Em formação

A Casa do Veado em Herculano

A Casa do Veado em Herculano


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.


Visitando Herculano: Pompeii & # 8217s Overlooked Neighbouring

Herculano (Ercolano em italiano) é decididamente menos famosa do que a vizinha Pompéia, embora seja uma visita igualmente interessante (alguns diriam ainda mais interessante) do ponto de vista do turista. Esta cidade romana, significativamente menor que Pompéia, já foi uma estância balnear e uma cidade portuária comercial com habitantes muito ricos.

& gt & gt Para um quadro histórico mais completo, leia este História de Herculano

O que o torna indiscutivelmente mais interessante para visitar hoje é seu tamanho menor (mais fácil ver tudo em algumas horas) e suas ruínas incrivelmente bem preservadas (a destruição da cidade na década de 8217 foi causada por detritos vulcânicos diferentes de Pompéia e Herculano foi melhor preservado). Na verdade, Herculano permanece menos escavado do que Pompéia. Pompéia era um local mais fácil de trabalhar para os arqueólogos quando os locais foram descobertos no início dos anos 1700, tanto de Herculano ainda está sendo descoberto hoje.

Um dos tesouros de Herculano é sua biblioteca na Vila dos Papiros, que, devido à forma como as cinzas e a lama do Monte Vesúvio atingiram a cidade, é a única biblioteca da época que sobreviveu. Os pergaminhos que antes enchiam as prateleiras da biblioteca e # 8217s agora são armazenados na Biblioteca Nacional de Nápoles. A grande maioria deles está, infelizmente, bastante danificada & # 8211, mas alguns foram desenrolados e digitalizados.

O que ver em Herculano

Em Herculano, siga o caminho em direção ao Quiosque de AudioGuia e vire à esquerda em um longo túnel que leva ao que já foi a praia da cidade, lembrando que Herculano foi enterrado sob quase 18 metros de lama fervente. Deste ponto de vista, você pode apreciar claramente até que ponto a cidade foi aniquilada.

Na década de 1980, centenas de corpos foram descobertos entre os arcos embutidos nas paredes da cidade (áreas de armazenamento de barcos) e a parede de pedra vulcânica através da qual o túnel de entrada fica enterrado. Acredita-se que as pessoas que fugiram da cidade se aglomeraram aqui na esperança de que os arcos fornecessem proteção contra o vulcão.

Não perca os banhos romanos. Sob os degraus que você deu para descer aos banhos, observe a madeira original carbonizada durante o desastre.

A Casa dos Veados (Casa dei Cervi) tem o nome de estátuas de cervos sendo atacados por cães no pátio. As estátuas originais agora estão alojadas no Museu Arqueológico de Nápoles.

Dicas adicionais de herculano

Sapatos de caminhada ou de salto baixo são altamente recomendados. Além disso, em climas mais quentes, você pode trazer sua própria garrafa de água. Para quem tem filhos muito mais novos, aconselho um carregador tipo mochila, se o seu carrinho não for pesado e for até as antigas estradas romanas. Reserve 2 a 3 horas para visitar o local.

Eventos especiais

Informações do visitante de Herculano

Horas
Novembro a março, todos os dias das 8h30 às 17h (última admissão às 15h30)
Abril a outubro, todos os dias das 8h30 às 19h30 (última admissão às 18h00)
& gt & gt Herculano está fechado: 1º de janeiro, 1º de maio, 25 de dezembro

Ingressos
Bilhete único: & euro11, válido por 1 dia
Acesso a 5 locais (Herculano, Pompéia, Oplontis, Stabiae, Boscoreale): & euro20, válido por 3 dias
& gt & gt Os titulares de ArteCard participam gratuitamente ou com 50% de desconto, dependendo do tipo de cartão adquirido. Visite o site ArteCard para mais detalhes.

Como chegar a Herculano

De trem:
Circumvesuviana Napoli-Sorrento ou Napoli-Poggiomarino ou Napoli-Torre Annunziata (Stop Ercolano)

De carro:
Autostrada A3 Napoli-Salerno (saída Ercolano)


A villa é reconhecida hoje como um dos edifícios mais importantes preservados pela erupção vulcânica

Os tesouros da extraordinária Villa dei Papiri ou Villa dos Papiros foram agora exibidos na Getty Villa em Malibu, Los Angeles. Encomendado pelo bilionário do petróleo J Paul Getty no início da década de 1970, o museu foi modelado com base na planta da própria villa antiga. Pela primeira vez, portanto, é possível visualizar o conteúdo da casa em um ambiente inspirado no ambiente original.

A Villa dos Papiros, que se acredita ter sido construída entre cerca de 40 e 20 AC, ocupava mais de 20.000 m² (220.000 pés quadrados) e dava para o mar. Tinha uma grande piscina, jardins e um extenso "peristilo" ou passarela coberta cheia de esculturas, incluindo dois atletas de bronze requintados capturados como se estivessem na linha de partida de uma corrida. O mais intrigante de tudo era a biblioteca que, embora modesta em comparação com as outras salas, continha mais de 1000 rolos de papiro.

Uma reconstrução digital da Villa dei Papiri (Crédito: Museo Archeologico Virtuale di Ercolano)

Embora a vila seja reconhecida hoje como um dos edifícios mais importantes preservados pela erupção vulcânica, seus primeiros escavadores, alguns dos quais eram condenados convocados para a tarefa, nem sempre estavam cientes do significado do que estavam vendo. Os rolos foram carbonizados pelos fluxos piroclásticos a tal ponto que se assemelhavam a casca de árvore. Eles estavam tão enegrecidos, na verdade, que vários foram usados ​​como combustível na crença errônea de que eram carvão ou toras. Foi só quando alguém deixou cair um para expor a escrita dentro que eles perceberam o que haviam encontrado.

Embora muitos esqueletos tenham sido recuperados das lojas de barcos de Herculano, nenhum corpo foi encontrado na Vila dos Papiros, que ainda está parcialmente não escavado. Talvez seus residentes tenham escapado a tempo. Embora a identidade de seu proprietário final não seja conhecida, acredita-se que a villa tenha pertencido ao sogro de Júlio César, Lúcio Calpúrnio Piso Césonino, no século anterior à erupção.

Vivendo uma boa vida

Um senador de sucesso, Piso teve a infelicidade de cair em desgraça com Cícero, a quem ele falhou em proteger de ser enviado para o exílio. Consequentemente, ele entrou para a história como o bêbado ineloquente e autocongratulatório com "bochechas eriçadas" e "dentes podres" que Cícero caricaturou. Piso serviu como cônsul ou magistrado de Roma, e também como governador da Macedônia, mas, segundo Cícero, era tão ganancioso que “não deixou uma única imagem, quadro ou adorno em qualquer lugar público ou religioso”.

Acredita-se que a villa tenha pertencido ao sogro de Júlio César, Lucius Calpurnius Piso Caesoninus (Crédito: Museu Getty)

A casa de Piso, que poderia ter passado para seu filho - e talvez depois para um neto - com muitos de seus pertences ainda no lugar, era certamente rica em obras de arte. Entre as dezenas de bronzes e mármores descobertos na Vila dos Papiros estão algumas das peças mais célebres do mundo romano. No terraço inferior havia um belo busto de retrato de uma amazona, e no peristilo (alpendre), entre muitas outras esculturas, estavam o Sátiro Bêbado e uma representação do deus silvestre Pã fazendo sexo com uma cabra. O último deles foi considerado tão picante no século 18 que era necessário solicitar para vê-lo em particular.

Piso tinha um interesse particular pela filosofia epicurista grega. Exibida em sua villa estava uma escultura de bronze de um porco saltador em referência ao fato de que os epicureus foram apelidados de "porcos" por não epicureus. Centenas de anos antes, Epicuro ensinara seus seguidores a aspirar a viver uma vida confortável, sem dor e medo. O poeta Horácio orgulhosamente se declarou “um porco radiante bem alimentado e bem criado do chiqueiro de Epicuro”. Os habitantes da Vila dos Papiros parecem ter vivido uma vida boa.

Piso era o patrono de um filósofo e poeta epicurista chamado Filodemo, que originalmente veio de Gadara, na Jordânia moderna. A maioria dos rolos encontrados na biblioteca da Vila dos Papiros foi escrita em grego e continha obras da filosofia epicurista, muitas delas do próprio Filodemo.

A casa de Piso era rica em obras de arte - incluindo uma escultura de um Sátiro Bêbado e uma representação do deus Pan fazendo sexo com uma cabra (Crédito: Museu Getty)

“Esta parece ter sido a biblioteca profissional de Filodemo”, disse Kenneth Lapatin, curador do Departamento de Antiguidades da Getty Villa, à BBC Culture. “É uma biblioteca filosófica muito especializada.”

“Isso nos dá uma visão sobre a visão dos romanos sobre seus predecessores gregos. É fascinante que os primeiros escalões do poder romano estivessem interessados ​​no que hoje nos parece obscuro. ”

Outros textos encontrados na biblioteca da villa incluem vários livros de Epicuro, Sobre a Natureza, os escritos de um filósofo estóico chamado Crisipo e partes do De Rerum Natura, um poema epicurista do escritor latino Lucrécio. Cerca de metade dos pergaminhos encontrados, no entanto, ainda estão selados. Dado que Filodemo conhecia Horácio e Virgílio, é possível que mais obras literárias ainda estejam esperando para serem reveladas. O desafio é como fazer isso sem destruí-los no processo.


Locais romanos menos conhecidos para visitar em Roma

As ruínas subterrâneas do século 16 do Palazzo Valentini

Se você seguir as escadas que levam para baixo do Palazzo Valentini, uma estrutura renascentista que abriga escritórios do governo que fica ao norte do Fórum, você chegará a uma série de câmaras subterrâneas.

De pé sobre pisos de vidro em cada quarto, você olha para os restos escavados da casa de um aristocrata romano. Descoberto apenas em 2005, quando um estacionamento estava sendo construído, os quartos da casa foram virtualmente reconstruídos com som e iluminação.

Você entra em cada sala em sucessão enquanto um comentário de áudio em inglês é reproduzido. No início, você está no escuro, incapaz de ver os arredores. Então, conforme o guia de áudio explica o que a sala originalmente continha ou para a qual era usada, as projeções de luz iluminam diferentes recursos.

Mosaicos parcialmente arruinados são "acabados" usando projeções, para que você possa ver imediatamente como esta casa foi ricamente decorada. Noutra divisão, as ruínas de um poço e sistema de rega são reanimadas com projecção de água corrente.

Os showrooms laterais exibem todos os objetos encontrados no local, como cerâmica e capacetes, mas muitos itens foram deixados nos quartos onde foram encontrados.

Em suma, é uma maneira peculiar, bem executada e viva de explorar um local romano doméstico mais íntimo.

Veja um templo romano secreto na Basílica de São Clemente

A Basílica de São Clemente do século 12, Roma

Esta igreja demonstra brilhantemente como a Roma moderna foi gradualmente construída sobre as fundações romanas. A Basílica de São Clemente, localizada a poucas ruas do Coliseu, data do século 12 e se sobrepõe a uma igreja do início do século 4. Caminhar pela sacristia leva às ruínas ainda mais antigas de um templo da era romana até Mitras.

É uma sala de pedra rígida e de teto baixo. Ouça com atenção e poderá ouvir o som de água corrente de um aqueduto construído pelos romanos nas proximidades. No meio da sala, há um altar simples esculpido com um relevo do deus de origem persa Mitras matando um touro.

A sala em si não era tanto um templo, mas um lugar para banquetes rituais. O mitraísmo era um culto misterioso exclusivamente masculino que fazia uso de ritos de iniciação e tinha seguidores clandestinos no mundo romano. Hoje, pouco se sabe sobre isso. Adoradores normalmente se reuniam em cavernas ou câmaras subterrâneas, fora da vista do público. É de alguma forma apropriado, então, que mesmo nos tempos modernos este templo permaneça escondido da vista.

Visite os antigos banhos romanos de Caracalla em um passeio de Vespa

As Termas de Caracalla, do século 2, as segundas maiores de Roma

Um vasto complexo de torres de tijolos vermelhos em ruínas e arcos no sudoeste de Roma, você precisará usar sua imaginação para ter uma ideia de como eram originalmente essas termas (banhos públicos). Um bom guia saberá explicar todos os diferentes elementos do ritual do banho romano, desde o calidarium circular e húmido (sala de vapor quente) ao natatio (piscina ao ar livre).

O tamanho dos banhos realmente me impressionou: o local supera alguns dos prédios do Fórum. Também continha uma biblioteca pública e um ginásio (mais & mdash curiosamente & mdash outro templo escondido de Mithras).

Os banhos estão situados um pouco fora do centro de Roma, e uma ótima maneira de vê-los é em um passeio de Vespa. No caminho, o motorista o levará por muitos outros locais romanos, desde o Circo Máximo, onde aconteciam corridas de bigas, até os vestígios de paralelepípedos da Via Appia, uma das estradas romanas mais importantes do ponto de vista estratégico.


Slides dos anos 60 de Herculano

Ao limpar a casa dos meus avós & # 8217, alguns anos atrás, encontrei sete pacotes desses slides para turistas dos anos 60 de vários lugares ao redor do Mediterrâneo. Eu estive digitalizando e restaurando-os. Primeiro, esses de Herculano.

Herculano é uma pequena cidade costeira perto de Pompéia que também foi destruída pelo vulcão. Não é tão conhecido, mas há algumas vilas magníficas em um parque arqueológico semelhante, porém menor, ao que você pode visitar em Pompéia. Parte do local também é coberta pela moderna cidade de Ercolano, ao contrário de Pompéia. (Um subproduto estranho de estudar os Clássicos é que você acaba sabendo muito sobre as pequenas cidades da Campânia).

Desde a era das câmeras de smartphone de boa qualidade, as pessoas não percebem quantos cálculos e ajuda técnica estão acontecendo em segundo plano para fornecer imagens melhores. Nos anos 60 você tinha que saber o que estava fazendo com exposições, lentes e filme para tirar boas fotos, então havia um grande mercado nesses pacotes de slides para turistas. Por que tirar suas próprias fotos incompetentes quando você poderia comprar um pacote de fotos profissionais.

Eles ainda não haviam acertado em cheio a fórmula do filme colorido para o consumidor naquela época, então, com o passar dos anos, os azuis e verdes desbotam, deixando tudo rosa e laranja. Às vezes, os slides parecem realmente surreais e legais com essas cores, mas, na maioria das vezes, parecem apenas turvos, então eu corrigi as cores no Photoshop. Considerei apenas selecionar algumas, mas há apenas 36 imagens no pacote, então irei postá-las todas com as informações dos slides sobre o que são. Muitas das casas receberam nomes de arqueólogos com base na decoração interna.

Resultado bruto da digitalização - uma das imagens que gosto está em rosa, no entanto

Depois que as cores forem restauradas ao original, o corredor central (átrio) de uma casa mais rica. As paredes teriam originalmente gesso e murais

A palaestra & # 8211 é a área externa da academia pública para a prática de esportes como boxe e luta livre. Este foi um dos slides em pior estado.

Restos de murais em um santuário dedicado ao imperador Augusto. No momento da explosão, Tito acabara de se tornar imperador depois que seu pai, Vespasiano, morreu de diarréia. O próprio Tito morre dois anos depois de doença para ser substituído por seu profundamente impopular irmão Domiciano. Tão impopular, ele foi o último membro de sua dinastia.

Estátuas da & # 8220House of the Deer & # 8221

Murais de parede desbotados da sala de jantar da Casa do Veado. Essas pessoas tinham dinheiro. Os pobres romanos viviam em apartamentos e comiam em restaurantes e pubs. Três ou mais sofás com almofadas teriam sido dispostos em torno de mesas baixas centrais (portanto triclínio para sala de jantar em latim). Para o entretenimento, a comida seria servida como canapés, comidos relaxantes nos sofás. Comer sentado à mesa era um sinal de que você estava com pressa e que ninguém era importante.

Mosaicos da sala de jantar na & # 8220House of Neptune & # 8221. Os romanos priorizaram o orçamento de decoração da sala de jantar porque é onde os hóspedes passam a maior parte do tempo.

Vista da rua. As casas romanas foram projetadas para parecer deliberadamente enfadonhas do lado de fora, para desencorajar os ladrões e manter o calor do lado de fora. A luz entrou pelo pátio central. Você ainda pode ver muitas casas com o mesmo design em Marrocos.

Estátuas mais caras na Casa dos Veados. Eu limpei todas as outras manchas de tinta verde das lâminas, mas deixei esta porque me fez rir.

Pátio da Casa do Friso de Telephus

A sala de jantar da Casa de Netuno novamente.

Terraço na Casa do Veado

Entrada para a academia pública

Tablinum- um escritório doméstico. Frequentemente decorado com esculturas ou pinturas de membros da família. Era para lá que os visitantes de negócios eram levados para as reuniões.

Outro jardim de peristilo chique. Em algumas das casas em Pompéia, eles testaram o solo e replantaram as mesmas plantas que teriam crescido em 79 DC no jardim.

Vestiários femininos nos banheiros. Você poderia pagar a alguém para ficar de olho nas suas coisas nessas prateleiras. Em Bath, havia uma tradição de escrever maldições em pedaços de chumbo e jogá-los na fonte sagrada para se tornarem realidade. Os arqueólogos têm pescado muito, amaldiçoando as pessoas que roubaram suas roupas nos vestiários.

Outro grande pátio. O telhado era aberto no centro e a piscina enchia-se de água da chuva. Algumas casas tinham uma fonte aqui. Essa alcova teria um santuário para os espíritos domésticos e ancestrais.

Murais de parede nos banhos. A maioria dos romanos de graça ia todos os dias & # 8211 era barato e muitas vezes os políticos tentavam comprar votos patrocinando dias de entrada gratuita. Geralmente havia natação, salas de vapor, banheiras de hidromassagem, sauna e massagens disponíveis (junto com outros serviços).

Grande jardim peristilo na Casa de Argus & # 8211 uma das maiores vilas da cidade. Quando os restos mortais foram originalmente descobertos na década de 1820, a varanda do andar de cima ainda estava no lugar, mas desde então caiu.

Outra vista de rua, com andar superior reconstruído em uma das casas. A maioria dessas casas teria porteiro, provavelmente com um cachorro.

Zona da pérgola no jardim da Casa do Veado

Hall da casa do Friso de Telephus & # 8211 originalmente teria um telhado (com uma abertura para permitir a entrada de água e luz).

Estátua de sátiro da casa do veado. Olhe para sua capa de pele de leopardo e sua bolsa de pele de cabra cheia de vinho. Ele está pronto para a festa.

Outro corredor em ruínas - você pode ver o tamanho da casa de fora. Este foi provavelmente o slide mais danificado.

o caldário & # 8211 a sala quente nos banhos. A ordem usual era relaxar na sala quente, em seguida, cobrir-se com azeite de oliva e suar bem na sala quente, e raspar o óleo sujo tirando a sujeira da pele antes de dar um mergulho refrescante na piscina fria ou um nadar na piscina. (Repita como quiser)

Pátio central de uma casa com mais sobreviventes do nível superior. Quartos romanos (cubículo) eram geralmente pequenos e escassamente decorados. O orçamento de decoração foi economizado para salas públicas no andar de baixo.

Sala quente das mulheres nos banhos. Esses banhos tinham instalações separadas para homens e mulheres, mas após o primeiro século DC muitos eram misturados.

Rua de grandes vilas. Mais uma vez, tudo está do lado de dentro.

Fonte da rua e vestígios de algumas lojas e oficinas. Havia poços e fontes públicas alimentadas pelos aquadutos para uso de todos, e as pessoas mais ricas tinham encanamento doméstico. Infelizmente, muitos tubos eram feitos de chumbo.

Vista do pátio da House of the Deer & # 8211, este é um dos meus slides favoritos.

Escultura de cobra no ginásio.

UMA termopólio & # 8211 um take-away romano & # 8211 aqui é onde as pessoas comuns iriam comer. Os orifícios são potes de armazenamento. Muito vinho quente, pratos de lentilha e grão de bico, queijos assados ​​e um prato parecido com pizza no cardápio. Com abundância de garum& # 8211 molho de peixe para regar tudo (é praticamente idêntico ao molho de peixe tailandês moderno). Sem tomate, sem pimentão, sem frutas cítricas ou batatas, tudo isso ainda estava por vir. As pessoas pobres não comiam muita carne, era caro. Uma boa fonte eram os sacrifícios nos templos, se conseguissem. Convenientemente, a parte que os deuses gostavam dos animais sacrificados era a cartilagem e os ossos, deixando a congregação livre para comer o resto.


A Casa do Veado em Herculano - História

Casa dos Veados: Herculano - Notícias por www.guide-campania.it

POMPEII
& raquo Anfiteatro
& raquo Basílica
& raquo Casa da Caçada Antiga
& raquo Casa de Casca Longus
& raquo Casa Caecilius Jucundus
& raquo Casa do Javali
& raquo Casa de Epidius Rufus
& raquo Casa do Fauno
& raquo Casa da Fonte Grande
& raquo Casa do Chafariz
& raquo Casa de Julia Felix
& raquo Casa de Júlio Políbio
& raquo Casa do Labirinto
& raquo Casa de Loreius Tiburtinus
& raquo Casa de Lucrécio Fronto
& raquo Casa de menandro
& raquo Casa de Paquius Proculus
& raquo Casa do Poeta Trágico
& raquo Casa de Sallust
& raquo Casa de Trebius Valens
& raquo Casa de Vênus
& raquo Quartel do gladiador
& raquo Fórum
& raquo Fórum Triangular
& raquo Grande Palaestra
& raquo Lupanar (bordel)
& raquo Schola Armaturarum
& raquo Teatro Grande
& raquo Odeion
& raquo Templo de Apolo
& raquo Templo de Ísis
& raquo Banhos de fórum
& raquo Vila dos Mistérios
HERCULÂNEO
& raquo Casa de Argus
& raquo Casa do Albergo
& raquo Casa do Mosaico Átrio
& raquo Casa do Opus Craticium
& raquo Banhos Termais
& raquo Hall of Augustals
& raquo Basílica
& raquo Fórum
& raquo Casa do Bicentenário
& raquo Casa do lindo pátio
& raquo Casa de Netuno e Anfitrite
& raquo Casa dos Veados
& raquo Banhos suburbanos
& raquo Palestra
& raquo Vila do Papiro

COSTA AMALFI
& raquo Positano
& raquo Praiano
& raquo Furor
& raquo Conca de Marini
& raquo Amalfi
& raquo Ravello
& raquo Atrani
& raquo Minori
& raquo Maiori
& raquo Erchie

NÁPOLES
& raquo Igreja de Santa Chiara
& raquo Igreja S. Domenico M.
& raquo Catedral de nápoles
& raquo Spaccanapoli
& raquo Museu Arqueológico
& raquo Galeria Capodimonte
& raquo Certosa de San Martino

ILHA DE CAPRI
& raquo Capri
& raquo Anacapri
& raquo Gruta Azul

CAMPOS DE PHLEGRAEAN

& raquo Pozzuoli
& raquo Solfatara
& raquo Cuma

Ajude-nos a encontrar outros viajantes gays em seu navio de cruzeiro para um ótimo tour gay compartilhado apenas para você !!

Casa dos Veados
Ruínas de Herculano

Nomeado após as estátuas de mármore encontradas em seu jardim de peristilo, foi amplamente remodelado antes da erupção do Vesúvio em 79 DC. Seu layout foi projetado para tornar suas vistas espetaculares do mar uma característica da casa tanto quanto sua arquitetura. A casa dos veados foi escavada por Maiuri entre 1929-1932. Seu último proprietário foi identificado como um Q Granius Verus pelo selo de um pão encontrado preservado na casa. Os Granii eram uma família de comerciantes bem-sucedidos.

Maiuri identificou uma grande villa de elite. A casa parece ter sido construída durante o reinado do imperador Augusto ou Cláudio. Foi completamente remodelado não muito antes da erupção do Vesúvio em 79 DC. A única parte original da casa que permaneceu foi o átrio. O resto da casa foi completamente redesenhado para ligar uma série de quartos e espaços interligados com as espectaculares vistas para o mar que a villa desfrutava.

Reserve o nosso Excursões terrestres para Pompeia, Capri, Nápoles, Costa Amalfitana e Você verá e fará mais do que as excursões em terra dos grandes ônibus oferecidas pelas linhas de cruzeiro, além de desfrutar de uma experiência mais íntima dos pontos turísticos e locais visitados. E você PAGARÁ MENOS do que o preço das excursões em terra dos grandes ônibus oferecidas pelas linhas de cruzeiro.

Nossas excursões terrestres privadas podem ser personalizadas para atender às suas necessidades específicas.

Preços com desconto oferecidos quando você reserva duas ou mais excursões em navio de cruzeiro. Oferecemos excursões terrestres partindo dos portos de Civitavecchia, Livorno, Sorrento e Nápoles que partem diretamente de seu navio de cruzeiro.

Crie connosco as suas férias perfeitas! Quaisquer que sejam suas necessidades individuais, você pode ter certeza de que somos especialistas em projetar um itinerário pessoal na Itália, feito sob medida para suas necessidades. Seu itinerário será adaptado de acordo com o tempo que você tem disponível para viajar, suas preferências de passeios turísticos, quantas refeições você gostaria que fossem incluídas e, o mais importante, seu orçamento. Deixe-nos descomplicar o planejamento de suas férias, aconselhando-o sobre as rotas mais pitorescas e com as conexões mais rápidas para economizar seu tempo. Além do mais, você pode ajustar nossas propostas iniciais, fazendo todos os ajustes de que precisa, para que sejam realmente as férias de sonho perfeitas, projetadas exclusivamente para você.


Tales of Telephus

Na mitologia grega, Telephus (também Telephos - que significa "brilhante") era filho de Auge, uma sacerdotisa de Atenas que foi estuprada por Hércules. Quando seu pai, o rei Aleus de Tegea, soube de sua violação, ele tentou se livrar de mãe e filho. Mas eles acabaram na Ásia Menor, na corte de Teuthras, rei da Mísia, onde Telefo foi adotado como herdeiro do rei sem filhos.

Como mãe e filho foram parar na Ásia Menor é explicado em uma variedade de versões. No relato mais antigo existente de um fragmento do "Catálogo de mulheres de Hesíodo, século 6 aC, Auge vai para a Mísia, é criada como filha por Teuthras, estuprada por Hércules quando ele chega em busca dos cavalos de Laomedonte, e Télefo nasce lá. Em alguns relatos, Telephus chega à Mísia como uma criança com sua mãe, onde Teuthras se casa com Auge e adota Telephus. Em ainda outra história, enquanto Auge (de várias maneiras) é entregue à corte de Mysia, onde ela novamente se torna esposa do rei, Em vez disso, Telephus é deixado para trás em Arcádia, tendo sido abandonado no Monte Partenion, por Aleus ou por Auge quando deu à luz enquanto era levada ao mar por Nauplius para ser afogada. No entanto, Telephus é amamentado por um cervo encontrado e criado pelo rei Corythus, ou seus pastores. Buscando conhecimento de sua mãe, Telephus consultou o oráculo de Delfos que o dirigiu para Mysia, onde foi reunido com Auge e adotado por Teuthras.

É esta última versão que encontrou o favor dos romanos em Herculano, onde um afresco retratando Hércules encontrando Telephus amamentado por um cervo, com Arkádia, Pã e ​​um Virgem alado olhando foi recuperado do Augusteum e agora está no Museu Arqueológico Nacional de Nápoles.

Várias peças foram centradas no nascimento de Telephus, incluindo uma tragédia de Sófocles intitulada "Aleadae" (Filhos de Aleus) e uma peça de Eurípedes chamada "Auge", das quais apenas alguns fragmentos sobreviveram. Na peça de Sófocles, contada pelo orador Alcidamas do século IV aC, o pai de Auge, Aleus, foi avisado pelo oráculo de Delfos que, se Auge tivesse um filho, este neto mataria os filhos de Aleus, então Aleus fez de Auge uma sacerdotisa de Atenas, dizendo-lhe ela deve permanecer virgem, sob pena de morte. Mas Héracles passando por Tegea, sendo entretido por Aleus no templo de Atenas, se apaixonou por Auge e enquanto bêbado fez sexo com ela. Aleus descobriu que Auge estava grávida e deu-a a Nauplius para que morresse afogada. Mas, no caminho para o mar, Auge deu à luz a Télefo no Monte Partenion e, de acordo com Alcidamas, Nauplio, ignorando suas ordens, vendeu mãe e filho ao rei de Mísio Teutras, sem filhos, que se casou com Auge e adotou Teleu, e "mais tarde deu-o a Príamo para ser educado em Tróia ". A versão de Alcidamas da história deve ter divergido de Sófocles pelo menos neste último aspecto. Pois, em vez de o infante Telephus ser vendido a Teuthras, como em Alcidamas, um fragmento de Aleadae parece inferir que na peça de Sófocles, o recém-nascido Telephus foi abandonado (no Monte Partenion?), Onde é amamentado por um cervo .

É Sófocles que inclui a conexão com Tróia, onde, eventualmente, Telephus, foi supostamente ferido pelo herói grego Aquiles durante a primeira ofensiva dos gregos contra Tróia.

"O oráculo délfico disse a Telephos que ele só poderia ser curado pela arma ofensiva. Na tentativa de conseguir a ajuda de Aquiles, ele procurou Orestes, o jovem filho de Agamenon, e ameaçou matá-lo. Aquiles finalmente atendeu às súplicas de Telephos e forneceu fragmentos de sua lança que curaram a ferida inflamada. - Museu Metropolitano de Arte

As representações de vários eventos do mito de Telephus foram retratadas em cerâmicas com figuras vermelhas desde 510 aC e em joias gravadas no leste do Jônio desde cerca de 480 aC. Como em Herculano, as cenas que mostravam Télefus sendo amamentado por um veado ou mantendo Orestes como refém eram particularmente populares. As representações romanas de Telephus sendo amamentado por um cervo eram populares durante o século III dC.

Outras cenas incluem seu ferimento ou sua cura por Aquiles. Na Casa de Socorro de Telephus, também de Herculano, vemos um Telephus sentado sendo curado por Aquiles que raspa a ferrugem de sua lança na ferida purulenta.

O mais completo relato da vida de Télefus é retratado no friso de Télefus do primeiro século AEC, um relevo decorativo do Altar de Pérgamo produzido entre 180 e 156 aC, agora reconstruído no Museu Pérgamo em Berlim.


Herculano agora

A melhor visão da cidade seria de cima, você teria uma visão panorâmica de toda a cidade. Herculano era o mais próximo de Monte Vesúvio por aí 6 quilômetros mas foi salvo da destruição direta porque a direção do vento estava na direção Pompéia que estava por perto 10 quilômetros longe. O que causou danos catastróficos, mas indiretamente ajudou a preservar a cidade, foi o grande fluxo piroclástico que cobriu Herculano sob 20 metros de detritos. Algumas das estruturas que você ainda pode ver em Herculano são as seguintes: -

Entrada para Herculano - Os contadores de ingressos estão mais adiante Siga este caminho elevado que na verdade o leva até o local antigo Balcão de ingressos Vista do sítio de Herculano de cima Vista do sítio de Herculano de cima Rianna Observando o Site de Herculano de cima Vista do sítio de Herculano de cima Vista do sítio de Herculano de cima Vista do sítio de Herculano de cima

Pintura de natureza morta romana antiga

Natureza morta com pêssegos e jarra de água (deixou), Natureza morta com bandeja de prata com ameixas, figos secos, tâmaras e taça de vinho (centro), e Natureza morta com ramo de pêssegos, Pintura de parede do Quarto Estilo de Herculano, Itália, c. 62-69 C.E., afresco, 14 x 13 1/2 polegadas (Museu Arqueológico, Nápoles)

Pela Dra. Lea K. Cline / 02.04.2017
Professor Assistente de História da Arte
Illinois State University

Presentes para anfitriãs

Quando eu estava crescendo, minha (adequada, sulista) mãe sempre insistia que eu levasse um presente de anfitriã (um presente de anfitriã é um presente dado ao anfitrião ou anfitriã de um evento por convidados) para os pais de minha amiga quando eu passei a noite em sua casa. Uma adolescente típica, eu a achava irritantemente antiquada. Essa pintura, Natureza-Morta com Pêssegos e Água Jar, prova que ela era antiquada ... realmente antiquada. Acontece que a prática de presentear as anfitriãs remonta aos antigos gregos na antiguidade, embora fosse o anfitrião - não o convidado - que apresentava os presentes. Este pequeno afresco é um exemplo de como os romanos jogavam o jogo da anfitriã e como essa generosidade foi capturada por antigos artistas romanos.

Casa dos Veados, Herculano

Arqueólogos descobriram Natureza morta com pêssegos e jarra de água na Casa dos Veados em Herculano, outrora uma cidade rica e litorânea na baía de Nápoles, a apenas alguns quilômetros ao norte de Pompéia. Como Pompéia, Herculano foi destruída pela erupção do vizinho Monte Vesúvio em 24 de agosto de 79 EC. A Casa dos Veados, em homenagem a duas esculturas de veados (ou cervos machos) encontrados em seu peristilo (um peristilo é uma fileira de colunas ao redor O perímetro da edificação ou jardim do pátio, estava entre as casas mais chiques da cidade, orientadas para aproveitar ao máximo a vista panorâmica do mar de Herculano. Archaeologists believe that the house was owned by the wealthy merchant Q. Granius Verus since his stamp was discovered on a loaf of bread, amazingly preserved by the volcanic ash, unearthed in the house. (Stamping bread was a common practice because Roman houses, unlike most modern houses, did not have private ovens. Ovens were dangerous and hot so most Romans took their bread out for baking after preparing the dough at home. You stamped your loaf so it would not get mixed up in the ovens or claimed by someone else.)

House of the Stags, Herculanum (photo: Cornell University)

We cannot be sure whether the family of the Granii were the original builders of the house (likely during the reign of the emperor Claudius, from 41-54 C.E.) but they seem likely to have undertaken a major renovation not long before Mt. Vesuvius erupted. In the years immediately preceding the destruction of Herculaneum, all 25 rooms in the House of the Stags were repaired and redecorated in the newest style of painting—the Fourth Style only the old atrium, with its historic frescoes, remained untouched as a sign of the house’s historic importance. So, although the house survives today only as a ruin, when the Granii family woke up on that fateful morning in 79 C.E., they would have experienced a home resplendent with freshly painted walls and colorful mosaic floors, terrace fountains filling the spaces with the sound of trickling water, and gardens filling the house with wafts of sweet fragrance carried in by the sea air. It is too bad the day did not end as nicely.

Still Life with Peaches and Water Jar, detail of a Fourth Style wall painting from Herculaneum, Italy, c. 62-69 C.E., fresco, 14 x 13 1/2 inches (Archaeological Museum, Naples)

Still Life with Peaches and Water Jar was one small part of this house’s decorative scheme, not meant to be seen in isolation. It was part of a series of at least ten roughly-square still-life compositions, painted together in a row, sharing decorative borders. This series of paintings presents a variety of fruits, crustaceans, fish, fowl, meats, vegetables, and drinking vessels set against a neutral brown background, sometimes with a step, shelf or wall niche on which the artist arranged the display.

Still Life with Peaches and Water Jar features five unripe peaches (one only barely formed), their branch cascading off a shelf, and a glass jar of water in the foreground. One of the peaches has been pulled from the branch and bitten open, revealing a reddish pit and white flesh that contrast sharply against its yellow-green skin. The glass jar shows the artist’s ability to register two types of transparency at once: the clear glass vessel and the clear liquid that it contains. While the patron may have wanted the glass, among the most expensive luxuries in Roman Italy, included as a display of their wealth, the artist turned it into an opportunity to demonstrate his skill at depicting these visually complex attributes in perspective.

Xenia (hospitality)

Still Life with Peaches and Water Jar, like the small scenes that accompanied it, belongs to a category of still life paintings known as xenia, drawing on the Greek word for “guest-friendship” or hospitality. Xenia (hospitality) was shown to guests who were far from home by accommodating them and by presenting them with the means to be comfortable (a bed, food, a bath, etc.). This was not just a matter of being polite, but was considered a religious obligation for the Greeks—an idea preserved in both Homeric epic and mythology. The Greeks believed that Zeus Xenios, Zeus’s role as protector of guests, wandered in disguise with travelers, testing the capacity of hosts to be generous and tolerant. Although the devotion with which the Greeks pursued the quality of xenia was not matched by the Romans, the Romans nevertheless took pride in their ability to provide hospitality to guests, especially those whose social favor they wanted to earn (those who were more wealthy and socially important). Xenia, for the Romans, was more about the display of hospitality for appearance’s sake than it was a religious devotion.

Still Life with Hen (left), Still Life with Two Cuttlefish, a Silver Jug, Bird, Shells, Snails and Lobster (center), and Still-life with a Hare and Grapes (right), Fourth Style wall painting from Herculaneum, Italy, c. 62-69 C.E., fresco, 14 x 13 1/2 inches (Archaeological Museum, Naples)

The small xenia paintings at the House of the Stags are not unusual many rich houses, especially houses and villas located along the coast where visitors from Rome might want to travel to escape the summer heat (or political turmoil), were outfitted with special guest quarters. Xenia paintings are frequently found in these rooms, announcing to these guests that they would be lavished with the finest foods and service wear while in the house. The ancient Roman architect Vitruvius suggested that the xenia include, in particular, “poultry, eggs, vegetables, and other country produce” as a way to highlight the experience of getting out of the city and into the countryside (de Architectura VI.7.4). o xenia at the House of the Stags, as Vitruvius might have liked, present fruits and fish (known as area specialties) along with the standard fare.

Still-Life with Chicken and Hare (left), Still Life with Partridge, Pomegranate and Apple (second from let), Still Life with Thrushes and Mushrooms (third from left), Still-Life with Partridges and Eels (far right), Fourth Style wall painting from Herculaneum, Italy, c. 62-69 C.E., fresco, 14 x 13 1/2 inches (Archaeological Museum, Naples)

Xenia paintings or mosaics also appear in more public areas of houses where clients (people who depend on the homeowner’s business) and less-wealthy visitors might see them. In these cases, the xenia spoke to the wealth of the family, and the level of generosity that they could afford to show to those lucky enough to be invited (even if the viewers did not belong to that chosen group). I suspect that my mother had a different idea when sending me with hostess gifts: more an apology for whatever trouble I might get in than a display of wealth and social importance. Still, her insistence that I present myself with hostess gift in hand demonstrates that showing our best and accommodating guests with grace has never gone out of style.

Recursos adicionais

Joanne Berry, The Complete Pompeii (London: Thames & Hudson, 2013).

Roger Ling, Roman Painting (Cambridge: Cambridge University Press, 1991).

Donatella Mazzoleni and Umberto Pappalardo, Domus: Wall Painting in the Roman House (Los Angeles: Getty Trust Publications, 2005).

Umberto Pappalardo, The Splendor of Roman Wall Painting (Los Angeles: Getty Trust Publications, 2009).


The House of the Deer in Herculaneum - History

Thomas Drayton and his wife Ann arrived from Barbados to the new English colony of Charles Towne and established Magnolia Plantation along the Ashley River in 1676. Thomas and Ann were the first in a direct line of Magnolia family ownership that has lasted more than 300 years and continues to this day.

Magnolia Plantation saw immense wealth and growth through the cultivation of rice during the Colonial era. Later, British and American troops would occupy its grounds during the American Revolution, while the Drayton sons would become both statesmen and soldiers fighting against British rule.

The establishment of the early gardens at Magnolia Plantation in the late 17th century would see an explosion of beauty and expansion throughout the 18th century, but it was not until the early 19th century did the gardens at Magnolia truly begin to expand on a grand scale.

Upon his death in 1825, Thomas Drayton, the great grandson of Magnolia's first Drayton, willed the estate successively to his daughter's sons, Thomas and John Grimké. As he had no male heirs to leave it to, he made the condition in the will that they assume their mother's maiden name of Drayton. Some time later, while in England preparing for the ministry, young John Grimké Drayton received word that his older brother Thomas had died on the steps of the plantation house of a gunshot wound received while riding down the oak avenue during a deer hunt. Thus, having expected to inherit little or nothing as a second son, young John found himself a wealthy plantation owner at the age of 22.

Despite the prestige and wealth inherent in ownership of Magnolia and other plantations, he resolved still to pursue his ministerial career and in 1838 he entered the Episcopal seminary in New York. While there, he fell in love with, and married, Julia Ewing, daughter of a prominent Philadelphia attorney. Returning to Charleston with his bride, he strove to complete his clerical studies while bearing the burden of managing his large estate. The pressure took its toll, and his fatigue resulted in tuberculosis. His own cure for the illness was working outside in the gardens he loved. He also wanted to create a series of romantic gardens for his wife to make her feel more at home in the South Carolina Lowcountry. A few years later, as though by a miracle, his health returned, allowing him to enter the ministry as rector of nearby Saint Andrews Church, which had served plantation owners since 1706 and still stands just two miles down the highway towards Charleston. But until his death a half-century later, along with his ministry, Rev. Drayton continued to devote himself to the enhancement of the plantation garden, expressing his desire to a fellow minister in Philadelphia, ". to create an earthly paradise in which my dear Julia may forever forget Philadelphia and her desire to return there."

In tune with the changes he had seen taking place in English gardening away from the very formal design earlier borrowed from the French, John Grimké Drayton moved towards greater emphasis on embellishing the soft natural beauty of the site. More than anyone else he can be credited with the internationally acclaimed informal beauty of the garden today. He introduced the first azaleas to America, and he was among the first to utilize Camellia Japonica in an outdoor setting. A great deal of Magnolia's horticultural fame today is based on the large and varied collection of varieties of these two species–not the abundant and lovely Southern Magnolia for which the plantation just happened to have been named.

The outbreak of the American Civil War would threaten the welfare of the family, the house, and the gardens themselves. But the plantation would recover from the war to see additional growth of the gardens as they became the focus of the plantation over agriculture when the gardens opened to the public for the first time in 1870 and saved the plantation from ruin. Since that time, the plantation and gardens have evolved and grown into one of the greatest public gardens in America with a rich history. To explore that history in-depth and hear the stories of those who lived and worked there over the centuries, visit Magnolia Plantation & Gardens today.


Assista o vídeo: Herkulanum. (Junho 2022).


Comentários:

  1. Arnott

    Você não está certo. Proponho discuti-lo. Mande-me um e-mail para PM, vamos conversar.

  2. Kirkwood

    This information is fair

  3. Amram

    Muitos estão indignados com o fato de os russos usam linguagem obscena com muita frequência. Não, são os americanos que juram e estamos conversando com eles. Um paciente bem fixo não precisa de anestesia. Todas as pessoas são divididas em duas categorias:

  4. Leopoldo

    Não pareça um especialista :)

  5. Adjatay

    Não leve na cabeça!



Escreve uma mensagem