Em formação

Maria Spiridonova em 1914


Maria Spiridonova nasceu em Tambov em 1885. Enquanto treinava como enfermeira, ela se juntou ao Partido Revolucionário Socialista.

Durante a Revolução de 1905, a polícia reprimiu brutalmente um levante camponês. Em janeiro de 1906, Spiridonova assassinou o Inspetor de Polícia Luzhenovsky, que ordenou o ataque. Após sua prisão, ela foi espancada, torturada e abusada sexualmente.

Considerada culpada de assassinato, ela foi enviada para Akatui na Sibéria. Ao ser libertada, ela voltou a se tornar ativa no Partido Socialista Revolucionário.

Maria Spiridonova

1. Foi altamente crítico de Nicolau II e da autocracia.

2. Queria que a Rússia tivesse sufrágio universal.

3. Queria que o governo russo permitisse a liberdade de expressão e o fim da censura política de jornais e livros.

4. Acreditava que a democracia só poderia ser alcançada na Rússia pela derrubada violenta de Nicolau II e da autocracia.

5. Opôs-se fortemente que a Rússia fosse à guerra com a Áustria-Hungria e a Alemanha.

6. Acreditava que, se a Rússia realmente fosse à guerra com a Áustria-Hungria e a Alemanha, os mencheviques, bolcheviques e os socialistas revolucionários deveriam tentar persuadir os soldados russos a usar suas armas para derrubar Nicolau II.


Daria Spiridonova

Daria Sergeyevna Spiridonova-Nagornaya (Russo: Дарья Сергеевна Спиридонова-Нагорная, nascido em 8 de julho de 1998) é um ex-ginasta artístico russo. Principalmente uma especialista em barras irregulares, ela é a campeã mundial de 2015, a campeã europeia de 2015, a medalhista mundial de bronze de 2014 e uma tetra campeã nacional russa (2014-17) no aparelho. Ela representou a Rússia nos Jogos Olímpicos de 2016, ganhando uma medalha de prata na competição por equipes. Ela também foi membro da equipe ganhadora da medalha de ouro no Campeonato Europeu de 2016, das equipes ganhadoras da medalha de prata nos Campeonatos Mundiais de 2018 e 2019 e das equipes ganhadoras da medalha de bronze nos Campeonatos Mundiais de 2014 e da Europa de 2014 . Ela é casada com a ginasta russa Nikita Nagornyy.


Modificador Blirizva

Modificador Toza

Maria Spiridonova koe Tambov koblir, i koe widava gerone Moskva arte 480 km-. Gadikye tiyir ravaldugafe gu ilkoluuca ise wetce omeltaf gadesik kobayar. Bak 1902 mulufter. Ina koe Tambov taneon vayar aze koe Moskva djuvanpir talgopik. Voxe ko Tambov kalion dimlapir lize wetce unenik kobar. Wavepon gan saneevafa gaderopafa rieta zo jekur nume va exaksara paker. Bak bareaksat ke 1905 taneatomon zo soper. Va Seltevafo Artowaso Pako yoter.

Modificador Adjubera va Lujenovski

Gavriil Lujenovski tiyir kulaf pilkotik é winkaf pirdotik flikiraf gu musuca ke Borisoglebsk utca gerone Tambov. Ostik tiyir lizukaf andik ke cosevaf grustaks ( Ebeltikafa Decema ) Neda ke Seltevafo Artowaso Pako va ini djukuradjuber. Maria Spiridonova vanyer kuranafa ta batcoba. Arti konak tcalutes vielcek katecta ba 16/01/1906 koe impadimakafa recela ke Borisoglebsk sokir. Ina va ini alubon dierkar. Lujenovski me ve xonuker voxen ba 10/02/1906 di awalker.

Maria Spiridonova gan fuzodes kazakik zo soper. Koe ardialxe zo basvager aze zo joxar. Bak vielacku gan toloy ardialik zo koerur ise zo naker. Aze bak arburera ko Tambov kan impadimak, ikron zo kugdar ise ape zo boer.

Koe nuyotafa fela ke Sankt Peterburg va levgayana askiperaja lajuranker. Lana kroara di tir.

Ba 11/03/1906 Maria Spiridonova nope pisonara va Lujenovski zo malyer nume xonukalanzar. Wori erkey va gakera gu narmafa dagira nuner.

Spiridonova do aluboya ara eaftevikya ke SAP ko Sibira kan impadimak zo stakser. Sina (Maria Spiridonova é Maria Ckolnik é Anastasya Bitsenko é Aleksandra Izmaylovitc é Rebekka Fialka é Lidya Ezerskaya) gu Cesterka ( Teva ) bam zo dayoltad. Viafa koyara kal xalta ke Nertcinsk poke siniafa jowa va tanoy aksat tiskir. Koe kota recela luntafi tari mu lanzanik exaksar.

Bak balemeaksat ke 1911, 28 daginikya don Spiridonova ko Akatuy dimon zo arbured lize gropeem al loeke tuolgawer. Re gonokobad.

Modificador Andik ke SAP

Modificador Pakera va artowara

Moi Artowara ke Toleaksat ke 1917, jadifa emnagara va ina é arak ke gaderopaf daginik gu Akatuy divflintar.

Mali dimlapira ko Moskva az Sankt Peterburg, ina va tegira ke Seltevafo Artowaso Pako gire pakeper. Va exonera va soviético pirdot vanmia tawadayikeem dere weber.

Moi Artowara ke Saneaksat, Spiridonova va taltefa grelta ke pako kazokever, aneyason va grufa é purafa dokobara va Bolcevik gadesikeem, is tazukatason va tanarafe bowere. Wetce kaatoesik ke intafo pako, va blodaf play ta tawadayafa arienta kereler ise tir tan riaf zobesik va Lenin ta kevnalera va figaf kredeem ke Brest-Litovsk bioga do Germana. Inafa tirka tir lekapafa koe pako. Bak taneaksat ke 1918 tir retik ta gadesikeba ke Tadlesa Koka voxe me di zo libur. Ison mila koka gan Bolcevik roti waroldon zo solelar.

Exura va Bolcevik modificador bolk

Rekolanya wal Spiridonova é taltefa grelta ke SAP do Bolcevik roti abiceje tiskir. Mali imwugal ke 1918, taruteteson va aelakolacek koe loa widava skapon atitsuyusa, sayakafa taksa zo tazukad aze ko tawaday va zaipa poason toz kucilodad. Fikafa Bolcevik gaderopa abicdoe lustesa va zaipa é ramirukap ke olgapafa skapafa é tawavofa kaxaara pu Germana, va adre laumasa tsunera ke tawadayafa sanelia nekid. Wetce blodik ke tawadayafa arienta, Spiridonova va tuastirbara va copuca ke tawadayikeem koe patecta jiligapar. Tanara wal taltefa grelta ke SAP é Bolcevik pako kadar kevlafa icde enekeugal ke Artowara numen sin toz grabapad.

Bak pereaksat ke 1917, Lenin é Bolcevik roti va adjubera va Mirbach germanaf permik orkad numen okilikeem ke taltefa grelta ke SAP don Spiridonova é 400 dastrubenik ke Sovietafa Aba koe Moskva zo koflintad. Sedme konaka klita, lo 200 bewik waroldon flioton nuve zo klibuyud.

Moi flintafa tiskira bak konak aksat, Spiridonova ba 27/11/1918 birgoton zo malyer. Gu flintafa tanda zo lanza voxen gakera direvielon zo emnagar.

Modificador Warzafa koflintara

- Emma Goldman malyedas va Maria Spiridonova koe «Minha desilusão na Rússia», 1923

Spiridonova bam vanpir puda ke mulafa grelta ke SAP, dimfolison va kota vandelvejara doevafa vertuma, nume sanegon ranker da bowere nope intafa gaderopa isu tegireem va Artowara relmer. Soe va pastara ko eaftevafa tegira ke lan pak ke sayudasikeem kevvewar.

Bak taneaksat ke 1919 moi sanegafa dewitca kevusa va doevikafe bowere, Spiridonova gan Tceka ardial zo soper. Ba 24/02/1919 gire zo malyer, tulon koridanon gan Nikolay Buxarin. Zo buntur da co tir swavakolesik ise dratcesik va selt. Gu tanda koe oviskikafe ropexe zo lanzar.

Ba 02/04/1919, sayudasik ke SAP va ina lajudivflintad. Azon ina koe Moskva wetce tawadayikya yoltkirafa gu Onufriyeva birgoton blir. Voxen arti 19 aksat ba 26/10/1920 gire zo soper. Inafa galera ligundewer. Gu oviskikaf flint gire zo kobuder.

Ba 18/11/1921 zo tunuyar. Va kota gaderopafa tegira ten askir.

Modificador Brazara az xonukera az konolera

Nekev intafa jovlera va tegisa gaderopa, ba 16/05/1926 gire zo soper. Gu barda ke ristulafa divblira zo lanzar azen bata gakera konakviele zo dakir. Va arak ke 1920 -e sanda koe Kaluga (1923-1925) az Samarkand (1925-1928) az Tackent (1928-1930) tiskir. Azon bak 1930, warzafa bardafa lanzara koe Ufa (az toloya abdujijara). Bak kotaf divblirugal, faça savsafa xaltafa dositikya Aleksandra Izmaylovitc blir. Isti 1920 -e sanda, va Ilya Andreyevitc Mayorov ronoyerumar, i va savsaf gadesik ke taltefa grelta ke SAT dere divbliyin.

Bak 1937 Spiridonova ware gire zo soper, keni konakar savsaf palik ke pako don yerumanik é sardafe ikanazbeikye é megalucafe ikagadikye é Aleksandra Izmaylovitc é Irina Kaxovskaya. Inafa lospa gu voltirodafa urbera va doevikafi roti ke Backira gola zo koridar. Spiridonova va konaka udutafa koerura remi konak aksat koe Ufa é Moskva levgar. Va mecoba welidar. Va konaka twa kalaklesa va koridareem pu rictaga maner. Ta tunera va xonukagakera skeuson tulon alutar.

Ba 07/01/1938 gu koflintara vas 25 tanda gan sayakaf erkey ke Ilamaf Tregul tere zo lanzar. Kaiki aelyastera, ko flint ke Oryol zo stakser. Ba 11/09/1941, Spiridonova is Izmaylovitc is Mayorov is lo 150 ar gaderopaf flintik koe Medvedevski aalxo cutucar Oryol benplekuyunon gan Stalin zo klibud.


Conteúdo

Vida pregressa

Maria Alexandrovna Spiridonova nasceu na cidade de Tambov, localizada a aproximadamente 480 quilômetros (300 e # 160mi) ao sul-sudeste de Moscou. Seu pai, um funcionário do banco, era membro da pequena nobreza não hereditária do império russo. [1] Ela frequentou o ginásio local, até que a morte de seu pai e a tuberculose a fizeram desistir em 1902. Ela então estudou odontologia em Moscou por um curto período. Retornando a Tambov, ela trabalhou como escriturária para a assembléia local. Logo ela se envolveu no ativismo político e foi presa durante as manifestações estudantis de março de 1905. Em setembro de 1905, ela se candidatou a um treinamento como enfermeira, mas foi rejeitada por sua ficha política. Em vez disso, ela se juntou ao Partido Socialista Revolucionário e se tornou uma ativista em tempo integral. Ela também se tornou amante de Vladimir Volsky, um líder SR local. [2]

Como muitos SRs, ela abraçou a ideia de assassinato e terrorismo como uma arma revolucionária. Ela foi uma das centenas de SRs que durante e após a Revolução Russa de 1905 atacaram o estado russo e seus líderes.

Assassinato de luzhenovsky

O alvo de Spiridonova era G. N. Luzhenovsky, um proprietário de terras e conselheiro provincial de Tambov que havia sido nomeado chefe de segurança do distrito em Borisoglebsk, uma cidade a sudeste de Tambov. Luzhenovsky era notório pela repressão brutal da agitação camponesa no distrito, e o comitê SR em Tambov "o condenou à morte". Spiridonova se ofereceu para matá-lo. Ela perseguiu Luzhenovsky por vários dias e finalmente teve sua chance na estação ferroviária de Borisoglebsk em 16 de janeiro de 1906. Ela disparou vários tiros de um revólver e atingiu Luzhenovsky cinco vezes. Ele morreu em 10 de fevereiro. [2]

Spiridonova foi imediatamente capturada pelos guarda-costas cossacos de Luzhenovsky e levada para Tambov no dia seguinte.

Pouco mais se ouviu sobre o caso até 12 de fevereiro, quando Rus, um jornal liberal de São Petersburgo, publicou uma carta de Spiridonova, descrevendo o abuso e tortura que ela sofrera desde sua prisão - espancada com punhos, chicotes e botas, queimada com um cigarro aceso na pele nua, despida e apalpada repetidamente pelo comandante estúpido dos cossacos, Avramov. A carta insinuava que ele a estuprou no trem para Tambov. [2]

A história de Spiridonova se tornou uma sensação imediata com Rus 'leitores de s. Embora poucos apoiassem o terrorismo SR, a maioria ficou indignada com essa terrível crueldade com um prisioneiro, especialmente com uma jovem atraente. Círculos liberais em toda a Rússia condenaram as autoridades de Tambov. Spiridonova foi descrita como "um ser puro e virginal, uma flor de beleza espiritual. Nas mãos de um orangotango lascivo". Mulheres de todas as classes exigiam "justiça para nossa irmã profanada".

Rus enviou o repórter V. A. Vladimirov para Tambov. Ele produziu sete artigos sensacionais que apareceram em março. Na verdade, esses artigos exageraram os maus-tratos e as lesões de Spiridonova, e ainda mais explicitamente tocaram em seu alegado estupro. Vladimirov também exagerou sua história como radical, ao mesmo tempo em que encobria suas convicções políticas reais, que incomodavam os SRs quase tanto quanto os conservadores e as autoridades. A própria Spiridonova repudiou o relato de Vladimirov. [2]

Em 11 de março, Spiridonova foi julgado e condenado pelo assassinato de Luzhenovsky, e condenado à morte. No entanto, o tribunal também pediu que a sentença fosse comutada para servidão penal na Sibéria, em vista de sua saúde precária. Isso foi feito em 20 de março. [2]

A imprensa liberal continuou sua campanha em seu apoio. Em 2 de abril, Avramov também foi assassinado, criando uma nova sensação. [2]

O governo divulgou seu relatório sobre o caso em 8 de abril. O relatório reconheceu que Spiridonova havia sido espancado pelos cossacos no momento de sua prisão e que Avramov a havia abusado verbalmente no trem, mas negou todas as acusações mais chocantes. Isso foi denunciado como uma cal. [2]

Cartas secretas de Spiridonova na prisão para sua irmã Yulia, uma colega SR, foram apreendidas pela polícia em 19 de fevereiro. O relatório citou um pedido em uma carta para não revelar sua "história romântica" - presumivelmente seu relacionamento com Volsky. Muitos liberais chamaram isso de uma tentativa de caluniar sua moral. Ironicamente, o governador de Tambov sabia tudo sobre o caso (Spiridonova apelou para um encontro com Volsky, a quem ela descreveu como seu noivo, embora ele já fosse casado). Mas não repassou a informação, o que teria demolido a imagem "virginal" de Spiridonova. [2]

O procurador adjunto de Tambov resumiu as cartas em um relatório às autoridades nacionais. Seus trechos indicam que Spiridonova participou conscientemente da formação da imagem que estava acontecendo lá fora - sugerindo o que deveria ser enfatizado e o que deveria ser minimizado. [2]

Spiridonova foi enviada para a Sibéria na companhia de cinco outras mulheres terroristas SR proeminentes. O grupo às vezes era chamado de Shesterka ("Seis"). Spiridonova era o mais famoso, jovem, atraente e de etnia russa (os outros eram judeus, bielorrussos e ucranianos). o Shesterka foram transportados de trem de Moscou para o complexo prisional de Nerchinsk (a leste do Lago Baikal e perto da fronteira com a China). Durante essa viagem, o trem foi recebido em todas as paradas por uma multidão de simpatizantes. Spiridonova dirigiu-se a essas multidões, expondo o programa político SR. [2]

Nos 11 anos seguintes, Spiridonova foi mantida na prisão de Maltzevskaya. Ela foi tratada com severidade e, às vezes, foi severamente castigada com varas de bétula (розги) enquanto despido. [3] Tal punição corporal totalmente despida não era comum para prisioneiros políticos naquela época.

Líder do SR de esquerda

Acomodação com a revolução

Após a Revolução de fevereiro de 1917, Spiridinova foi libertado do encarceramento na prisão feminina em Nerchinsk por uma anistia geral cobrindo revolucionários presos. [1] Após sua libertação, o ex-prisioneiro político Spiridonova era amplamente estimado pelo povo comum da Rússia, sendo venerado por muitos camponeses como quase um santo. [1]

Spridonova viajou da Sibéria a Moscou para participar do 3º Congresso Nacional do Partido dos Socialistas-Revolucionários (PSR) no final de maio de 1917, mas a reunião não a elegeu para o Comitê Central governante do partido. Apesar desse fracasso, Spiridonova se envolveu profundamente nos assuntos do partido como líder da organização PSR na capital Petrogrado. [4] Ela também estava envolvida no trabalho ajudando a estabelecer sovietes entre o campesinato. [5]

Após a Revolução de Outubro, Spiridonova lançou sua sorte com a organização autônoma dos SRs de esquerda em apoio aos seus antigos rivais do Partido Bolchevique. [5] Spiridonova foi extremamente favorável aos esforços para forjar um governo de unidade entre os bolcheviques, os SRs de esquerda e os internacionalistas mencheviques, e foi um dos poucos líderes do SR de esquerda a apoiar a decisão de Lenin de concordar com os termos draconianos de imediato paz proposta pelo governo da Alemanha Imperial no Tratado de Brest-Litovsk. [5] A lealdade de Spiridonova foi recompensada quando ela foi nomeada chefe da Seção Camponesa do Comitê Executivo Central do Soviete de Trabalhadores, Camponeses e Soldados de toda a Rússia - nominalmente uma autoridade-chefe dos assuntos camponeses. [5]

Revolta contra o bolchevismo

A lua de mel entre os SRs de esquerda e os bolcheviques teve vida curta. No final da primavera de 1918, destacamentos militares bolcheviques foram formados para conduzir requisições forçadas de grãos em um esforço desesperado para evitar a fome nas cidades em meio ao colapso econômico. [5] A unidade voltou-se para a rivalidade sobre o futuro da revolução e uma competição com os bolcheviques se seguiu pelo controle do próximo 5º Congresso dos Sovietes, programado para começar em Moscou em 4 de julho de 1918. [5] Em 24 de junho, o Comitê Central de os SRs de esquerda decidiram começar uma campanha de terror contra oficiais alemães na Rússia em um esforço para sabotar o odiado Tratado de Brest-Litovsk e forçar uma aliança mais firme com o campesinato durante a crise que se seguiria. [5]

Em 7 de julho de 1918, dois membros do Partido SR de Esquerda, Iakov Bliumkin e Nikolai Andreev, assassinaram o embaixador alemão Wilhelm Mirbach. [5] Em vez de alimentar uma nova conflagração com a Alemanha, Lenin usou o assassinato de Mirbach como pretexto para a supressão da organização SR de esquerda. As tropas foram rapidamente mobilizadas para isolar com sucesso as unidades de combate de seus ex-aliados. [6] Spiridonova correu para o Teatro Bolshoi, local do 5º Congresso dos Soviéticos em andamento, para fazer uma declaração oficial da política em relação ao levante de esquerda SR, mas descobriu que o Congresso havia sido suspenso após o assassinato e mais de 400 esquerdas Delegados SR detidos. [6] Spiridonova e vários outros líderes do SR de esquerda foram presos em Moscou, e sua Seção Camponesa do Congresso Pan-Russo dos Soviets foi dissolvida. [6]

Anúncios foram feitos de que Spiridonova seria julgado em 1 de dezembro de 1918, mas para minar a possibilidade de uma situação potencialmente volátil, um julgamento secreto foi conduzido em 27 de novembro. [6] Spiridonova foi condenada a um ano de prisão por sua participação na revolta de Esquerda SR, mas foi anistiada no dia seguinte. [6]

Spiridonova tornou-se a voz de uma facção radical dos SRs de esquerda oposta a qualquer acomodação com o regime bolchevique e denunciou publicamente o governo por ter traído a revolução com suas políticas e ações. Apesar de sua amarga recusa em se comprometer, Spiridonova manteve a separação da ala terrorista dos SRs de esquerda, em vez de concentrar sua agitação em torno da ideia de revitalizar o sistema de sovietes em oposição ao governo do partido bolchevique por decreto burocrático. [7]

Em janeiro de 1919, após outro discurso público em oposição ao governo bolchevique, Spiridonova foi preso pela Cheka de Moscou. [7] Ela foi julgada mais uma vez em 24 de fevereiro de 1919, com o líder bolchevique Nikolai Bukharin como única testemunha da acusação, acusando Spiridonova de doença mental e uma ameaça à sociedade na atmosfera política mortal da Guerra Civil Russa. [7] Spiridonova foi considerada culpada e sentenciada a um ano de prisão em um sanatório mental - removendo-a efetivamente da política no processo. [7]

Em vez de um sanatório, Spiridonova foi na verdade confinada em uma pequena cela dentro de um quartel militar, onde sua saúde já frágil se deteriorou rapidamente. [7] Uma fuga foi organizada por militantes da esquerda SR e em 2 de abril de 1919 Spiridonova foi libertada, passando a viver no subsolo em Moscou sob o pseudônimo de Onufrieva. [7] Ela acabou sendo presa novamente, doente com tifo e sofrendo de um distúrbio nervoso não declarado. [7] Após a recuperação em um centro médico da Cheka, Spiridonova foi transferido para uma prisão psiquiátrica. [7] Ela foi finalmente colocada sob a custódia de dois camaradas da esquerda SR em 18 de novembro de 1921 sob a condição de que ela cessasse e desistisse de todas as atividades políticas. [7] Na estimativa do historiador Alexander Rabinowitch, "não há evidência de que ela violou esta condição." [8] A vida política ativa de Spiridonova estava no fim.

Morte e legado

Em 1937, Spiridonova foi preso em Ufa com doze outros ex-socialistas-revolucionários de esquerda vivendo lá. Ela foi condenada por tramar um levante camponês e sentenciada a 25 anos de prisão por um Colégio Militar em 8 de março de 1937. Após uma greve de fome, ela foi mantida em isolamento na Prisão de Orel. De sua cela, ela escreveu várias cartas ao procurador-geral da URSS com um pedido para matá-la imediatamente e acabar com o tormento. [9]

Em 11 de setembro de 1941 (três meses após a invasão alemã da URSS), Spiridonova e mais de 150 outros prisioneiros políticos (entre eles Christian Rakovsky e Olga Kameneva), foram executados na Floresta Medvedev fora de Oryol. [10]


Vida pregressa

Maria Alexandrovna Spiridonova nasceu na cidade de Tambov, localizada a aproximadamente 480 quilômetros (300 milhas) ao sul-sudeste de Moscou. Seu pai, um funcionário do banco, era membro da pequena nobreza não hereditária do império russo. [1] Ela frequentou o ginásio local, até que a morte de seu pai e a tuberculose a fizeram desistir em 1902. Ela então estudou odontologia em Moscou por um curto período. Retornando a Tambov, ela trabalhou como escriturária para a assembléia local. Logo ela se envolveu no ativismo político e foi presa durante as manifestações estudantis de março de 1905. Em setembro de 1905, ela se candidatou a um treinamento como enfermeira, mas foi rejeitada por sua ficha política. Em vez disso, ela se juntou ao Partido Socialista Revolucionário e se tornou uma ativista em tempo integral. Ela também se tornou amante de Vladimir Volsky, um líder SR local. [2]

Como muitos SRs, ela abraçou a ideia de assassinato e terrorismo como uma arma revolucionária. Ela foi uma das centenas de SRs que durante e após a Revolução Russa de 1905 atacaram o estado russo e seus líderes.

Assassinato de luzhenovsky

O alvo de Spiridonova era G. N. Luzhenovsky, um proprietário de terras e conselheiro provincial de Tambov que havia sido nomeado chefe de segurança do distrito em Borisoglebsk, uma cidade a sudeste de Tambov. Luzhenovsky era notório pela repressão brutal da agitação camponesa no distrito, e o comitê SR em Tambov "o condenou à morte". Spiridonova se ofereceu para matá-lo. Ela perseguiu Luzhenovsky por vários dias e finalmente teve sua chance na estação ferroviária Borisoglebsk em 16 de janeiro de 1906. Ela disparou vários tiros de um revólver e atingiu Luzhenovsky cinco vezes. Ele morreu em 10 de fevereiro. [2]

Spiridonova foi imediatamente capturada pelos guarda-costas cossacos de Luzhenovsky e levada para Tambov no dia seguinte.

Pouco mais se ouviu sobre o caso até 12 de fevereiro, quando Rus, um jornal liberal de São Petersburgo, publicou uma carta de Spiridonova, descrevendo o abuso e tortura que ela sofrera desde sua prisão - espancada com punhos, chicotes e botas, queimada com um cigarro aceso na pele nua, despida e apalpada repetidamente pelo comandante estúpido dos cossacos, Avramov. A carta insinuava que ele a estuprou no trem para Tambov. [2]

A história de Spiridonova se tornou uma sensação imediata com Rus 'leitores de s. Embora poucos apoiassem o terrorismo SR, a maioria ficou indignada com essa terrível crueldade com um prisioneiro, especialmente com uma jovem atraente. Círculos liberais em toda a Rússia condenaram as autoridades de Tambov. Spiridonova foi descrita como "um ser puro e virginal, uma flor de beleza espiritual. Nas mãos de um orangotango lascivo". Mulheres de todas as classes exigiam "justiça para nossa irmã profanada".

Rus enviou o repórter V. A. Vladimirov para Tambov. Ele produziu sete artigos sensacionais que apareceram em março. Na verdade, esses artigos exageraram os maus-tratos e as lesões de Spiridonova, e ainda mais explicitamente tocaram em seu alegado estupro. Vladimirov também exagerou sua história como radical, ao mesmo tempo em que encobria suas convicções políticas reais, que incomodavam os SRs quase tanto quanto os conservadores e as autoridades. A própria Spiridonova repudiou o relato de Vladimirov. [2]

Em 11 de março, Spiridonova foi julgado e condenado pelo assassinato de Luzhenovsky, e condenado à morte. No entanto, o tribunal também pediu que a sentença fosse comutada para servidão penal na Sibéria, em vista de sua saúde precária. Isso foi feito em 20 de março. [2]

A imprensa liberal continuou sua campanha em seu apoio. Em 2 de abril, Avramov também foi assassinado, criando uma nova sensação. [2]

O governo divulgou seu relatório sobre o caso em 8 de abril. O relatório reconheceu que Spiridonova havia sido espancado pelos cossacos no momento de sua prisão e que Avramov a havia abusado verbalmente no trem, mas negou todas as acusações mais chocantes. Isso foi denunciado como uma cal. [2]

Cartas secretas de Spiridonova na prisão para sua irmã Yulia, uma colega SR, foram apreendidas pela polícia em 19 de fevereiro. O relatório citou um pedido em uma carta para não revelar sua "história romântica" - presumivelmente seu relacionamento com Volsky. Muitos liberais chamaram isso de uma tentativa de caluniar sua moral. Ironicamente, o governador de Tambov sabia tudo sobre o caso (Spiridonova apelou para um encontro com Volsky, a quem ela descreveu como seu noivo, embora ele já fosse casado). Mas não repassou a informação, o que teria demolido a imagem "virginal" de Spiridonova. [2]

O procurador adjunto de Tambov resumiu as cartas em um relatório às autoridades nacionais. Seus trechos indicam que Spiridonova participou conscientemente da formação da imagem que estava acontecendo lá fora - sugerindo o que deveria ser enfatizado e o que deveria ser minimizado. [2]

Spiridonova foi enviada para a Sibéria na companhia de cinco outras mulheres terroristas SR proeminentes. O grupo às vezes era chamado de Shesterka ("Seis"). Spiridonova era a mais famosa, jovem, atraente e de etnia russa (os outros eram judeus, bielorrussos e ucranianos). o Shesterka foram transportados de trem de Moscou para o complexo prisional de Nerchinsk (a leste do Lago Baikal e perto da fronteira com a China). Durante a viagem, o trem foi recebido em todas as paradas por uma multidão de simpatizantes. Spiridonova dirigiu-se a essas multidões, expondo o programa político SR. [2]

Nos 11 anos seguintes, Spiridonova foi mantida na prisão de Maltzevskaya. Ela foi tratada com dureza e, às vezes, foi severamente castigada com varas de bétula (розги) enquanto despido. [3] Esse castigo corporal totalmente despido não era comum para prisioneiros políticos naquela época.

Líder do SR de esquerda

Acomodação com a revolução

Após a Revolução de fevereiro de 1917, Spiridinova foi libertado do encarceramento na prisão feminina em Nerchinsk por uma anistia geral cobrindo revolucionários presos. [1] Após sua libertação, o ex-prisioneiro político Spiridonova era amplamente estimado pelo povo comum da Rússia, sendo venerado por muitos camponeses como quase um santo. [1]

Spridonova viajou da Sibéria a Moscou para participar do 3º Congresso Nacional de Petrogrado. [4] Ela também estava envolvida no trabalho ajudando a estabelecer sovietes entre o campesinato. [5]

Seguindo os SRs de esquerda e os internacionalistas mencheviques, foi um dos poucos líderes do SR de esquerda a apoiar a decisão de Lenin de concordar com os termos draconianos de paz imediata apresentados pelo governo da Alemanha Imperial no Tratado de Brest-Litovsk. [5] A lealdade de Spiridonova foi recompensada quando ela foi nomeada chefe da Seção Camponesa do Comitê Executivo Central do Soviete de Trabalhadores, Camponeses e Soldados de toda a Rússia - nominalmente uma autoridade-chefe dos assuntos camponeses. [5]

Revolta contra o bolchevismo

A lua de mel entre os SRs de esquerda e os bolcheviques teve vida curta. No final da primavera de 1918, destacamentos militares bolcheviques foram formados para conduzir requisições forçadas de grãos em um esforço desesperado para evitar a fome nas cidades em meio ao colapso econômico. [5] A unidade voltou-se para a rivalidade sobre o futuro da revolução e uma competição com os bolcheviques se seguiu pelo controle do próximo 5º Congresso dos Sovietes, programado para começar em Moscou em 4 de julho de 1918. [5] Em 24 de junho, o Comitê Central de os SRs de esquerda decidiram começar uma campanha de terror contra oficiais alemães na Rússia em um esforço para sabotar o odiado Tratado de Brest-Litovsk e forçar uma aliança mais firme com o campesinato durante a crise que se seguiria. [5]

Em 7 de julho de 1918, dois membros do Partido SR de Esquerda,

  • Artigos com hCards
  • Artigos contendo texto em russo
  • Modelo de categoria Commons sem categoria definida
  • Categoria Commons sem um link no Wikidata
  • 1884 nascimentos
  • 1941 mortes
  • Mortes por arma de fogo na Rússia
  • Mulheres russas executadas
  • Socialistas revolucionários de esquerda
  • Membros da Assembleia Constituinte Russa
  • Assassinas russas
  • Assassinos russos
  • Povo russo condenado por assassinato
  • Vítimas do Grande Expurgo da Rússia
  • Povo russo executado por arma de fogo
  • Pessoas de Tambov
  • "Maria Spiridonova," www.spartacus-educational.com/
  • Emma Goldman, Minha desilusão na Rússia: Capítulo 16: Maria Spiridonova, www.marxists.org/

Biografia

Vida pregressa

Maria Alexandrovna Spiridonova nasceu na cidade de Tambov, localizada a aproximadamente 480 quilômetros ao sul-sudeste de Moscou. Seu pai, um funcionário do banco, era membro da pequena nobreza não hereditária do império russo. Alexander Rabinowitch, & quotSpiridonova & quot in Edward Acton, Vladimir Iu. Cherniaev e William G. Rosenberg (eds.), Companheiro crítico da Revolução Russa, 1914-1921. Bloomington, IN: Indiana University Press, 1997 pág. 182. Ela frequentou o ginásio local, até que a morte de seu pai e a tuberculose a fizeram desistir em 1902. Ela então estudou odontologia em Moscou por um curto período. Retornando a Tambov, ela trabalhou como escriturária para a assembléia local. Logo ela se envolveu no ativismo político e foi presa durante as manifestações estudantis de março de 1905. Em setembro de 1905, ela se candidatou a um treinamento como enfermeira, mas foi rejeitada por sua ficha política. Em vez disso, ela se juntou ao Partido Socialista Revolucionário e se tornou uma ativista em tempo integral. Ela também se tornou amante de Vladimir Volsky, um líder SR local.

Como muitos SRs, ela abraçou a ideia de assassinato e terrorismo como uma arma revolucionária. Ela foi uma das centenas de SRs que durante e após a Revolução Russa de 1905 atacaram o estado russo e seus líderes.

Assassinato de luzhenovsky

O alvo de Spirodonova foi G. N. Luzhenovsky, um proprietário de terras e conselheiro da província de Tambov que havia sido nomeado chefe de segurança do distrito em Borisoglebsk, uma cidade a sudeste de Tambov. Luzhenovsky era notório pela repressão brutal da agitação camponesa no distrito, e o comitê SR em Tambov "decretou sua sentença de morte". Spirodonova se ofereceu para matá-lo. Ela perseguiu Luzhenovsky por vários dias e finalmente teve sua chance na estação ferroviária de Borisoglebsk em 16 de janeiro de 1906. Ela disparou vários tiros de um revólver e atingiu Luzhenovsky cinco vezes. Ele morreu em 10 de fevereiro. Sally A. Boniece, em Anthony Anemone (ed.), Just Assassins: The Culture of Terrorism in Russia. Northwestern University Press, 2010 pp. 127-151.

Spiridonova foi imediatamente capturada pelos guarda-costas cossacos de Luzhenovsky e # 8217 e levada para Tambov no dia seguinte.

Pouco mais se ouviu sobre o caso até 12 de fevereiro, quando Rus, um jornal liberal de São Petersburgo, publicou uma carta de Spiridonova, descrevendo o abuso e tortura que ela havia sofrido desde sua prisão & # 8211 espancada com punhos, chicotes e botas, queimada com um cigarro aceso na pele nua, nua e Tateou repetidamente pelos cossacos e pelo comandante estúpido # 8217, Avramov. A carta insinuava que ele a estuprou no trem para Tambov.

A história de Spiridonova & # 8217 se tornou uma sensação imediata com Rus & # 8217leitores de s. Embora poucos apoiassem o terrorismo SR, a maioria ficou indignada com essa terrível crueldade com um prisioneiro, especialmente com uma jovem atraente. Círculos liberais em toda a Rússia condenaram as autoridades de Tambov. Spiridonova was described as "a pure, virginal being, a flower of spiritual beauty… in the hands of a salacious orangutan". Women of all classes demanded "justice for our desecrated sister."

Rus sent reporter V. A. Vladimirov to Tambov. He produced seven sensational articles that appeared in March. These articles actually exaggerated Spiridonova’s mistreatment and injuries, and even more explicitly touched on her alleged rape. Vladimirov also exaggerated her history as a radical while glossing over her actual political convictions, which annoyed the SRs almost as much as the conservatives and the authorities. Spiridonova herself repudiated Vladimirov’s account.


PANNA MARIA, TEXAS

28 57' 29" N, 97 53' 50" W (28.958056, -97.897222)
FM 81 just off Hwy 123
5 miles W of Helena
N of Karnes City & Kenedy
60 miles SE of San Antonio
Population: 96 est.

Book Hotel Here › San Antonio Hotels

Approaching Panna Maria
Photo courtesy Barclay Gibson , May 2013

Panna Maria Topics:

Oldest Permanent Polish Colony in America.

Panna Maria, Texas

History in a Pecan Shell

Panna Maria is polish for Virgin Mary. It is the oldest permanent Polish settlement in the entire U.S.

A Polish missionary Father Leo Moczygemba had been preaching to scattered immigrants around Bandera Texas in the 1840s. After witnessing the successes of his German parishioners, he decided that his fellow Poles would thrive in Texas as well. He wrote back to his father in Silesia.

Father Moczygemba bought land from a banker in San Antonio named John Twohig with church money and set aside parcels for the school, church and the immigrants too poor to afford their own farms. Twohig saw them coming and sold them land at inflated prices. Land that was selling in other parts of Karnes County for 1.50 an acre were sold to the Poles for close to 6.00 per acre.

The historic Panna Maria Oak
& Immaculate Conception Church
Photo courtesy Barclay Gibson , May 2013
More Texas Historic Trees

Photo courtesy Barclay Gibson , May 2013

L - The children's watering trough
R - BBQ Pit counter-weights
TE Photo, May 2001

Panna Maria Landmarks & Photo Gallery

Pilarczyk Store
The Panna Maria Historical Society & Visitor's Center
13780 N. FM 81
Recorded Texas Historic Landmark
Photo courtesy Barclay Gibson , May 2013

Pilarczyk Store

Panna Maria Post Office, TX 78144
The First Store in Panna Maria
13870 N. FM 81
Photo courtesy Barclay Gibson , May 2013
More Texas Post Offices | Texas Stores

First Store in Panna Maria

Built in 1855 used as a storeroom for landlord's share of Panna Maria crops. The landlord, John Twohig, a devout Catholic, set aside one room of store for the church and school. Owned and operated by the Snoga family since 1918.
Recorded Texas Historic Landmark - 1966

Panna Maria Cemetery
Photo courtesy Barclay Gibson , May 2013

Panna Maria Cemetery

To get to the Panna Maria Cemetery, go just south of the church to the large white community buildings and turn West. The road will lead straight to the cemetery gate after about a quarter mile.

The oldest part of the cemetery is obvious due to the taller and more elaborate tombstones.

L - Tombstone with Sculpture
R - At least one grave testifies that Polish immigrants did play a role in the Civil War
TE Photo, May 2001

Photo courtesy Barclay Gibson , Feb. 2011

Immaculate Conception Church Sanctuary
Photo courtesy Barclay Gibson , May 2013
More Texas Churches

Panna Maria historic oak with support
Photo courtesy Barclay Gibson , Feb. 2011

Panna Maria Centennial marker
Photo courtesy Barclay Gibson , Feb. 2011

Town of Panna Maria

Panna Maria Centennial marker
Photo courtesy Barclay Gibson , Feb. 2011
More Texas Centennial

Panna Maria Silo Sign
Photo courtesy Barclay Gibson , Feb. 2011
More Texas Silos

Photo courtesy Barclay Gibson , May 2013

L - This building was the first Polish house in Panna Maria (c. 1858) The steep roof was a Silesian design to prevent the accumulation of snow.
R - A house on main street
TE Photos, May 2001


ExecutedToday.com

September 11th, 2009 Headsman

On this date in 1941, as Nazi armies surged into the USSR, the Soviet NKVD summarily executed a reported 157 prisoners held in the soon-to-be-Nazi-occupied city of Oryol (Orel).



Most prominent among them were:

    , a pol in the 1920’s, she was the sister of recently-murdered Communist heretic/Stalin gadfly Leon Trotsky, and she was the widow of executed Old Bolshevik Lev Kamenev. , internationalist Bulgarian revolutionary turned Soviet diplomat. Rakovsky, Dmitry Pletnyov and Sergei Bessonov had been the only three to avoid execution at the Trial of the 21, one of Stalin’s red-letter purges. But all three were shot together this day.
  • Prominent Left SR Maria Spiridonova, a revolutionary who had taken four decades of beatings from tsarist and Bolshevik alike, and who Emma Goldman saluted as “one of the most sincere, well-poised, and convincing” opponents of the Soviet regime.

Many other political transgressors less memorable than these went along with them, leftover targets of opportunity from a generation’s internecine purges and counterpurges.

Why bother to spend the resources evacuating an enemy of the people? By this time, Operation Barbarossa was nearly three months old, and mass prisoner executions ahead of the advancing Germans were a practiced art. One difference this day: this hecatomb was not in the western Soviet Republics, but in Russia proper.

In the autumn of 1941, the Left SRs Spiridonov, Izmailovich, and Mayorov, the Maximalist Nestroyev, and the SR Timofeyev were among the 157 prisoners shot in the Medvedevsky woods. (A Century of Violence in Soviet Russia

As many of them might have been denounced as “fascist” in their time for not hewing the correct revolutionary line, one doubts they would have enjoyed any more comfortable treatment at the hands of the Wehrmacht, which overran Oryol on Oct. 3.


5 radical Russian women who dedicated their lives to overthrowing the Tsar

Imagine a cute and polite 90-year-old Russian babushka who looks like she can feed you to death with her delicious pies. Then add to this the following: creating an illegal socialist party, plotting terror attacks, and spending a third of her life in prisons and in exile. Meet Catherine Breshkovsky, also known by her nickname: &ldquothe Granny of the Russian Revolution.&rdquo

Though born to a noble family, Breshkovsky wanted to free the Russian peasantry from the country&rsquos oppressive social system, and she propagandized revolution among peasants starting at the age of 30. Her efforts met with failure, however, when the peasants, who were unwilling to rebel, ratted her out to the authorities. After several years in prison, Breshkovsky co-founded the Socialist Revolutionary Party (the SRs) and began making terror attacks against government officials.

Breshkovsky was eventually apprehended and spent 1907-1917 in exile. Only the Revolution of 1917 set her free. Nevertheless, &ldquoGranny&rdquo hated the Bolsheviks, so she was forced to emigrate after they seized power.

Vera Zasulich (1851 &ndash 1919)

In 1877, St. Petersburg Governor Fyodor Trepov ordered the flogging of a political detainee, which was an extremely outrageous and unlawful punishment even in 19th century Russia. Today, Trepov would face a protest demonstration, but back then the means of civilian protest were a bit more direct. A young woman named Vera Zasulich came to Trepov&rsquos residence and shot him twice.

As Trepov was highly unpopular and survived the attempt, the jury excused Zasulich. Nevertheless, she had to leave Russia: the government, which was shocked by the jury&rsquos decision, wanted to arrest her again. Living abroad, she gave up violent means of struggle, and became one of the first Russian Marxists, writing articles and inspiring the people to rise against their oppressors.

Sophia Perovskaya (1853 &ndash 1881)

On March 1, 1881, a bomber fatally wounded Emperor Alexander II, whose cortege was moving across St.Petersburg. Seconds before that, a young woman had waived her handkerchief signaling the tsar&rsquos route and giving a command to the bomber. It was Sophia Perovskaya, a former aristocrat who left her family and joined a revolutionary terror cell.

Angry with social injustice in Russia, Perovskaya joined the socialist organization, Narodnaya Volya (People&rsquos Will). They believed that the death of Emperor Alexander II would shatter the image of his godlike power and push the nation towards constitutional reform.

Such logic was quite naive, and the next emperor, Alexander III, only tightened the screws. Perovskaya, along with four other key members of Narodnaya Volya, was caught, sentenced and executed by hanging. She regretted nothing, even writing in a letter to her mother: &ldquoBelieve me, dearest Mommy&hellip I have lived as my convictions compelled me I couldn&rsquot do otherwise.&rdquo

Nadezhda Krupskaya (1869 &ndash 1939)

&ldquoBehind every great man there&rsquos a great woman,&rdquo they say. In the case of Vladimir Lenin, who led the October Revolution in 1917 and determined Russia&rsquos future for at least 70 years, his faithful spouse, Nadezhda Krupskaya, was the great woman behind him.

They met in an illegal socialist circle in St. Petersburg, survived exile and years of emigration together, and then returned to Russia in 1917. Throughout their marriage, Krupskaya remained an active member of the Bolshevik Party and worked hard, encrypting all of her husband&rsquos letters and organizing the undercover work of radical Marxists in Russia.

Her life never was an easy one. Suffering from an incurable genetic disease, Krupskaya lost her beauty too soon and couldn&rsquot have children. She never complained, however, and kept on with her duty. When the Soviets came to power, she worked in the government and participated in establishing the Soviet educational system. Outliving Lenin by 15 years, Krupskaya always remained faithful to him and protected his legacy.

In case you&rsquore interested, we have a separate article dedicated to this outstanding woman.

Maria Spiridonova (1884 &ndash 1941)

American journalist John Reed called Maria Spiridonova, the young leader of the left-wing SRs in 1917, &ldquothe most popular and influential woman in Russia.&rdquo In those ruthless times, popularity had a terrible price, however. And Spiridonova paid the price, both before and after the Revolution.

In 1906, 22-year-old Spiridonova killed a government official who was infamous for violently suppressing peasant revolts. She tried to shoot herself to avoid capture but failed. The Cossacks arrested Spiridonova, beat and raped her. The court sentenced her to hard labor in Siberia, where she spent the next 10 years.

After the Revolution prevailed in 1917, Spiridonova, unbroken and admired for her struggle, led the left-wing SRs in St. Petersburg. For several months, her party worked closely with the Bolsheviks, but then she criticized them harshly for suppressing freedoms and betraying the Revolution.

Predictably, that didn&rsquot turn out well. The Bolsheviks outlawed her party, arrested her and banned her from politics, exiling her to Uzbekistan. In 1937 she was arrested again and imprisoned. In 1941, Soviet guards shot her, carrying out Joseph Stalin&rsquos order.

Se usar qualquer conteúdo do Russia Beyond, parcial ou totalmente, sempre forneça um hiperlink ativo para o material original.


ExecutedToday.com

September 12th, 2009 Headsman

General de Maud’huy had just been roused from sleep on the straw of a shed and was standing in the street when a little group of unmistakable purport came round the corner. Twelve soldiers and an NCO, a firing party, a couple of gendarmes, and between them an unarmed soldier. My heart sank and a feeling of horror overcame me. General de Maud’huy gave a look, then held up his hand so that the party halted, and with his characteristic quick step went up to the doomed man.

He asked what he had been condemned for. It was for abandoning his post. The General then began to talk to the man. Quite simply, he explained discipline to him. Abandoning your post was letting down your pals, more it was letting down your country that looked to you to defend her. He spoke of the necessity of example, how some could do their duty without prompting but others, less strong, had to know and understand the supreme cost of failure. He told the condemned man that his crime was not venial, not low, and that he must die as an example, so that others should not fail. Surprisingly, the wretch agreed, nodding his head. He saw a glimmer of something, redemption in his own eyes, a real hope, though he knew he was about to die. Maud’huy went on, carrying the man with him to comprehension that any sacrifice was worthwhile while it helped France ever so little. What did anything matter if he knew this? Finally, de Maud’huy held out his hand: ‘Yours also is a way of dying for France,’ he said.

The procession started again, but now the victim was a willing one. The sound of a volley in the distance announced that all was over. The general wiped the beads of perspiration from his brow, and for the first time perhaps his hand trembled as he lit his pipe.


Assista o vídeo: Maria Nikolaevna 1914 Coloring (Dezembro 2021).