ؛ به اهتمام: سعید پورداخلی ؛ مشخصات نشر تهران ، موسسه فرهنگی هنری بشیر علم و ادب ، 1380 ، در 93 ص ، شابک 9646818811 ؛

عنوان: هنر جنگاوری ؛ اثر: سون دزو ؛ مترجم: علی کردستی ؛ مشخصات نشر تهران ، فرا ، سایپا دیزل ، 1383 ؛ چاپ بعدی سازمان فرهنگی فرا ، 1387 ، در 143 ص ، شابک 9789647092340 ؛ ترجمه از متن انگلیسی با ترجمه ساموئل گریفیث

عنوان: آئین و قواعد رزم سون تزو مشهور به (هنر رزم سون تزو) ؛ اثر: سون دزو ؛ مترجم: محمدهادی موذن جامی ؛ مشخصات نشر تهران ، سازمان فرهنگی هنری شهرداری تهران ، 1388 ، در 100 ص ، شابک 9789642381876 ؛

عنوان: هنر جنگ ؛ اثر: سون دزو ؛ عین الله عزیززاده فیروزی ؛ مشخصات نشر تهران ، بعثت ، 1387 ، در 116 ص ، شابک 9786005116052

عنوان: هنر رزم ؛ اثر: سون دزو ؛ مترجم: نادر سعیدی ؛ مشخصات نشر تهران ، کاروان ، 1388 ، در 103 ص ، شابک 9789641750369 ؛ در چاپهای بعد نشر قطره در سال 1389 ؛ با شابک 9786001191527 ؛

عنوان: هنر جنگ ؛ اثر: سون دزو ؛ محمود حمیدخانی ؛ مشخصات نشر تهران ، سیته ، 1392 ، در 128 ص ، شابک 9786005253214 ؛

عنوان: هنر جنگ ؛ اثر: سون دزو ؛ محمدصادق رئیسی ؛ مشخصات نشر تهران ، روزگارنو ، 1392 ، در 120 ص ، شابک 9786006867342 ؛

عنوان: هنر جنگ ؛ اثر: سون دزو ؛ حامد ذات عجم ؛ مشخصات نشر تهران ، آوای مکتوب ، 1393 ، در 80 ص ، شابک 9786007364192 ؛

این کتاب «سون دزو» ، در زبان چینی (سونتسی بینگفا) ، خوانده‌ می‌شود ؛ و به معنی «شیوه‌ های جنگی» ؛ یا «روش‌های به کارگیری نیروها» است ؛ این کتاب نخستین بار e در سال 1722 میلادی ، به زبان «فرانسه» نام این کتاب در ترجمه ی «فرانسوی» ، «هنر جنگ» نامیده‌ شد ؛ کتاب ، یکی از خواستنی‌ترین مجموعه‌ های جنگی ، در طول تاریخ ، بوده‌ است .؛

چینیان باستان, شیفته ی این کتاب بودند, گفته شده, که «مائو تسه دونگ», و «ژوزف استالین», هر دو, در هنگام جنگ, این کتاب را میخوانده اند .; از هر نظر, «سان تزو», به عنوان یکی از اسطوره های استراتژی پردازان است, از دیدگاه «سون دزو», ایجاد عدم تقارن در جنگ, کلید پیروزی خواهد بود; به نظر ایشان, ایجاد و یا کشف عدم تقارنها, و عدم تشابه ها, بین طرفین درگیری, در نهایت, منجر به پیروزی خواهد شد, تنها مهم این است, که چه کسی, سریعتر به این عدم تشابهات پی ببرد, و یا چه کسی ، سریع‌تر ، از این عدم تشابهات ، بهترین بهره‌ برداری را ، در صحنه ی نبرد ، یا دیپلماسی ببرد ؛ «هنر جنگ» را, میتوان به عنوان نمونه ی بسیار خوبی, از آموزه های جنگ نامتقارن, یا حداقل تعریف مشخص, و روشنی از «جنگ نامتقارن», در دوران کهن, به شمار آورد .;

نخستین نکته ای که «سان تزو», روشن میکند, این است, که نامتقارنها را, میتوان در ابعاد, و حوزه های گوناگون یافت, و یا, آفرید; ایشان باور داشنند, که در حین درگیری, ابعاد «سیاسی», «دیپلماسی», «اقتصادی», و «روحی», حذف نخواهند شد, و در واقع, برای توجه نشان دادن تنها به یک روی سکه در جنگ, که همان بعد ویژه ی نظامی منظورشان است ، هشدار می‌دهند

تاریخ بهنگام رسانی 26/08/1399 هجری خورشیدی ؛ ا. شربیانی. mais

OK, claro que todos, ou qualquer um pode, mas quem realmente o faz e por quê?

Se pudéssemos de alguma forma fazer uma pesquisa e criar um gráfico de pizza de quem lê este manual chinês de 2.500 anos, o que encontraríamos, quem o lê?

Profissionais militares, certamente executivos, provavelmente - querem ser executivos, quase certamente treinadores de esportes, policiais, professores, jogadores adolescentes, etc. etc.

O título atrairá e repelirá muitos por si só. O texto, cheio de reflexões filosóficas Quem lê a Arte da Guerra?

OK, claro que todos, ou qualquer um pode, mas quem realmente o faz e por quê?

Se pudéssemos de alguma forma fazer uma pesquisa e criar um gráfico de pizza de quem lê este manual chinês de 2.500 anos, o que encontraríamos, quem o lê?

Profissionais militares, certamente executivos, provavelmente - querem ser executivos, quase certamente treinadores de esportes, policiais, professores, jogadores adolescentes, etc. etc.

O título atrairá e repelirá muitos por si só. O texto, cheio de reflexões filosóficas e apartes anedóticos, perderá e / ou ganhará muito mais.

O que os leitores vão tirar dessas palavras escritas há tanto tempo? Uma coisa, infelizmente, é que a natureza humana não parece mudar - se Mestre Sun era um sábio e grande general há 2500 anos, as pessoas já lutavam há muito tempo e o suficiente para ele ser considerado um mestre no assunto. Até mesmo um observador casual da história notará que desde então houve muitos estudantes da guerra.

Na história - quantos humanos foram mortos na guerra, na batalha, em conflitos organizados? A velhice, o câncer e os problemas cardíacos parecem ser responsáveis ​​por muitas mortes, mas ao longo da história parece haver um vírus que atinge muitos de nossos jovens.

Uma coisa que pode ser tirada deste livro é que se a guerra deve ser travada, se for inevitável, se uma linha foi cruzada (ou um rio na Itália) e não há como voltar atrás, então ela deve ser lutada para vencer . Os líderes militares são ensinados a estar preparados e decisivos para agir.

Mas para mim, e acho que a filosofia eterna que deve ser tirada deste trabalho, é que a guerra é cara, brutal e feia e deve ser evitada, se possível. Falcões no congresso e cascavéis de sabre em outros lugares parecem ser conspicuamente NÃO nas forças armadas, mas o NÓS a que eles atribuem é mais frequentemente "nós" no sentido coletivo, mas em todos os sentidos um "nós" que não os vê ficarem sujos ou sangrento.

O que outros leitores além dos líderes militares extraem disso? Para ir para a jugular? Para vencer a todo custo? Não se eles realmente leram. A preparação e a contemplação e a capacidade de agir quando necessário são todos elementos atribuídos à Arte, e certamente a determinação quando chegar o momento, mas não a brutalidade selvagem ou o caos por causa da destruição. Em última análise, trata-se de conflito, estratégia e liderança - temas que são relevantes para mais do que apenas os militares.

Uma obra importante que deve ser lida.

** Adendo de 2018 - esta é uma grande fonte de citações, mas também um trabalho que provavelmente é citado incorretamente com frequência. Eu ouvi uma citação recentemente que me fez pensar se o palestrante estava certo, citado incorretamente ou estava apenas inventando uma citação e atribuindo a declaração a Sun Tzu para efeito e que me fez pensar no personagem de Kevin Klein Otto de A Fish Called Wanda.

. mais

Finalmente terminei o primeiro livro deste ano! Yay! Levei muito tempo devido aos meus exames e uni em geral.

“A suprema arte da guerra é subjugar o inimigo sem lutar.”

Eu queria ler The Art of War por muito tempo e finalmente consegui ler.

E eu gostei. Acho que todos deveriam ler porque muitas das ideias da Arte da Guerra podem ser encontradas em diferentes campos, por exemplo, nos negócios.

“Pareça fraco quando estiver forte e forte quando estiver fraco.”

“Que seus planos sejam obscuros e Finalmente terminei o primeiro livro deste ano! Yay! Levei muito tempo devido aos meus exames e uni em geral.

“A suprema arte da guerra é subjugar o inimigo sem lutar.”

Eu queria ler The Art of War por muito tempo e finalmente consegui ler.

E eu gostei. Acho que todos deveriam ler porque muitas das ideias da Arte da Guerra podem ser encontradas em diferentes campos, por exemplo, nos negócios.

“Pareça fraco quando estiver forte e forte quando estiver fraco.”

"Deixe seus planos serem sombrios e impenetráveis ​​como a noite, e quando você se mover, caia como um raio."

“Toda guerra é baseada no engano.”

“No meio do caos, também há oportunidade”

“O perigo tem um efeito estimulante.”

Embora Sun Tzu seja constantemente elogiado por seu trabalho em A Arte da Guerra, acho difícil acreditar que tenha inspirado alguém. Este famoso livro de estratégia militar forneceu conselhos a pessoas como Napoleão e o elenco de Sobrevivente: a China sobre como lidar com a força adversária. No entanto, apesar da tradução simples (mas adequada) que Lionel Giles forneceu, A arte da guerra nada mais faz do que reiterar o bom senso. Sun Tzu pede ao público que não mostre seus pontos fortes, mas que lidere o inimigo Embora Sun Tzu seja constantemente elogiado por seu trabalho em A Arte da Guerra, acho difícil acreditar que tenha inspirado alguém. Este famoso livro de estratégia militar forneceu conselhos a pessoas como Napoleão e ao elenco de 'Sobrevivente: China' sobre como lidar com a força adversária. No entanto, apesar da tradução simples (mas adequada) que Lionel Giles forneceu, A arte da guerra nada mais faz do que reiterar o bom senso. Sun Tzu pede ao público que não mostre seus pontos fortes, mas que leve o inimigo a pensar que ele está fraco. O general cabeça-direita comum não sabe disso?

Além disso, Sun Tzu começa glorificando suas táticas e desafia generais ignorantes a se opor a ele. Ele diz que pode prever o resultado de uma batalha apenas com base nisso. Quase parece que ele está se deleitando com sua própria arrogância.

A arte da guerra pode ter sido um excelente livro de estratégia, mas também está desatualizado em muitos aspectos. Leia isto apenas se estiver interessado no exército imperial chinês. . mais

É difícil especular que este livro foi escrito para uma única era. Ao lê-lo você percebe que significa ficar e ensinar toda a humanidade, um livro que precisa ser ensinado nas escolas, ensinando as crianças a PENSAR. Como é SIMPLES PENSAR. Agora ISSO é algo que eles geralmente não nos ensinam a saber quando não somos nada além de garotinhos. Que mundo tão complicado :(

Aqui está uma pequena amostra do que você pode encontrar neste pequeno livro :)
-----------------------
- Conforme as circunstâncias são favoráveis ​​É difícil especular que este livro foi escrito para uma única era. Ao lê-lo você percebe que significa ficar e ensinar toda a humanidade, um livro que precisa ser ensinado nas escolas, ensinando as crianças a PENSAR. Como é SIMPLES PENSAR. Agora ISSO é algo que eles geralmente não nos ensinam a saber quando não somos nada além de garotinhos. Que mundo tão complicado :(

Aqui está uma pequena amostra do que você pode encontrar neste pequeno livro :)
-----------------------
- Conforme as circunstâncias sejam favoráveis, deve-se modificar os planos.
- Toda guerra é baseada no engano.
- Portanto, quando podemos atacar, devemos parecer incapazes de usar nossas forças, devemos parecer inativos quando estamos próximos, devemos fazer o inimigo acreditar que estamos longe quando estamos longe, devemos fazê-lo acreditar que estamos perto.
- Ataque-o onde ele não está preparado, apareça onde não é esperado.
- Agora, para matar o inimigo, nossos homens devem ser levados à raiva para que haja vantagem em derrotar o inimigo, eles devem ter suas recompensas.
- Na guerra, então, que seu grande objetivo seja a vitória, não longas campanhas.
- É regra na guerra, se nossas forças são dez para um do inimigo, cercá-lo se cinco para um, atacá-lo se duas vezes mais numeroso, para dividir nosso exército em dois.
- Proteger-nos contra a derrota está em nossas próprias mãos, mas a oportunidade de derrotar o inimigo é fornecida pelo próprio inimigo.
- Na batalha, não existem mais do que dois métodos de ataque - o direto e o indireto, mas esses dois em combinação dão origem a uma série infinita de manobras.
- A energia pode ser comparada à flexão de uma decisão de besta, à liberação de um gatilho.
- Quem for o primeiro em campo e aguardar a chegada do inimigo, estará fresco para a luta quem for o segundo em campo e tiver que se apressar para a batalha chegará exausto.
- O combatente inteligente impõe sua vontade ao inimigo, mas não permite que a vontade do inimigo lhe seja imposta.
- Apareça em pontos em que o inimigo deve se apressar para defender, marche rapidamente para lugares onde você não é esperado.
- Desperte-o e aprenda o princípio de sua atividade ou inatividade. Obrigue-o a se revelar, para descobrir seus pontos vulneráveis.
- Manobrar com um exército é vantajoso com uma multidão indisciplinada, muito perigoso.
- Se você marchar trinta Li com o mesmo objeto, dois terços do seu exército chegarão.
- Disciplinado e tranquilo, para aguardar o aparecimento da desordem e do alvoroço entre o inimigo: - esta é a arte de manter o autodomínio.
- Não persiga um inimigo que simula o vôo, não ataque soldados cujo temperamento é agudo.
- Não engula a isca oferecida pelo inimigo. Não interfira com um exército que está voltando para casa.
- Quando você cercar um exército, deixe uma saída livre. Não pressione um inimigo desesperado com muita força.
- Reduzir os chefes hostis infligindo danos a eles, causando problemas para eles, e mantendo-os constantemente engajados, oferecendo ilusões ilusórias e fazendo-os correr para qualquer ponto determinado.
- Acampar em lugares altos, de frente para o sol. Não suba alturas para lutar. Tanto para a guerra na montanha.
- Na travessia de sapais, sua única preocupação deve ser superá-los rapidamente, sem demora.
- Todos os exércitos preferem terrenos altos a baixos e lugares ensolarados a escuros.
- Quando os oficiais superiores estão zangados e insubordinados, e ao encontrar o inimigo lutam por conta própria com um sentimento de ressentimento, antes que o comandante-chefe possa dizer se ele está ou não em posição de lutar, o resultado é ruína.
- Se questionado sobre como lidar com uma grande hoste do inimigo em ordem ordenada e a ponto de marchar para o ataque, eu diria: "Comece agarrando algo que seu oponente é caro, então ele estará sujeito à sua vontade."
- Rapidez é a essência da guerra: aproveite a falta de preparação do inimigo, abra caminho por rotas inesperadas e ataque pontos desprotegidos.
- Como tirar o melhor proveito do forte e do fraco - essa é uma questão que envolve o uso adequado do solo.
- Infeliz é o destino de quem tenta vencer suas batalhas e vencer seus ataques sem cultivar o espírito empreendedor, pois o resultado é perda de tempo e estagnação geral.
- Nenhum governante deve colocar tropas no campo apenas para gratificar seu próprio ânimo, nenhum general deve travar uma batalha simplesmente por ressentimento.
- O conhecimento das disposições do inimigo só pode ser obtido de outros homens.
- Conseqüentemente, somente o governante esclarecido e o general sábio usarão a mais alta inteligência do exército para fins de espionagem, e assim eles alcançam grandes resultados. Os espiões são o elemento mais importante na guerra, porque deles depende a capacidade de movimentação de um exército. . mais

Tantas pequenas guerras devem ser travadas diariamente. Trabalha no campo de batalha e no escritório.

& quotQuando o inimigo estiver relaxado, faça-o trabalhar. Quando estiver cheio, mate-os de fome. Quando estiver resolvido, faça-os se mover. & Quot

& quotEm conflito, ações diretas geralmente levam ao engajamento, ações surpreendentes geralmente levam à vitória. & quot

& quotAssim, os habilidosos na guerra subjugam o exército inimigo sem batalha. Eles conquistam por estratégia. & Quot

& quotConheça o inimigo e conheça a si mesmo em cem batalhas, você nunca estará em perigo. Quando você é ignorante, muitas pequenas guerras devem ser travadas diariamente. Trabalha no campo de batalha e no escritório.

"Quando o inimigo estiver relaxado, faça-o trabalhar. Quando estiver cheio, deixe-o morrer de fome. Quando estiver instalado, faça-o se mover."

"No conflito, ações diretas geralmente levam ao engajamento, ações surpreendentes geralmente levam à vitória."

"Assim, os habilidosos na guerra subjugam o exército inimigo sem batalha. Eles conquistam por estratégia."

"Conheça o inimigo e conheça a si mesmo em cem batalhas, você nunca estará em perigo. Quando você ignora o inimigo, mas conhece a si mesmo, suas chances de ganhar ou perder são iguais. Se você ignora tanto o seu inimigo quanto a si mesmo, você é certo em toda batalha estar em perigo. "

"Na guerra, os números por si só não conferem vantagem."

"Não se preparar é o maior dos crimes, estar preparado de antemão para qualquer contingência é a maior das virtudes."

"O que é mais importante na guerra é a velocidade extraordinária: não se pode deixar de lado as oportunidades." . mais

Isso estava na pilha & quotSurprise Yourself & quot da biblioteca. Foi uma escolha entre & quotCinquenta tons de cinza & quot e & quotA arte da guerra & quot. Eu tomei o último, mesmo que eu ache que sou mais um amante do que um lutador. Além disso, a pilha estava na recepção, escolher a primeira é um pouco estranho.Estou bastante surpreso por ter terminado este livro. Senti que me submetia ao estudo, mesmo que não fosse obrigado a fazê-lo. Na verdade, é muito divertido, ainda mais que eu sei que haverá um teste mais tarde.

Apesar do título, isso estava na pilha "Surpreenda-se" da biblioteca. Foi uma escolha entre "Fifty Shades of Grey" e "The Art of War". Eu tomei o último mesmo que eu ache que sou mais um amante do que um lutador. Além disso, a pilha estava na recepção, escolher a primeira é um pouco estranho. Estou bastante surpreso por ter terminado este livro. Senti que me submetia ao estudo, mesmo que não seja obrigado a fazê-lo. Na verdade, é bastante divertido, mais para que eu saiba que não haverá um teste mais tarde.

Apesar do título, o texto (não sei se devo chamá-lo de cartilha) está mais preocupado com a estratégia não violenta:

“A suprema arte da guerra é subjugar o inimigo sem lutar.”

Sun Tzu parece considerar a guerra como algo necessário, mas um desperdício, mal, e que deve ser evitado sempre que possível. Ele fez muitos pontos úteis e brilhantes, mas é tudo de que me lembro. A maioria das coisas que li simplesmente foi pelo ralo!

Como eu disse, sou um amante, não um lutador! Buwahahaha! . mais

Francamente, cansei de ver meu marido citando isso e não ter ideia do que ele estava falando. Então, Heidi-the-Hippie / Bibliotecária pegou A arte da guerra. Devo amá-lo muito, porque isso não era minha praia, embora eu tenha lutado bravamente para passar por isso. Eu diria que cerca de três quartos do livro eram comentários e questões de tradução sobre o próprio texto, que é realmente bastante breve e meio bonito de uma forma “assim é como você mata um monte de gente”.

Minhas principais conclusões disso foram, francamente, cansei de ver meu marido citando isso e não ter ideia do que ele estava falando. Então, Heidi-the-Hippie / Bibliotecária pegou A arte da guerra. Devo amá-lo muito, porque isso não era minha praia, embora eu tenha lutado bravamente para superar isso. Eu diria que cerca de três quartos do livro foram comentários e quibles de tradução do próprio texto, que é realmente bastante breve e bonito em uma espécie de "é assim que você mata um monte de gente".

Minhas principais conclusões disso foram:
1 Preste atenção onde você está e o que está acontecendo ao seu redor o tempo todo, especialmente na guerra. E também seja super sorrateiro sobre o que você vai fazer. "... esconder a coragem sob uma demonstração de timidez pressupõe um fundo de energia latente mascarando a força com a fraqueza deve ser efetuado por disposições táticas. Assim, aquele que é hábil em manter o inimigo em movimento mantém aparências enganosas, segundo as quais o inimigo irá agir." loc 1143

2 Se você tiver que lutar, faça rápido porque é muito caro fazer por muito tempo. "Não há nenhum exemplo de um país que se beneficiou de uma guerra prolongada." loc 822, ebook.

3 Todo mundo usa espiões e se você não usar, você vai perder porque o outro cara com certeza está usando espiões.

4 Seja flexível e faça a ligação conforme as coisas acontecem. Não siga as ordens de um imperador que está realmente longe porque ele não sabe o que diabos está acontecendo como você. "A água molda seu curso de acordo com a natureza do terreno sobre o qual flui, o soldado consegue sua vitória em relação ao inimigo que está enfrentando. Portanto, assim como a água não mantém uma forma constante, na guerra não há condições constantes . " loc 1296, ebook.

5 Saiba quem você é e contra quem está lutando. Esse conhecimento o torna forte para que outras pessoas não possam determinar seu futuro. Use-o para vencer sua guerra. "A arte da guerra nos ensina a confiar não na probabilidade de o inimigo não vir, mas em nossa própria prontidão para recebê-lo, não na chance de ele não atacar, mas no fato de termos tornado nossa posição inatacável." loc 1542, ebook.

6 Tenha uma visão além do que está bem à sua frente e oriente-se em direção a ela, uma boa decisão de cada vez. “Ver a vitória apenas quando está ao alcance do rebanho comum não é o auge da excelência. Nem é o auge da excelência se você lutar e conquistar e todo o Império disser:“ Muito bem! ”Para erguer um cabelo de outono não é sinal de grande força ver o sol e a lua não é sinal de visão aguçada ouvir o barulho do trovão não é sinal de um ouvido atento. O que os antigos chamavam de lutador inteligente é aquele que não apenas vence, mas se destaca na vitória com facilidade." loc 1011-1030, ebook

7 O lugar em que você luta é muito importante, assim como o policial que está comandando e dizendo para que lado você deve ir. Se alguma dessas coisas for ruim, você está em apuros. "A formação natural do país é o melhor aliado do soldado, mas o poder de avaliar o adversário, de controlar as forças da vitória e de calcular astutamente as dificuldades, perigos e distâncias, constitui o teste de um grande general." loc 1886, ebook.

8 Saber pequenos detalhes sobre o inimigo é muito importante. Por exemplo, se os caras contra os quais você vai lutar guardam suas panelas e frigideiras, eles estão planejando morrer em batalha. Quem sabia, certo? "Quando um exército alimenta seus cavalos com grãos e mata seu gado para comer, e quando os homens não penduram suas panelas sobre as fogueiras, mostrando que não vão voltar para suas tendas, você deve saber que eles estão determinados a lutar para a morte." loc 1752, ebook.

Então isso é A arte da guerra. Agora, de volta à minha leitura agendada regularmente. :). mais

Demonstração rápida: sobre como arruinar um texto clássico

Kaufman (autor mais do que tradutor, eu sinto) se orgulha de: Neste trabalho, você aprenderá como as pessoas devem ser tratadas e tratadas. A obra foi escrita para homens no comando e líderes de estados. É para os ambiciosos e de espírito forte não buscarem lições de moralidade aqui.

Sun Tzu foi traduzido e interpretado inúmeras vezes por pessoas com pouco conhecimento da verdadeira realidade do combate, seja no nível físico ou mental.

A maioria das traduções disponíveis e eu
Demonstração rápida: sobre como arruinar um texto clássico

Kaufman (autor mais do que tradutor, eu sinto) se orgulha de: Neste trabalho, você aprenderá como as pessoas devem ser tratadas e tratadas. A obra foi escrita para homens no comando e líderes de estados. É para os ambiciosos e de espírito forte não buscarem lições de moralidade aqui.

Sun Tzu foi traduzido e interpretado inúmeras vezes por pessoas com pouco conhecimento da verdadeira realidade do combate, seja no nível físico ou mental.

A maioria das traduções e interpretações disponíveis mantém uma abordagem poética que realmente não pertence aos tempos em que vivemos. Há uma tendência de manter uma "mística" em relação ao conhecimento antigo. Isso é curioso, em relação à personalidade agressiva de hoje. Vivemos em uma rede global e devemos pensar em termos decisivos se quisermos ter sucesso.

Ele também optou por deixar de fora os comentários valiosos, que deveriam fazer parte da obra tanto quanto o original.

Ele diz: Na verdade, quem se importa com o que Ch'en Fu pensa sobre o significado oculto de Sun Tzu sobre o caule de jade no meio do tanque de peixes dourados do inimigo? Somos adultos e inteligentes o suficiente para desenvolver nossa própria compreensão sem a necessidade de alegorias estranhas. Não há nada sagrado aqui. Acho essa abordagem desnecessária, limitante e uma perda de tempo para o leitor instruído.

Como um mestre de artes marciais reconhecido mundialmente, um Hanshi (que é o nível mais alto possível), estou totalmente ciente de minha responsabilidade pela interpretação desta doutrina, e me incumbi de explicar os princípios de Sun Tzu como Eu os percebo de forma definitiva.

- Deve ter feito recentemente um curso intensivo sobre como preparar um currículo!

Bem, o livro é um tédio e um fracasso completo. Não faz justiça à obra-prima de Sun Tzu e é pior do que a tarifa normal de autoajuda, porque tem apenas pretensão (de ser duro, voltado para um objetivo, como um senhor da guerra, por favor) e nenhuma intenção real de sequer tentar 'ajudar 'qualquer executivo não delirante.

Há uma razão pela qual A Arte da Guerra é sempre apresentada poeticamente - é para que as metáforas possam ser interpretadas pelo leitor e aplicadas como ele quiser, para que ele possa entender o espírito de combate / conduta planejado e preparado e aplicá-lo em vida. É por isso que a Arte da guerra é um clássico duradouro e muito amado.

O autor obviamente não tem idéia de tudo isso. Ele acha que é uma boa ideia apenas apresentar o texto como está, sem ornamentação, sem poesia, sem quaisquer sugestões de aplicações mais amplas além do campo de batalha - Porque a corporação global É um campo de batalha! Olá!

Não percebendo que, uma vez que você tira a poesia, você também tira o poder da metáfora e o que você deixou é um texto datado que fala de guerra e afirma ser para gerentes. Não faz sentido ouvir em prosa simples envenenar seu inimigo e insultar sua esposa. Idiota, mesmo sem ser divertido. Elimina toda a diversão de ler um livro ruim. . mais

Sun Tzu & aposs A Arte da Guerra é considerada o tratado militar mais antigo do mundo. Escrito séculos antes do apogeu do império chinês antes da era comum, este pequeno volume não fez seu caminho para o oeste até 1890, quando os colonos franceses trouxeram uma cópia de volta para Paris. Considerado um clássico por muitos, decidi ler o tratado sozinho. Selecionando uma edição traduzida por Lionel Giles, a versão que li tinha apenas 98 páginas e, às vezes, nada assombrosa.

As primeiras quarenta páginas de A Arte da Guerra de t Sun Tzu são consideradas o tratado militar mais antigo do mundo. Escrito séculos antes do apogeu do império chinês antes da era comum, este pequeno volume não fez seu caminho para o oeste até 1890, quando os colonos franceses trouxeram uma cópia de volta para Paris. Considerado um clássico por muitos, decidi ler o tratado sozinho. Selecionando uma edição traduzida por Lionel Giles, a versão que li tinha apenas 98 páginas e, às vezes, nada assombrosa.

As primeiras quarenta páginas do volume que selecionei foram um turbilhão de um resumo de mais de dois mil anos de história chinesa. Não foi dada muita quantidade a qualquer dinastia ou período de tempo em particular, e parecia que esta introdução foi escrita para um livro de ensino médio. Era difícil manter datas e nomes corretos, e o único item significativo que se destacou foi a construção da Grande Muralha e sua subsequente expansão. A única graça salvadora desta introdução foi uma linha do tempo que contrastava eras da história com dinastias chinesas e suas contribuições para a história chinesa e mundial. Embora eu tenha descoberto que as origens da atadura com os pés ocorreram há quase mil anos, essa nota de rodapé histórica pouco fez para beneficiar o texto real e seu lugar na história literária.

Talvez a edição que li esteja datada. Atualmente, muitas escolas ocidentais ensinam chinês para crianças de até seis anos de idade, então, quando se tornam adultos, essas crianças que se tornaram adultas são fluentes em mandarim. Da mesma forma, como a China se abriu para o oeste, os chineses instruídos têm conhecimento do inglês. Infelizmente, eu estava em liberdade quanto ao que estava disponível em meu sistema de biblioteca, e uma tradução moderna e mais fluida não estava disponível para mim. Embora seja evidente que Giles tem conhecimento de chinês, às vezes era difícil entender se as palavras eram percepções de Giles ou palavras de Sun Tzu. Incluindo vários exemplos de guerra moderna para aumentar o texto, Giles não faz justiça à intenção original de Sun Tzu. Embora esses exemplos dêem crédito à maneira como o tratado militar chinês foi implementado ao longo dos anos, eu estava mais interessado no texto original do que em suas interpretações.

O texto real de Tzu é limitado devido à tradução. Oferece conselhos aos militares sobre como implementar planos de batalha. Isso inclui o conhecimento do terreno, a estação em que invadir e o conhecimento do inimigo e de como superar suas deficiências. Giles toma a liberdade de discutir por que certos capítulos estão incluídos onde estão, e eu dou crédito a ele por dedicar um tempo para discutir a tradição chinesa de honra e se matar se um soldado cometer um erro de guerra. Achei isso especialmente intrigante em termos de espionagem e do que um honrado soldado chinês faria quando fosse capturado por seu inimigo ou não fornecesse informações a seu superior. Como alguém que gosta de ler e assistir a filmes sobre espionagem moderna, achei fascinante que os chineses tivessem desenvolvido regras em relação a espiões há mais de dois mil anos.

A Arte da Guerra foi utilizada pelos exércitos por mais de dois séculos. O fato de ter durado é uma prova da cultura e das tradições chinesas que permaneceram intocadas ao longo dos milênios. Sinto que teria gostado mais do tratado se tivesse lido uma versão mais moderna, em que a tradução fosse perfeita e não cedesse à liberdade do tradutor. Como resultado, acabei lendo mais as interpretações e adendos do tradutor do que o texto propriamente dito. Eu estaria interessado em ler uma edição intocada deste clássico, pois continua relevante na guerra hoje.

3 estrelas, rebaixado para tradução. mais

Minha esposa diz me vendo ler A arte da guerra é como assistir Danny DeVito ler A alegria do sexo. Não tenho certeza de como fazer isso.

Resumindo, eu sou um amante, não um lutador. Comecei isso porque sei que muitas pessoas amam esse trabalho e dizem que ganham muito com ele. Mas ficou claro para mim depois de algumas páginas que A arte da guerra na verdade, trata-se de travar uma guerra, não importa o que outras pessoas possam interpretar que seja. Então, eu não estou interessado.

Além das duas coisas que preciso saber sobre luta, aprendo que minha esposa diz, me vendo ler A arte da guerra é como assistir Danny DeVito ler A alegria do sexo. Não tenho certeza de como fazer isso.

Resumindo, sou um amante, não um lutador. Comecei porque sei que muitas pessoas amam esse trabalho e dizem que ganham muito com ele. Mas ficou claro para mim depois de algumas páginas que A arte da guerra na verdade, trata-se de travar uma guerra, não importa o que outras pessoas possam interpretar. Então, não estou interessado.

Além das duas coisas que preciso saber sobre luta, aprendi com A noiva princesa.

1. Nunca entre em uma guerra terrestre na Indochina.

2. Nunca faça uma aposta envolvendo a morte com um siciliano.

Se você já pegou um livro de autoajuda em que o autor está repetidamente afirmando o óbvio, então você experimentou o estilo de escrita deste livro. Os conceitos gerais poderiam ser resumidos em um pequeno ensaio em vez de em um livro. Sua extensão é um testemunho de sua antiguidade, embora o autor tenha feito um nobre trabalho de reordenar e editar partes dos capítulos para fornecer continuidade e eliminar a repetição.

A filosofia oriental é muitas vezes madura com uma espécie de duplo discurso e este livro não é exceto. Se você já pegou um livro de autoajuda em que o autor está repetidamente afirmando o óbvio, então você experimentou o estilo de escrita deste livro . Os conceitos gerais poderiam ter sido resumidos em um pequeno ensaio em vez de um livro. Sua extensão é um testemunho de sua antiguidade, embora o autor tenha feito um trabalho nobre de reordenar e editar partes dos capítulos para fornecer continuidade e eliminar a repetição.

A filosofia oriental costuma estar repleta de uma espécie de duplo discurso e este livro não é exceção.

A ideia principal, abordada ad nauseam, é que os generais devem ser sábios, se adaptar às mudanças de situação e manter a ordem.

O que as pessoas obtêm deste livro é tudo o que desejam ler nele. Foi uma boa leitura, mas, em geral, o livro é superestimado. . mais

Mestre Sun disse:
A excelência final encontra-se
Não na aplicação de subtexto falso aos meus ensinamentos
Para se adequar à sua idiotice de autoajuda corporativa
Mas na defesa de sua integridade
Ao reconhecê-los pelo que são
Estratagemas militares, por completo

Para efeito de revisão, minha edição de 'A arte da guerra' é o Penguin Classics Deluxe Edition. Editado, traduzido e com uma introdução por John Minford. Esta foi uma ótima maneira de vivenciar este tratado militar de 2.500 anos. Começa sagacidade 3.5 ⭐

Mestre Sun disse:
A excelência final encontra-se
Não na aplicação de subtexto falso aos meus ensinamentos
Para se adequar à sua idiotice de autoajuda corporativa
Mas na defesa de sua integridade
Ao reconhecê-los pelo que são
Estratagemas militares, por completo

Para efeito de revisão, minha edição de 'A arte da guerra' é o Penguin Classics Deluxe Edition. Editado, traduzido e com uma introdução por John Minford. Esta foi uma ótima maneira de vivenciar este tratado militar de 2.500 anos. Ele começa com uma seção de 50 páginas reservada para a introdução, notas sobre o texto, lista de dinastias e eventos históricos, bem como uma lista e descrição dos vários comentaristas canônicos desde a era Pré-Tang (desde 155-220 ) à Dinastia Qing (1644-1911). Você recebe então o tratado, sem adornos, para ler e fazer suas próprias suposições quanto ao seu significado, seguido pelo mesmo tratado com extenso comentário.

Começando com o trabalho em si, como nem a cópia de todos terá o comentário incluído, o tratado de Sun Tzu, em minha opinião, deve ser considerado nada mais do que estratégia militar. A base deste trabalho é a exploração e o engano ou “Sucesso por meio da astúcia”. É por isso que posso apreciar sua genialidade no contexto da guerra e até mesmo de combate individual (Bruce Lee aplica muitos dos mesmos princípios taoístas subjacentes à sua filosofia de 'Jeet Kune Do' com efeito devastador), mas não consigo entender por que alguém iria querer introduzir tais táticas desonestas de subterfúgio em sua vida pessoal ou profissional. Se eu peguei algo benéfico de uma perspectiva pessoal, foi das idéias taoístas que parecem permear tanto os pensamentos de Sunzi quanto os dos comentaristas. O tratado dá grande importância ao planejamento e coleta de informações por meio da espionagem, entendendo as formas e disposições de você e do exército inimigo em um determinado momento, imprevisibilidade (sem forma), os benefícios do terreno vantajoso e ambas as virtudes de um general eficaz bem como as armadilhas de um pobre.

Eu vi o trabalho de Sunzi fora do contexto e usado em inúmeros livros de autoajuda pessoais e corporativos. A ideia de pegar a ideologia pura e distorcê-la, quase irreconhecível, para atender às suas próprias necessidades não é nada novo. Na verdade, até o próprio Sun Tzu abusa de uma série de noções básicas dos ensinamentos taoístas para apoiar suas próprias idéias.Assim como os chamados “legalistas” (fascistas chineses) do período dos estados em guerra, que derivaram uma justificativa pervertida para seu estado orwelliano por meio de certos princípios taoístas.

Um dos exemplos mais terríveis de distorção de filosofias bem-intencionadas são os ensinamentos chineses sobre o “Arte do Amor”. Estes, de alguma forma, pegam as lições benéficas do Tao e as usam para justificar uma “busca implacável pelo poder sexual” em que as mulheres são reduzidas a “objetos para o aumento da potência masculina e vida longa”. Veja essa merda insana:
“O homem deve derrotar o inimigo na batalha sexual mantendo-se sob controle total ... enquanto excita a mulher até que ela alcance o orgasmo e derrame sua essência Yin, que é então absorvida pelo homem.”
Bem, senhoras, se isso não te deixar de pé, eu não sei o que vai fazer. Quero dizer, contanto que você esteja tranquilo em ser percebido como um inimigo sexual por seu ente querido, objetivando e tendo sua preciosa "essência Yin" absorvida, o resto parece ok, certo. Não soa como o Tao que eu conheço.


Eu estava preocupado, mas não totalmente afastado pelo fato de que esse tipo de distorção filosófica pode vazar no comentário desta tradução, mas não precisava ter me preocupado. O comentário dado aqui é completamente literal. Vários dos próprios comentaristas foram generais nos séculos que se seguiram de perto à época em que esses estratagemas foram supostamente compilados. Minford compila esses comentários de maneira brilhante. Às vezes, ele os ordenou para serem uma espécie de comentário sobre o comentário. Um filósofo comentará sobre o trabalho do Mestre Sun, seguido por outro filósofo comentando sobre o que o comentarista anterior disse. Freqüentemente, isso soa como um conversa multigeracional entre estrategistas que eu realmente gostei. Você também começa a sentir os traços de personalidade de vários comentaristas. Por exemplo, há Du You, amante de analogias com gatos, ou Cao Cao, o general brutal e disciplinador estrito que estava preparado para tirar a própria vida ao quebrar uma de suas próprias regras triviais. Essas foram as coisas que gostei no comentário.

Por outro lado, houve momentos em que o comentário tornou-se repetitivo e às vezes parecia redundante devido ao fato de que muitas das informações de Sunzi são bastante literais e livres de metáforas. Em forte contraste com algo como o ‘Tao Te Ching’ por Lao Tzu cujos ensinamentos são notoriamente intangíveis e elusivos. Sun Tzu já tem o hábito de repetir algumas idéias de uma maneira educacionalmente benéfica. Em várias ocasiões, a frase exata é repetida. Se era realmente ele ou a forma como as tiras de bambu foram compiladas, eu não sei. A questão é que, quando você acumula esclarecimentos e expansões adicionais e desnecessárias, começa a ficar um pouco cansativo depois de algumas centenas de páginas.

Sun Tzu: ”Impasse” significa que nenhum dos lados acha vantajoso fazer um movimento.
Du You: O que Sunzi quer dizer é que nenhum dos lados acha vantajoso mover-se e a situação permanece num impasse.
Sun Tzu: Sim, mano, isso é literalmente exatamente o que acabei de dizer! Du You mesmo ouvir?

Eu gostei disso, apesar das últimas 100 páginas terem se tornado uma pequena batalha de desgaste, e agora estou realmente ansioso para ler o ‘Tao Te Ching’ e os ‘Analectos de Confúcio’ no próximo mês ou assim. Boa leitura, amigos!

“Conheça o inimigo,
Conheça a si mesmo,
E vitória
Nunca está em dúvida
Não em uma centena de batalhas. ”
. mais

Todos nós conhecemos uma pessoa que tem resposta para tudo. Essa pessoa geralmente é irritante e não aceita que às vezes está errada, não aceita que, em algum ponto, sua lógica pode falhar e secar. Eles estão completamente decididos no que acreditam e simplesmente não cederam a partir disso: eles simplesmente não podem ser provados como errados ou culpados. É assim que me sinto em relação a Sun Tzu. É como se ele interpretasse perguntas e dúvidas antes de elas nascerem e as contestasse com sua própria resposta baseada na lógica. Todos nós conhecemos uma pessoa que tem uma resposta para tudo. Essa pessoa geralmente é irritante e não aceita que às vezes está errada, não aceita que, em algum ponto, sua lógica pode falhar e secar. Eles estão completamente decididos no que acreditam e simplesmente não cederam a partir dele: eles simplesmente não podem ser provados como errados ou culpados. É assim que me sinto em relação a Sun Tzu. É como se ele interpretasse perguntas e dúvidas antes de elas nascerem e as contestasse com suas próprias respostas baseadas em lógica que pareciam imaculadamente persuasivas a ponto de eu considerá-las verdades convincentes. Sun Tzu, literalmente, tem uma resposta para tudo que se baseia na guerra.

Eu nunca poderia considerar a guerra como uma forma de arte, mas Sun Tzu forneceu um manual detalhado de como sobreviver a ela. Bem, pelo menos se você for um general no comando de legiões de exércitos e tiver a capacidade de responder a uma infinidade de situações com o conselho de pensamento rápido de Sun Tzu. Então, e só então, você pode ficar bem. Se você é um soldado de pé ou um subordinado aleatório, então você está ferrado porque provavelmente será gasto em algum ataque bem planejado ou manobra defensiva. Este livro certamente é para os generais que devem considerar a vitória primeiro e superar a perda de vidas humanas.

Há uma razão pela qual este livro ainda é lido hoje por líderes militares, soldados e leitores ávidos. Ele fornece informações valiosas sobre como dominar o campo de batalha, ele aconselha o leitor sobre como responder, da maneira mais eficaz, a uma série de situações táticas. Há tanta coisa coberta neste livro relativamente pequeno que é bastante surpreendente. No entanto, apesar da natureza convincente de seus argumentos, eu sinto que haveria uma situação em que sua lógica o falhasse. Haverá uma situação em que uma circunstância imprevisível derrota sua abordagem e leva a uma derrota inesperada e derrota completa. Nenhum manual de guerra poderia ser completamente extenso, mesmo que assim pareça. Mas não diga a Sun Tzu que eu disse isso porque ele teria uma resposta.

Uma coisa que me impressionou ao ler isso foi a total acessibilidade dele. Eu esperava que fosse muito complexo e intrincado. As manobras e contadores são transmitidos de forma simples, mas abrangente. Inegavelmente, faz a guerra parecer fácil, o que obviamente não é. Não estou dizendo que seja enganoso, mas estava apenas procurando por um buraco lógico aqui. Não consegui encontrar um, embora ache que se alguém usou isso na guerra, talvez o encontre. Estou feliz com a simplicidade dele, porém, porque tornou o livro muito acessível e fácil de entender. Eu nunca pensei que diria isso, mas A arte da guerra é uma leitura muito leve.

Este foi um livro tão interessante de ler. Eu sinto que aprendi muito com isso, o que é realmente assustador. Talvez eu não leia uma segunda vez, pois não quero ter muitas ideias na minha cabeça. Eu recomendo dar uma leitura a este livro, no entanto, apenas para ler algo completamente diferente.


The Denma Translation Group

O Denma Translation Group inclui Kidder Smith, James Gimian, Hudson Shotwell, Grant MacLean, Barry Boyce e Suzann Duquette. Trabalhamos juntos na tradução por um período de dez anos. Kidder Smith e James Gimian atuaram como editores gerais do livro e escreveram os ensaios e comentários. Hudson Shotwell, Grant MacLean e Barry Boyce contribuíram para esta escrita de várias maneiras. Grant MacLean compôs a seção de história militar do ensaio "Juntando-se à Tradição".

Kidder Smith ensina história chinesa no Bowdoin College, onde também dirige o Programa de Estudos Asiáticos. Ele é o autor sênior de Usos da Dinastia Sung do I Ching (Princeton: 1990) e escreveu sobre os textos militares da China antiga. James Gimian é o editor do Shambhala Sun revista e é consultor editorial. Os outros membros do grupo têm trabalhado profissionalmente na área de redação, edição e publicação.

No processo de tradução, contamos com o tipo de material que agora está disponível em nossa página da web, Victory over War. Continha as palavras chinesas do texto, sua pronúncia e um ou dois sinônimos em inglês para cada uma. Como a ordem das palavras em chinês e inglês é muito semelhante, era possível que não falantes de chinês seguissem o texto em ambos os idiomas. No início, apenas Kidder Smith sabia chinês. Gradualmente, no entanto, o grupo se familiarizou com um núcleo de palavras-chave. Isso se repetiu com frequência suficiente, e em contextos variados, para que emergisse um conjunto de compreensões altamente matizadas.

Discutimos sobre cada palavra. Qual era o seu alcance de significado em chinês? Até que ponto a palavra proposta em inglês era equivalente? Os dois tinham os mesmos antônimos e estavam no mesmo nível de formalidade? Acima de tudo, quanta elasticidade a língua inglesa possuía para que pudéssemos moldá-la em algo que refletisse o tom, o estilo, a cadência e o ritmo do chinês original? Algumas frases de tradução podem exigir várias horas de deliberação e reflexão antes que um consenso surja.

Denma era um general de Gesar de Ling, o mítico rei guerreiro do Tibete. Ele é conhecido como um arqueiro habilidoso e estrategista mestre. O Denma Translation Group foi formado em 1991 para traduzir o Sun Tzu , mas os integrantes do grupo já vinham estudando o trabalho há uma década. Cada um havia recebido treinamento em uma disciplina contemplativa chamada Dorje Kasung, que havia sido criada por Chogyam Trungpa, Rinpoche, para estudantes ocidentais. Essa prática baseia-se nas tradições meditativas e monásticas do budismo tibetano, na visão de Shambhala de uma sociedade iluminada e em algumas formas das tradições militares ocidentais.

o Sun Tzu serviu de material de estudo ideal para esta disciplina, pois mostrava como tomar inteiros e como alcançar a vitória sem batalha. Neste treinamento, envolvemos os princípios do texto em situações realistas e intensificadas, colocadas em um ambiente contemplativo protegido. Prática contemplativa e A arte da guerra representam duas tradições e disciplinas muito diferentes. No entanto, ambos compartilham a opinião de que a verdadeira vitória é a vitória sobre a agressão. Acreditamos que é a união dessas duas disciplinas que confere à nossa tradução sua autoridade particular.


A Arte da Guerra, Sun Tzu - História

A combinação de engano, sabedoria e força caracterizou um corpo indomável, invencível no campo de batalha. A palavra de ordem de A arte da guerra, de autoria de Sun Tzu, manifestava a manobra complicada por meio de ilustrações mais claras e sucintas. Este livro foi elaborado com base na própria experiência e experiências do autor durante seu mandato como comandante-chefe do rei Helu. Neste livro, ele coordenou de forma impressionante as várias dimensões da guerra, a guerra ao considerar as diferentes complexidades e situações críticas dos campos de batalha, a duração da guerra e as características de um general ideal. Ele enfatizou fortemente o engano e a gestão da percepção por meio da utilização de emissários secretos e boa inteligência. Sondar o estratagema do inimigo e erguer uma manobra inescrutável também eram características indispensáveis ​​de ser um general ideal. A destreza e proficiência na guerra em sua liderança, gerenciamento de crises e como lidar com acontecimentos críticos do campo de batalha retrataram a excelência do general Sun Tzu. A arte da guerra, os materiais mais cruciais na estratégia de guerra, têm mantido sua relevância até o presente, como se a tecnologia mais sofisticada ocupasse a posição das armas manuais do Sun Tzu & # 8217s. A Guerra do Vietnã, a Guerra da Coréia e a Segunda Guerra Mundial foram vivenciadas com uma implementação bem-sucedida das Táticas de Sun Tzu. Este artigo basicamente foi elaborado no documentário de Sun Tzu & # 8217s ‘A Arte de Aar’, e alguns artigos sobre o assunto. Ele foi decorado com quatro seções. A primeira seção trata do conhecimento da arte da guerra de Sun Tzu e # 8217. A segunda, terceira e quarta seções tratam de tais representações da estratégia de guerra de Sun Tzu & # 8217s na guerra civil do Vietnã & # 8217s, a Segunda Guerra Mundial e a guerra de Gattysburg.

Palavras-chave: Sun Tzu & # 8217s A Arte da Guerra, Decepção, sabedoria, Força, Guerra Civil do Vietnã, Segunda Guerra Mundial A Guerra de Gettysburg.

Sun Tzu & # 8217s a arte da guerra:

Sun Tzu, o grande estrategista e autor de todas as manobras mais delicadas, constituiu o livro "A Arte da Guerra". Sun Tzu foi designado como o general do rei Helu, da dinastia 'wu'. Foi a junção da dinastia, tendo se confrontado com a enorme fronteira de Chu. Sun Tzu projetou sua estratégia de guerra investindo em três ingredientes como Decepção, Sabedoria e força.

O ponto vital e complicado da guerra de Sun Tzu & # 8217s é enganar o inimigo. A evasão do inimigo pode ser transmitida por meio de variedades. Empregar espiões para sondar as intenções e truques do inimigo, desempenhar um papel de duplo padrão ao infligir violência e exibir posição reversa em termos de competência e direção para enganar os inimigos também são o principal caminho do Engano. Ele sempre incendiava o general para descobrir o ponto mais fraco do inimigo a ser atingido, a zona forte a ser evitada. Espalhar informações falsas para construir a falsa percepção dos inimigos & # 8217s sobre suas direções, táticas e competência - outra destreza de Sun Tzu & # 8217s. Ele ordenou que o general atacasse postos remotos inesperados e conduzisse a guerra com movimentos violentos.

O conhecimento da competência, potencialidade e estratégia de guerra são os principais ingredientes dos fortificadores para a vitória. Boa inteligência e espião vateran avisaram o general sobre os acontecimentos reais que o ajudaram a construir a estratégia pragmática e complicada. Um grupo digno de confiança atuou como os espiões que interagiram através da rede mística. Uma boa inteligência também interrompe a estratégia de guerra e as direções do inimigo. As direções de guerra são entregues em escrutínio e justificam a condição de guerra, análise de risco e custo-benefício da estratégia.

A guerra é o motivo da exibição de uma abordagem muito complicada e evasiva para subjugar o inimigo. Sun Tzu afirmou ter optado por vencer para não comparecer. A principal estratégia é ser vitorioso para não ser glamour. Ele instruiu o general a tornar a guerra mais frutífera e sucinta para não prolongar o que não poderia trazer nenhum ganho para ninguém. Ele fez dois paradigmas de guerra

‘Tabuleiro de xadrez’ estratégia que enfatiza para tirar o soldado & # 8217s e então ser a vitória. O rei é o ponto central da guerra.

‘Estratégia Chinese Go’ que afirmou adotar uma abordagem mais complicada para ampliar sua esfera, não infligindo com mais violência. procurou ocupar o terreno defini-lo como o ponto central da guerra.

Fortificação do corpo: Sun Tzu enfatizou fortemente os truques de guerra e a eficiência, não em proporção numérica. Ele compôs seu corpo como um valor educado e eficiente e alma devotada por meio de uma coordenação impressionante de vários tratamentos, como treinamento, adaptação sólida e doutrinação política e religiosa.

Liderança proficiente : na visão de Sun Tzu, o general deve ser compilado com gravidade, sinceridade e muito mais complicado. Ele também é o eidolon da combinação sonora de força e inteligência. Sun Tzu busca os truques para enganar o inimigo em vez de lutar com eles. Sun Tzu apontou a admirabilidade, sagacidade e capacidade de manejo como pré-condições do general. Da mesma forma, Sun Tzu insiste em construir truques insondáveis ​​e em segredo de guerra para os inimigos.

Guerra civil vietnam

O general William Westmoreland adornou o campo de batalha com o paradigma da estratégia do tabuleiro de xadrez que buscava aniquilar as peças dos inimigos para subjugá-los. Ele ordenou bombardear e assassinar o Vietnã do Norte para deter a esfera do comunismo. Mas foi um erro, na opinião de Sun Tzu & # 8217s, que apenas empregar o poder e a violência não era suficiente para ser vitorioso na guerra. Em vez disso, busca um papel muito mais enganador e chicanalista. Infelizmente, ele estava relutante em perceber o ambiente real e as condições do inimigo & # 8217s em termos de sua potencialidade, manobra. Ele falhou em compreender o tom da reação local, política e ampsocial e o crescente antagonismo entre a massa em geral. Todos os erros o deixaram subjugado no campo de batalha do Vietnã. Por outro lado, o General Giap manteve a abordagem mais complicada, aprendida com Sun Tzu. Ele adotou o objetivo de atingir o inimigo em seu posto remoto para desviar a atenção do alvo real. Definiu o paradigma da guerrilha para dispersar a concentração de inimigos e disfarçadamente preparou-se para lançar o ataque massivo ao inimigo. Todas as táticas de ataque de guerrilha, tais como emboscadas, granadas de mão sangrentas, trape e franco-atiradores foram fomentadas para representar uma ameaça à existência dos inimigos. Espalhar propagandas, erigir um ambiente de terror e disseminar notícias falsas de baixas de lados inimigos também irrompeu dos campos do Vietnã do Norte para aumentar o abatimento da guerra entre os soldados dos Estados Unidos, bem como a massa em geral. havia conduzido essa propaganda por meio do uso sucessivo de espiões e rede de inteligência. é mais eficaz construir uma rede de espionagem backdoor para revelar o código de guerra do inimigo. Giap & # 8217s esclareceu suas percepções sobre as dimensões da guerra, direção e intenção do inimigo. Decepção, a tática mais eficiente adotada pela guerra do GIAP & # 8217S. ele procurou homenagear o cessar-fogo tradicional das tetas vietnamitas. o cansativo Vietnã do Sul e os Estados Unidos também participaram disso com ânimo. e eles tiveram tempo para relaxar e enviar suas tropas para casa. Mas os Giap & # 8217s marcaram o dia do luner (dia sagrado para os vietnamitas) para conduzir um ataque maciço e brutal aos inimigos. Ele lançou um ataque a todos os nossos acampamentos em todo o Vietnã do Sul. Eventualmente, os EUA ficaram chocados e atordoados com este ataque inesperado e enganador.

Segunda Guerra Mundial:

General Eisenhower, o comandante das forças aliadas traçou efetivamente as estratégias que são instruídas por Sun Tzu & # 8217s em seus livros "Arte da Guerra". O general Eisenhower insistiu fortemente no estratagema do Core, Decepção na guerra. Alemão almejado para atacar a Normandia Mas para enganar o inimigo, ele adotou a chicana e mostrou sua preparação para atacar Calais. Demonstrar as armas falsas, o movimento das corporações falsas por meio de sons, manobras falsas de caminhões, instruções falsas para fazer um ataque a Calais criam uma percepção entre os alemães e # 8217 de que Calais pode ser o alvo das forças aliadas. Por ter como objetivo sondar a manobra dos alemães, divulgar os códigos de guerra e conhecer a percepção deles, implantou seus agentes máximos incluindo rede de espionagem, unidades de inteligência, bem como agentes duplos.Agentes duplos, basicamente destacados pelos alemães, interrogados pelas forças aliadas, contratados pelos aliados para trabalhar na mesma fase a favor das forças aliadas. Este agente alimenta falsas notícias para criar dilemas, e falsas percepções sobre o real acontecem. Por meio da utilização de todos esses agentes secretos, rede e inteligência, a força aliada conseguiu quebrar o enigma do código de guerra alemão & # 8217.

Preparação para um ataque total contra os inimigos que induziu a sondar a percepção, o pensamento e as direções do inimigo. Outra característica mais crucial da guerra de Sun Tzu & # 8217 foi conferir a autoridade de condução e direção totalmente entregue ao General, exceto a interferência dos líderes do regime. Adlop Hitler falhou em perceber os Sun Tzu & # 8217s de libertar general em direções e eventualmente ele repetidamente intervém em todas as decisões que distorcem as situações reais do campo de batalha. Por fim, a conjuntura chegou e o ataque foi lançado na Normandia. Tinha sido tomado sob o controle dos aliados e observado a vitória como resultado do engano, a grande estratégia.

A Guerra de Gettysburg (Guerra Civil Americana):

A experiência mais terrível e mais casual da guerra de Gettysburge da história americana. A atual nação americana sofisticada e hagemônica teve que passar por essa era horrível que devorou ​​mais milhares de vidas de cidadãos americanos, e danos insubstituíveis. A batalha foi travada entre duas alas - Norte e Sul. As táticas mais cruciais foram ignoradas pelo comandante lee do norte, que foi instruído por Sun Tzu, foram gerenciamento de percepção e engano. Lee não conseguiu reunir sua proficiência em liderança e mostrou maturidade em lidar com crises do campo de batalha. Ele ordenou mobilizar os exércitos, exceto para verificar sua eficiência. Outro grande truque de Sun Tzu para isentar suas fronteiras de serem jogadas no lado negativo da guerra. Ele também rejeitou o general para liderar o lado inimigo. É uma pena que sotavento do general do Norte não tenha aprendido com os ensinamentos de Sun Tzu. Portanto, tal erro trouxe os eventuais danos e a queda dos exércitos de borras feitas as asas do norte derrotadas naquela guerra prolongada.

Observações finais:

A arte da guerra, um livro constituído de truques de guerra, engano, sabedoria e força que ornamentavam a excelência de um general ideal e um estrategista de guerra pragmático e artesão. Sun Tzu, o grande estrategista decorou este livro com base em seus próprios experimentos e experiência durante o mandato dele como chefe das fronteiras do rei Helu & # 8217. Portanto, a abordagem pragmática e a eficiência dessa arte da guerra foram iniciadas pelo fabricante de artesanato de guerra e mesmo até a era do tecnólogo moderno, ele manteve sua aplicabilidade. a guerra do Vietnã, a segunda guerra mundial e a guerra de Gettysburg evidenciaram a precisão e eficiência dessa manobra.


Bill Belichick explica como os conselhos de Sun Tzu & # x27s & # x27A Arte da Guerra & # x27 ajudaram a construir a dinastia dos Patriots

As mudanças a cada ano - o estilo de jogo que domina a liga, os pontos fortes e fracos de seu elenco específico, a definição literal do que constitui uma pegadinha e a rotação constante do elenco - tornam o desenvolvimento de uma dinastia uma tarefa complicada.

O gênio de Belichick, junto com o jogo do quarterback Tom Brady, levou o Patriots a prosperar, com quase duas décadas de domínio que viram a franquia ganhar seis Super Bowls e 17 temporadas consecutivas de pelo menos 10 vitórias.

Embora Belichick seja uma mente futebolística incomparável, ele credita parte da base de sua estratégia e pensamento não ao esporte, mas a "A Arte da Guerra", de Sun Tzu. Rich Eisen, da NFL Network, perguntou a Belichick sobre sua filosofia de treinamento enquanto os dois participavam do programa "NFL 100" da rede, discutindo os 100 melhores da história da liga.

Belichick explicou que sua filosofia remontava a "A Arte da Guerra" e, no processo, fez com que treinar futebol parecesse muito mais fácil do que parece.

“Você pode voltar até algumas centenas de anos a.C., Sun Tzu, 'A Arte da Guerra'. Ataque os pontos fracos, utilize os pontos fortes e descubra quais são os pontos fortes da sua equipe. Há algumas coisas que você precisa proteger. Encontre os pontos fracos do seu oponente e ataque.

Você não pode vencer uma guerra cavando um buraco. Você tem que atacar. Você tem que descobrir onde quer atacar, como quer atacar, e isso muda semana a semana e jogo a jogo. "

Você pode assistir os comentários de Belichick abaixo.

Não é a primeira vez que Belichick fala de Sun Tzu como inspiração.

Em 2017, Belichick disse a Suzy Welch da CNBC que os Patriots tinham uma placa no vestiário da equipe - uma citação de Sun Tzu que dizia: "Cada batalha é ganha antes de ser travada."

É um mantra adequado para a franquia, dada a reputação da equipe de preparação e capacidade de se ajustar rapidamente.


A Batalha dos Teóricos Militares: Clausewitz vs. Sun Tzu

Mark McNeilly é o autor de “Sun Tzu e a Arte da Guerra Moderna” (Oxford University Press), do qual este artigo é derivado. O livro, recentemente atualizado, agora inclui as guerras no Iraque e no Afeganistão. McNeilly apareceu como palestrante convidado no especial do History Channel sobre a Arte da Guerra de Sun Tzu e palestrou na Escola de Comando e Estado-Maior da Força Aérea dos Estados Unidos sobre os princípios da Arte da Guerra de Sun Tzu. Ele também é o autor de “Sun Tzu e a Arte dos Negócios: Seis Princípios Estratégicos para Gestores”. Professor da Universidade da Carolina do Norte-Chapel Hill e ex-executivo de negócios, serviu como oficial da reserva na infantaria e artilharia da Guarda Nacional do Exército dos EUA. Você pode aprender mais em suntzustrategies.com.

Para a maioria dos leitores de história militar, dois teóricos se destacam, o prussiano Carl von Clausewitz e o chinês Sun Tzu. Além de viver em épocas muito diferentes (Clausewitz nos séculos 18 e 19 e Sun Tzu na China antiga), o primeiro vem do Ocidente e o último do Oriente. Livro de Clausewitz Em guerra (publicado pela primeira vez em 1832) teve uma grande influência no pensamento militar ocidental. O oficial prussiano desenvolveu os conceitos de seu livro com base na observação e participação nas guerras napoleônicas. O melhor que podemos dizer é que Sun Tzu viveu durante uma época de grande conflito na China chamada A Era dos Estados Combatentes, em que sete grandes estados disputavam o controle do país. Sun Tzu serviu como um general do estado de Ch'i e escreveu seus princípios para a guerra em um livro que chamamos A arte da guerra. Ele teve grande influência sobre líderes na China e no Japão e suas idéias sobre estratégia também se tornaram populares no Ocidente, não apenas entre os militares, mas também entre os empresários. Embora as filosofias estratégicas de Sun Tzu e Clausewitz se alinhem em algumas áreas, suas idéias são diametralmente opostas em outras importantes. Então, qual deles os profissionais militares e estrategistas devem seguir?

Sun Tzu via o objetivo da guerra não como a destruição total do inimigo por meio de um confronto violento, mas "vencer-tudo-sem-lutar". Sua opinião era que, “Geralmente na guerra, a melhor política é tomar um estado intacto para arruiná-lo, é inferior a este.” e também, “Ganhar cem vitórias em cem batalhas não é o apogeu da habilidade. Subjugar o inimigo sem lutar é o apogeu da habilidade. ” Este objetivo poderia ser alcançado não atacando diretamente a força do inimigo, mas por meio de uma compreensão profunda de suas capacidades e concentrando o ataque em sua fraqueza. “Um exército pode ser comparado à água, pois assim como a água corrente evita as alturas e se apressa para as terras baixas, o exército evita a força e golpeia a fraqueza.”

Esses ataques seriam mascarados por engano, lançados em lugares inesperados e executados com velocidade estonteante. Por A arte da guerra, “Toda guerra é baseada no engano” e “Velocidade é a essência da guerra. Aproveite a viagem de despreparo do inimigo por rotas inesperadas e ataque-o onde não tomou precauções. ” A combinação dessas táticas desequilibraria o inimigo e os tornaria incapazes de resistir ao ataque.

Clausewitz tinha algumas idéias muito diferentes sobre a guerra, mas antes de discuti-las, vejamos primeiro as principais áreas em que acredito (com base nos escritos de seu tratado Em guerra) Clausewitz concordaria com Sun Tzu. Um ponto crucial que Clausewitz destaca é que a guerra é uma extensão da política nacional e que os objetivos militares devem ter como objetivo alcançar e estar subordinados aos objetivos da nação. Provavelmente, a citação mais famosa de Clausewitz é que "a guerra é apenas a continuação da política por outros meios". Clausewitz elabora sobre isso, afirmando que “o objeto político é a meta, a guerra é o meio de alcançá-la e os meios nunca podem ser considerados isoladamente de seu propósito”.

Os princípios de Sun Tzu são consistentes com Clausewitz a esse respeito. Ele percebeu que os objetivos nacionais deveriam determinar a sabedoria de empregar o poder militar e então direcionar e orientar seu uso uma vez que a decisão de ir para a guerra tenha sido tomada, “Normalmente, quando o exército é empregado, o general primeiro recebe seus comandos do soberano . Ele reúne as tropas e mobiliza o povo. Ele mistura o exército em uma entidade harmoniosa e o acampa. ”

Clausewitz também concordaria com Sun Tzu sobre a necessidade de um “gênio” militar na guerra, visto que ele dedicou um capítulo inteiro no início de seu livro sobre o assunto. Ele afirma que "gênio se refere a uma aptidão mental altamente desenvolvida para uma ocupação específica, dada a arena que estamos discutindo, uma aptidão mental altamente desenvolvida para conduzir a guerra." Conforme elaborado no capítulo sobre liderança, Sun Tzu também reconhece a necessidade de gênio militar.

Finalmente, Clausewitz cunhou o termo atrito.” Ele desenvolveu o ponto de vista de que o atrito no combate tornava o simples, difícil, portanto, era fundamental planejar e se preparar para superar o atrito. Este é outro exemplo de consistência entre os dois teóricos militares.

No entanto, há uma série de conceitos que Clausewitz apresenta que diferem claramente de Sun Tzu e eu diria que tiveram um efeito negativo na guerra ocidental. Muitos estão entrelaçados e são derivados, em primeiro lugar, da preferência de Clausewitz pela "guerra total". Fortemente influenciado pelo sucesso da mobilização de toda a população da França pela Revolução Francesa para a luta, Clausewitz acreditava que uma nação deve mobilizar todos os seus recursos (militares, econômicos, diplomáticos e sociais, etc.) para derrotar seus inimigos. Clausewitz afirmou então que o objetivo principal da liderança militar de um país era lançar um grande ataque em que o exército principal da nação lutaria contra as forças principais do inimigo em uma "batalha decisiva" que encerraria a guerra favoravelmente. O objetivo em travar esta batalha decisiva é a destruição do exército inimigo, de preferência através de uma batalha do tipo Canas em que uma luta pesada venceria e as baixas amistosas eram de pouca consequência. Uma grande derrota então forçaria o perdedor a pedir a paz. Para citar Clausewitz em seu segundo capítulo intitulado “Propósito e meios na guerra”:

“Nossa discussão mostrou que enquanto na guerra muitos caminhos diferentes podem levar ao objetivo, ao alcance do objetivo político, a luta é o único meio possível. Tudo é regido pela lei suprema, a decisão pela força das armas. . Resumindo: de todos os objetivos possíveis na guerra, a destruição das forças armadas do inimigo sempre aparece como o mais alto. ”

E aqui está Clausewitz de seu capítulo “A batalha - continuação: o uso da batalha”:

Não importa como uma guerra em particular é conduzida e quais aspectos de sua conduta reconhecemos subsequentemente como essenciais, o próprio conceito de guerra nos permitirá fazer as seguintes declarações inequívocas:

1. A destruição das forças inimigas é o princípio fundamental da guerra e, no que diz respeito à ação positiva, a principal forma de alcançar nosso objetivo.

2. Tal destruição de forças geralmente pode ser realizada apenas lutando.

3. Somente grandes engajamentos envolvendo todas as forças levam ao grande sucesso.

4. Os maiores sucessos são obtidos onde todos os engajamentos se fundem em uma grande batalha.

5. Somente em uma grande batalha o comandante-em-chefe controla pessoalmente as operações, sendo natural que ele prefira confiar a si mesmo a direção da batalha.

É nessas visões que Clausewitz e Sun Tzu diferem muito e com base no meu estudo de estratégia militar na história, adiro muito mais às visões de Sun Tzu nesta área.

Em primeiro lugar, embora seja verdade que, quando a guerra chega, uma nação deve mobilizar seus recursos para prevalecer, não é necessariamente o caso de um país buscar a "guerra total", na qual a destruição completa do inimigo é o objetivo e a sobrevivência de a própria nação está em risco. Foi o desejo de uma guerra total que levou a milhões de vítimas nas duas guerras mundiais do século XX. Na Segunda Guerra Mundial, a ideia de guerra total entre “raças” levou a uma guerra desumana no front oriental e à escravidão e aniquilação de milhões de civis.

Sun Tzu argumentaria que 1) vencer sem lutar (por exemplo, resolver a crise dos mísseis cubanos por meio de um bloqueio naval não violento e diplomacia) é preferível e 2) se a guerra for inevitável, então é imperativo ter uma estratégia que atinja níveis nacionais específicos objetivos com o mínimo de destruição. Além disso, mesmo quando envolvido em uma guerra total, é importante obedecer às regras humanitárias que limitam o sofrimento humano e a destruição física.

A visão de que se deve buscar uma batalha decisiva enfrentando a principal força inimiga também não foi confirmada pela história. Apesar da vitória clara de Aníbal contra o principal exército romano em Canas, a batalha não foi decisiva. Na verdade, o vencedor cartaginês da batalha acabou perdendo a guerra. Gettysburg, Stalingrado, Midway e outras grandes batalhas foram pontos de inflexão importantes em várias guerras, mas não foram em si decisivas em termos de levar a um pedido imediato de paz pelo perdedor. Foi a busca por uma batalha decisiva no Sudeste Asiático que levou os franceses a Dien Bien Phu e os americanos a Khe Sanh, nenhum dos quais levou ao sucesso final. Na verdade, os escritos de Clausewitz, interpretados corretamente ou não, levaram generais a ataques diretos às forças inimigas, o que por sua vez levou a enormes baixas e sucesso limitado.


Assista o vídeo: SZTUKA WOJNY Sun Tzu: 5 Zasad Generałów (Dezembro 2021).